Crianças X Dinheiro

Se o seu pequeno tem por volta de 3 anos ou mais, provavelmente, você já passou por alguma situação em que, ao levá-lo a um passeio ou ao supermercado, ele pediu, insistentemente, por algum objeto que desejava muito. Seja um lanche, uma roupa nova ou um brinquedo, desde cedo, as crianças já começam a perceber que adquirir o objeto que tanto desejam, depende de dinheiro. Para que essa relação com o consumo e com o dinheiro seja algo saudável e positivo para pais e filhos, é muito importante que os pequenos tenham contato, de forma lúdica e leve, com as noções básicas de como lidar adequadamente com as finanças. Vamos conversar sobre educação financeira para crianças?

A importância da educação financeira para crianças

Introduzir a educação financeira na vida dos pequenos colabora para um futuro mais responsável e equilibrado financeiramente, ajudando-os a ganhar, poupar e gastar com sabedoria. Isso pode (e deve) ser feito de maneira leve e lúdica, e, sempre, respeitando a idade da criança. O diálogo é fundamental para que o seu filho compreenda que adquirir objetos de desejo, depende de trabalho e de dinheiro. Além disso, algumas ferramentas também podem ajudar os pais a introduzir e conversar sobre o assunto com os filhos, de maneira sutil e natural, como jogos, livros, cofrinhos ou, até mesmo, mesadas e semanadas.

Mesada: dar ou não dar?

Receber seu próprio dinheiro, contribui para que o pequeno reflita de maneira mais consciente e responsável sobre suas poupanças, gastos e desejos. Pensando nisso, algumas família adotam o método das mesadas ou semanas, dando determinada quantia de dinheiro para os filhos, com uma frequência regular. Esta é uma forma de fazer com que os pequenos tenham que gerir, desde cedo, as próprias finanças. Uma indicação de especialistas, é optar pela semanada para pequenos mais novinhos, pois a dimensão de tempo entre os mais novos ainda é muito imediata. Uma ideia, por exemplo, é dar R$1,00 para cada ano da criança. Portanto, um pequeno de 8 anos, receberia R$8,00 por semana.

Qual a opinião dos pais?

Resultado-Enquete-1

A Leiturinha realizou uma pesquisa de opinião em suas redes sociais para saber qual o posicionamento dos pais a respeito da mesada para as crianças. Das 4.201 pessoas que participaram da enquete no Instagram, 73% responderam que concordam em dar mesada para os filhos. Confira alguns depoimentos que recebemos sobre o assunto em nossa página do Facebook:

Aqui em casa, as meninas já tem até conta poupança e todas as moedinhas no cofrinho vão para a conta. A mais velha, de 4 anos, vai junto ao banco sempre, ela faz muitos planos futuros com suas moedinhas! Acredito que essa é uma ótima crença sobre dinheiro, guardar dinheiro e fazer planos a longo prazo. Tisa Paloma Longo

Acho importante as crianças aprenderem a administrar seu dinheiro desde pequenas. É uma forma de ensinar a dar valor para o que compram. Claro, devemos cuidar e auxiliar os pequenos sempre. Carolina Bauer

Mais importante do que dar mesada é fazê-lo entender que aquela mesada é uma recompensa de uma atividade bem feita, e que aquela recompensa não pode ser gasta de uma vez. Tem que aprender a administrar essa mesada. Thiago e Ivone Bessa

Eu não daria mesada para meu filho, se ele quisesse algo compraria. O mundo está perdido demais para criança ter dinheiro. Keylla Cristina

Meu filho tem 1 ano e 9 meses e já abrimos uma conta para ele no banco e em casa ele tem o cofrinho onde junta as moedas! Jessica Rodrigues

Minha netinha disse que queria comprar um bezerro (de verdade)! Fiz um cofrinho e expliquei para ela que daríamos moedas constantemente para realizar seu sonho. Ela mostrou-se muito disciplinada. Um ano depois já tinha o montante. Ela tem 4 anos. Leonete Soares

Acho que as crianças precisam aprender desde cedo a lidar com dinheiro para não se tornarem adultos compulsivos ou descontrolados. Meu filho tem 7 anos e tem um cofrinho. Todos os anos, no fim do ano nós abrimos e vamos à loja de brinquedos escolher algo para comprar com o dinheiro guardado. Gisele Nascimento

