Na infância, em particular, não se pode falar de saúde sem lembrar-se da palavra (e do ato de) amamentação. Vocês podem até pensar que esse assunto já foi muito debatido por aí e que é uma escolha pessoal de cada mãe. Mas, antes de tudo, pra optar é preciso ter informações. Certo? Então eu gostaria de apontar para vocês seis MITOS e VERDADES sobre esse imbatível ato de saúde para as crianças:

Coluninha | por Lílian Kuhn.

MITO: Preciso preparar meus seios com loções e exposição ao sol

Verdade: Durante a gestação, os seios se autopreparam para a amamentação, com o surgimento de “bolinhas” em torno da aréola que ejetarão um óleo lubrificante/protetor e com a mudança de cor dos mamilos.

MITO: Não tenho quantidade suficiente de leite

Verdade: A produção de leite durante todo o período da gravidez e continua até alguns meses após o bebê parar de ser amamentado. Por ser uma “fábrica em funcionamento”, à medida que os seios são sugados, a fabricação é estimulada, então sempre haverá leite suficiente seu(s) bebê(s)…

MITO: Meu bebê não engordará o suficiente se mamar só meu leite

Verdade: Assim como a quantidade, a qualidade do leite materno é indiscutível: Não existe leite fraco. O leite materno é a maior proteção imunológica e o mais completo complexo vitamínico para um neném. Se o bebê demonstra insatisfação e fome, tente reduzir o intervalo entre as mamadas e mantê-lo mais tempo ao seio, mesmo que ele durma uns minutinhos e depois acorde e continue mamando.

MITO: Amamentar em livre demanda aumenta o estômago do bebê

Verdade: O conceito de tempo foi instaurado pela sociedade adulta para facilitar a vida moderna, então, desde que nasce (e até completar seus 04-05 anos), a criança não tem essa noção. Do ponto de vista fisiológico, a capacidade de sucção e o tamanho do estômago de um recém-nascido são muito pequenas, por isso, se propõe o oferecimento em livre demanda: é o bebê que irá ditar o ritmo de sua alimentação, quando ele sentir fome.  Conforme ele vai crescendo, as mamadas podem ir se distanciando.

MITO: Meu filho fica “chupetando” meu seio

Verdade: O seu filho não usa seu seio de chupeta, é a chupeta que foi inventada para substituir o seio e a necessidade de sucção dos bebês, que é responsável não só para alimentação, mas também regulação emocional.

MITO: Ser amamentado causa alterações negativas na fala

Verdade: As alterações de fala e de linguagem podem acontecer por inúmeros motivos, mas a amamentação NÃO é uma delas: amamentar prepara a criança para falar! O esforço muscular que a criança faz com as bochechas, lábios e língua são exercícios preparatórios para a produção adequada dos sons. Tal esforço não é passível de ser realizado com nenhum bico artificial ortodôntico.

Enfim, a sábia natureza faz com que o processo de amamentação e produção de leite materno aconteça de acordo com as necessidades orgânicas e emocionais do seu bebê. Mas muitas vezes, amamentar não é fácil e são muitos os fatores: o inicio de vida em uma UTI neonatal, o bebê que não saber pegar o seio materno e provoca fissuras e feridas nos seios maternos, o nascimento de gêmeos… Entretanto, se houver qualquer dificuldade no percurso, busque ajuda profissional. Há excelentes fonoaudiólogos e enfermeiros consultores de amamentação, nos hospitais e bancos de leites das cidades do Brasil! Vamos dar saúde para nossos bebês. Combinado?

Profile photo of Lílian Kuhn
Fonoaudióloga

Fonoaudióloga com especialização em Audiologia e Mestrado e Doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem. Há dez anos atende crianças e adultos com distúrbios de linguagem.