Quem tem criança em casa sabe como é, todos os momentos valem uma foto. Os sorrisos, o primeiro dia na escola, a primeira vez que provou papinha, quando o dentinho caiu, tudo ganha cliques de mães e pais corujas. Mas, apesar de querermos ter uma recordação para cada momento marcante da vida dos nossos pequenos, precisamos nos atentar com o que compartilhamos, especialmente nas redes sociais.

A questão não é tirar muitas fotos, mas saber onde estamos publicando e para quem estamos enviando essas fotos e ter cuidados na internet. Você já se perguntou, por exemplo, se super compartilha a rotina das crianças em suas redes sociais? Aqui vai uma listinha de perguntas para você saber se está postando coisas demais sobre seu pequeno:

1. Você recebe comentários de pessoas que não se lembra quem são em fotos de seus filhos dizendo quanto eles cresceram?

2. Pessoas que não são da família nem amigos próximos sabem o nome de seus filhos?

3. Você já postou a localização de vocês ou para onde estavam indo?

4. Pelo menos uma vez por semana você conta ou posta algo sobre seu filho?

5. Você conta coisas sobre seu filho no grupo dos pais do colégio?

6. Seu filho tem perfil em alguma rede social que não seja para crianças e você sabe disso?

7. Você já postou ou posta fotos da criança na piscina ou no banho?

Se você respondeu “sim” a mais que três perguntas, talvez precise repensar o que anda compartilhando sobre seu pequeno. Algumas coisas que são absolutamente inocentes para nós, podem ser vistas de uma forma totalmente diferente por pessoas não tão bem intencionadas.

Segundo o Guia Internet Segura, criado pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil, pais e responsáveis devem evitar compartilhar fotos em que as crianças apareçam com pouca roupa, tomando banho ou na praia, por exemplo.

Além disso, evite postar fotos que exponham os hábitos das crianças, como mostrando uniforme escolar e locais que frequentam ou moram. De acordo com o guia, existem diversos casos noticiados de sequestros de crianças que foram planejados com informações obtidas em redes sociais.

Cyberbullying

As coisas compartilhadas na internet podem ser divulgadas rapidamente e tomar proporções que nem imaginamos, por isso outra coisa que vale a pena pensar é: as informações que você está postando sobre a criança não são íntimas demais? Não só fotos, mas outras informações como o que elas disseram ou contando situações pelas quais elas passaram.

Isso poder ser algo tranquilo para adultos, mas as crianças estão em período de formação de personalidade e não têm maturidade emocional para lidar com algumas situações, como opiniões e desaprovações que podem ser originadas por coisas que os amigos viram ou leram em redes sociais sobre elas.

O que fazer?

Adicionar pessoas que não conhecemos ou não nos lembramos em redes sociais é algo bem comum, tente fazer a limpa para, ao menos, saber realmente quem são as pessoas que estão vendo suas informações e as informações de seu pequeno. Torne seu perfil privado, assim somente seus amigos poderão ter acesso ao que você publica. Pense três vezes antes de postar algo da criança.

A família ou amigos moram longe e querem saber como ela está? Mande fotos por aplicativos fechados ou por mensagem privada. Por fim, redes sociais têm recomendação de idade mínima por um motivo, não encoraje seu pequeno a criar um perfil em uma rede social antes da idade mínima, ele terá muitos anos pela frente para socializar por lá, incentive nessa fase o convívio entre amigos e família e vá dando o suporte necessário para que quando chegar a hora dele navegar livremente pela internet, ele saiba se proteger.

Leia mais:

Profile photo of Ariane Donegati

Jornalista e entusiasta do desenvolvimento infantil, acredita que brincar é sinônimo de aprendizado e felicidade para as crianças.