Dica Leiturinha:

Como os livros infantis são sempre uma ótima pedida para introduzir temas complexos na vida dos pequenos, Paula Piffer, da Equipe de Curadoria da Leiturinha, preparou uma lista com 4 títulos ideais para ajudar os pais a conversar sobre dinheiro com os filhos. Confira:

 

Como se Fosse Dinheiro1. Como se Fosse Dinheiro

Editora: Salamandra
Autora: Ruth Rocha
Ilustradora: Mariana Massarani
Melhor idade: pequenos a partir de 6 anos

Todos os dias, Catapimba levava dinheiro para a escola para comprar seu lanche e todos os dias seu Lucas falava a mesma coisa: “não tenho troco, leva uma bala, é como se fosse dinheiro”. De nada adiantava discutir com o vendedor, ele nunca tinha troco! Até que um dia, antes de dormir, Catapimba teve uma ideia genial. Chegou na escola com uma caixa enorme, todos queriam saber o que era, mas só no recreio ele contaria. Foi comprar seu lanche, levou a caixa e adivinhem? Era uma galinha! Sim, uma galinha. “Ué seu Lucas, é como se fosse dinheiro” e seu Lucas não sabia o que fazer, acabou aceitando a galinha como pagamento para evitar uma confusão maior. No dia seguinte, cada um da escola estava com uma coisa diferente para comprar seu lanche, afinal “é como se fosse dinheiro”, ou não?

 

A Moedinha que Queria Comprar a Felicidade

2. A Moedinha que Queria Comprar a Felicidade

Editora: Melhoramentos
Autor e ilustrador: Nani
Melhor idade: pequenos a partir de 7 anos
Disponível em: Leiturinha Digital

Este é um livro cíclico que conta a aventura de uma moedinha que muda de mão em mão inúmeras vezes. São várias as situações que a moeda é passada adiante, e durante a leitura das histórias, algumas palavras estão em destaque. Use essas palavras e os exemplos do livro que as contextualizam para ensinar educação financeira ao seu pequeno!

 

 Carlitos Contra o Consumo3. Carlitos Contra o Consumo

Editora: Noovha América
Autor e ilustrador: Victor Tavares
Melhor idade: pequenos a partir de 8 anos
Disponível em: Leiturinha Digital

Carlitos é um gatão escritor e apaixonado por Clarabela! Mas Clarabela só pensa em gastar, sem parar. Ela tem um filho, um gatinho, o pequeno Gabriel. O escritor já declarou seu amor, mas ela não dava muita bola… Um dia, Carlitos prometeu “vou te dar um presente que não se pode comprar”, mas ela nem ligou. Era Natal e ela foi ao shopping fazer compras, mas comprou tanto que não conseguiu prestar atenção no seu filho e eles acabaram se perdendo… O acontecimento muda o rumo da história e dá sentido ao presente que Carlitos prometeu à amada. Ao final do livro há um “Papo de economia” e algumas atividades.

 

Desatando os Nós - Economia para Crianças

4. Desatando os Nós – Economia para Crianças

Editora: Melhoramentos
Autor: Manuel Filho
Ilustradora: Aline Abreu
Melhor Idade: pequenos a partir de 9 anos
Disponível em: Leiturinha Digital

Em um dia gostoso na casa da avó, como seria achar um baú antigo do seu avô cheio de dinheiro? Mais estranho ainda que isso, descobrir que tudo aquilo não vale nada! Para descobrir como aquela dinheirada toda perdeu seu valor, é a história que a vovó conta para o netinho sobre economia, e claro, não podia faltar uma brincadeira, né? Com um novelo de lã na mão e instruções claríssimas, o netinho vai descobrir de forma muito simples o que é economia, para que serve e como lidar com ela.

Leia mais:

Profile photo of Ana Clara

Jornalista e autora no Blog da Leiturinha, é fascinada por tudo que envolve o mundo da leitura, das histórias às poesias. Acredita que as palavras aproximam pessoas, libertam a imaginação e modificam realidades. Gosta de escrever, viajar e aprender sempre.