Oferecer uma educação de qualidade para os filhos é uma das principais preocupações dos pais. Afinal, o futuro profissional e pessoal das crianças começa, em grande parte, na escola! Hoje, existem diferentes métodos e linhas educacionais e se informar é fundamental para que a família escolha uma opção que seja condizente com suas ideologias e interesses. Dentro deste contexto, já falamos por aqui, sobre o documentário Quando Sinto que Já Sei, que viajou pelo Brasil para conhecer e apresentar as diferentes metodologias de ensino aplicadas nas escolas pelo país. Também já escrevemos sobre a educação na Finlândia, que é exemplo para todo o mundo. Hoje, vamos apresentar a Pedagogia Waldorf, que tem como principal premissa, formar seres humanos.

O que é pedagogia Waldorf?

Em 1919, o filósofo alemão Rudolf Steiner, a pedido do dono de uma fábrica de cigarros, a Waldorf, no pós guerra, desenvolveu a pedagogia com o mesmo nome da empresa. Acreditando que, para conseguir um bom desenvolvimento intelectual, é necessário  existir uma base emocional sólida, a Pedagogia Waldorf busca o desenvolvimento de cada criança num ambiente livre e cooperativo, sem provas e com forte apoio nos trabalhos manuais e na arte. Nesse sentido, o método se baseia no apoio ao desenvolvimento psíquico, espiritual e fisiológico das crianças e, hoje, já está implantado em 80 países dos cinco continentes, existindo centros educativos em países como Estados Unidos, Chile, Argentina, México, Peru, Brasil, Colômbia, Equador e outros.

Quais as principais características e diferenciais do método?

Semelhante ao sistema de ensino da Finlândia, nos primeiros anos da criança na escola, trabalha-se sua base emocional. Portanto, no primeiro ciclo, de 0 a 7 anos, os pequenos aprendem através de jogos e brincadeiras ao ar livre, focando no estímulo dos seus sentidos, imaginação e criatividade. Apenas a partir dos 7 anos, inicia-se o processo de alfabetização, sempre buscando promover o desenvolvimento das capacidades de pensar e sentir, e fortalecendo sua autonomia e independência. Cada turma tem por volta de 20 crianças e, além das disciplinas do currículo educacional oficial, a grade inclui também aulas de artes, como música, teatro, dança, pintura, e também aulas de idiomas, como inglês e alemão.

Além disso, toda a arquitetura e estrutura da escola é cuidadosamente pensada, levando em conta o livre brincar, que coloca pequenos desafios de autonomia e desenvolvimento corpóreo a favor do autoconhecimento dos pequenos. Outros pontos importantes deste método são o fortalecimento do vínculo entre a escola e as famílias dos alunos, o estímulo a uma alimentação mais natural e saudável e o respeito a individualidade de cada criança, defendendo que os pequenos precisam se sentir seguros e apoiados para que suas virtudes possam aflorar.

Quais os benefícios desta metodologia?

–  Há uma efetiva participação da família no dia a dia da escola.

– Aos professores, é oferecida uma formação e atualização permanente. Além disso, o vínculo entre professor e aluno é maior, pois existe apenas um tutor para cada etapa educativa.

– Forte estímulo  ao respeito, autonomia, solidariedade e cooperação entre as crianças.

– Contato com a natureza.

– O método acredita que uma criança compreendida e aceita rende muito mais. Por isso, as atividades escolares são personalizadas, permitindo que os pequenos levem tarefas escolares para casa de acordo com suas capacidades e interesses.

Leia também: Você colocaria seu filho em uma escola bilíngue?

Profile photo of Ana Clara Oliveira

Jornalista e autora no Blog da Leiturinha, é fascinada por tudo que envolve o mundo da leitura, da educação e da infância. Acredita que as palavras aproximam pessoas, libertam a imaginação e modificam realidades. Gosta de escrever, viajar e aprender sempre.