Na fase de lições e ensinamentos da criança, aprenda a importância da escolha adequada de um conto ou fábula

O fato de uma criança não saber ler não significa que não possa vivenciar os prazeres e benefícios da leitura. A história infantil possui propriedades didáticas para o aprendizado dos mais variados assuntos, resultando em reflexões e ensinamentos para o resto da vida. Como cada história tem seu nível de compreensão, é importante considerar uma série de fatores ao escolher um conto ou fábula. Por isso, seguir o indicativo de idade é o ideal.

A fase até 3 anos

Após o primeiro ano de idade da criança, é possível perceber a transição de um bebê completamente dependente para um bebê que começa a demonstrar uma certa independência. A partir dessa fase já é comum que o pequeno aprenda, gradualmente, a falar, andar e comer sem depender dos pais. Mas o que isso tem a ver com a escolha de uma história infantil ilustrada ou uma fábula contada?

Você deve ter notado que a fase até os 3 anos é marcada por ensinamentos que vão durar para toda a vida, ou seja, tudo o que a criança aprende reflete no que ela se tornará no futuro, independentemente do nível de importância.
No entanto, o período é marcado por erros e acertos – assim como os contos e as fábulas – e você, pai, deve compreender que nem sempre a criança entenderá o que está ouvindo, principalmente no sentido do entendimento enquanto ensinamento. Por isso, não se surpreenda ou se irrite se o pequeno pedir para voltar na leitura infantil inúmeras vezes.

Principais critérios para escolher as histórias

A narrativa tem o poder de recriar, distrair e aliviar as sobrecargas emocionais, além do seu papel como didática de ensinamentos. Como a criança de até 3 anos está passando por uma fase experimental da vida, em que seu vocabulário está em construção, é preciso cautela na escolha de uma história infantil. Mas isto não dispensa também que algumas novas palavras sejam introduzidas por meio dos livros. Este momento também auxiliará na construção do seu vocabulário.

O conto rítmico com narrativa leve e lúdica é o mais indicado. Ele possui tons bem-humorados que contribuem para seu compreendimento e interesse. O uso da repetição na narração é essencial. Ela ajuda a conquistar e manter a atenção da criança, fazendo com que assimile melhor o enredo. Quanto aos personagens, os animais com características humanas e seres com poderes mágicos são considerados os mais atrativos. Esses mesmos critérios valem para a escolha de uma história infantil para dormir.

Os livros interativos, mesmo que o bebê ainda não saiba ler, são ótimas opções. Desenhos coloridos com texturas e dimensões, certamente atraem e aguçam o gosto do pequeno, alimentando o interesse futuro na leitura. O indicativo de idade, em todos os casos, é uma boa saída.