Ver nossos pequenos passando por dificuldades não é fácil, queremos ajudá-los e superar os obstáculos e, muitas vezes, acabamos evitando certos erros que fariam com que eles aprendessem mais. Por exemplo, quando eles estão na fase de aprender a amarrar o cadarço do sapato e, para facilitar, compramos tênis de velcro ou fazemos nós mesmos o laço do sapato.

Podem ser coisas simples como essa ou como resolver os problemas ou situações que eles criaram. Quem já passou por uma situação em que teve que sair correndo de manhã para procurar materiais para que ele levasse na aula de artes, sendo que a criança que deixou de se programar para isso?

Como pais e responsáveis pelas crianças devemos ensinar, ajudar e incentivar que eles tomem as decisões corretas. A superproteção pode ser um risco para o desenvolvimento delas. Assumirmos que eles não vão conseguir algo e já resolver por eles não vai trazer um aprendizado. Não dar a oportunidade da tentativa e do erro vai fazer com que eles não aprendam lições essenciais para o desenvolvimento.

O erro pode gerar um sentimento de frustração na criança, se logo na primeira tentativa ela errar, se sentir frustrada e imediatamente receber sua ajuda, ela vai entender que suas frustrações serão solucionadas por você ou que não vale nem a pena se esforçar para ter o que querem. Por outro lado, tente deixá-la tentar sozinha, estimule que ela siga tentando até conseguir ou dê mais ferramentas para que ela consiga, mas sem tentar fazer por ela ou dar a resposta imediata para um problema.

Ensinando e confiando

Aos ensinarmos nossos pequenos, estamos dando ferramentas para eles resolverem problemas e chegarem a soluções lógicas. Quando deixamos que eles façam as coisas por si, estamos mostrando que acreditamos e confiamos neles. Deixar uma criança de 4 ou 5 anos escolher sua própria roupa para um passeio é dar espaço para sua personalidade, criatividade e um sinal objetivo para ela de que você confia nas escolhas dela. E se ela escolher uma roupa de frio para o calor? Mais uma vez, entra seu papel de educar, explicando por que aquela não é a melhor opção.

Erro X erro proposital

Deixar as crianças errarem não quer dizer deixar que elas façam coisas erradas, existe uma diferença enorme. O cenário em que eles estão aprendendo e acabam errando é um totalmente diferente daquele em que eles cometem erros de propósito, como não respeitando regras e pessoas, por exemplo. Assim como adultos, crianças erram como parte do processo de aprendizagem, mas isso não é um aval para que elas façam coisas erradas.

Leia mais:

Profile photo of Ariane Donegati

Jornalista e entusiasta do desenvolvimento infantil, acredita que brincar é sinônimo de aprendizado e felicidade para as crianças.