A alfabetização infantil é um processo longo e, para que seja desenvolvida de forma saudável e produtiva, deve se considerar diversos pontos. É essencial garantir que essa época de vida haja condições adequadas para a absorção do conhecimento, tanto de maneira comportamental quanto pelas técnicas.

Um dos principais pontos é que forçar a criança a alguma tarefa não é nada vantajoso – como forçar a leitura, por exemplo. Com o tempo, essas atividades “forçadas” serão associadas a castigos, aumentando o desinteresse por parte da criança.

Há diversas formas de introduzir a alfabetização e o primeiro contato é, geralmente, dentro de casa. Durante o crescimento, a criança tem como referência seus pais, e inspira-se em suas atitudes e modo de viver. Sendo assim, ao ver sua mãe ler, a criança irá se interessar na atividade e, gradualmente, começar a adquirir hábitos de leitura.

O início da alfabetização

Alguns pais não conhecem os métodos mais saudáveis de como ensinar uma criança a ler e podem, indiretamente, causar o desinteresse da criança com a alfabetização. Forçar não é nunca a melhor forma. Esse processo deve ser divertido, tanto para a criança quanto para o responsável. Lousas, jogos de letras e livros de alfabetização são uma boa pedida.

Conhecendo o alfabeto

O alfabeto formalmente ensinado é uma responsabilidade do professor, mas você, pai, pode contribuir para que esse processo de aprendizado seja mais atrativo e rápido. O ambiente familiar pode – e deve – ser um ambiente educacional, com hábitos de escrita e leitura desde os primeiros anos de idade da criança. Por exemplo, quando a criança escuta alguma historinha da mãe, acaba percebendo que a leitura é feita da esquerda para direita – uma das primeiras e mais importantes regras de leitura.

O bebê ou criança deve conhecer primeiramente as letras do alfabeto para que depois sejam formadas palavras – ou seja, ela deve aprender que essas letras formam palavras. Dessas letras, as vogais devem ser as primeiras a serem introduzidas.

Brincando de alfabeto

A hora da leitura deve ser sempre divertida, com o máximo de utensílios para entreter a criança. Alfabetos móveis, almanaques, lousas e outros joguinhos como caça-palavras, palavras cruzadas e ligar-pontos são ótimas opções, pois são usadas, geralmente, letras grandes e coloridas para despertar o interesse das crianças.

O método fônico é outra alternativa. As músicas de alfabetos visam introduzir as vogais e consoantes fazendo a associação dos sons com as letras. A música é uma grande chave para isso, funcionando como atrativo para que o alfabeto seja memorizado.

O método silábico, depois do conhecimento do alfabeto, consiste na formação de palavras por sílabas. Por exemplo, depois do a-e-i-o-u, introduzir formações silábicas como na-ne-ni-no-nu, ma-me-mi-mo-mu, etc.

Os pais devem também incentivar seus filhos fora de casa, brincando de ler outdoors, placas de endereços, etiquetas de super-mercados, etc. Esse processo permite, ainda, a aproximação dos responsáveis com seus filhos, deixando tudo mais gostoso e divertido de se ensinar.