Viagem sem filhos: como tornar mais fácil?

Quando os filhos são pequenos, muitas mães se questionam sobre a necessidade,  ou a vontade mesmo, de fazer uma viagem sem filhos. Será que pode? Será que tem problema? De jeito nenhum!

Algumas mulheres precisam e sentem vontade de curtir um programa sem os filhos e isso pode ser super saudável… O importante é que a mamãe tenha confiança para estar ausente. Vamos pensar nos dois lados:

Os filhos: é natural que as crianças sintam saudade da mãe, mas isso não significa necessariamente um sofrimento. As crianças, principalmente os bebês e as crianças pequenas, precisam de alguém que represente a figura materna nesse período, ou seja, alguém que transmita segurança, confiança e cuidado. Se elas têm um pessoa de referência, podem ficar muito bem durante um período sem a mãe.

As mães: o mais importante aqui é a segurança para se ausentar. Ter confiança de sua decisão é fundamental para conseguir viajar tranquila. Uma rede de apoio funcional conta muito nesse momento, ou seja, saber que pode contar com o pai das crianças, avós, tias, amigas, babá ou quem quer que seja permite que a mãe se sinta segura.

Com alguns cuidados, a viagem pode acontecer sem nenhum problema:

– Converse com a criança e diga a verdade.

– Explique quantos dias irá ficar fora, explique quem irá cuidar dela, como será a rotina nesse período e deixe que ela também fale sobre o que sente.

– Faça um calendário, isso pode ajudar a criança a lidar melhor com o tempo e se organizar emocionalmente. 

Algumas crianças podem não reagir tão bem ao retorno da mãe. Isso é natural e pode ser a forma encontrada por elas para se expressar. Se esse for o caso, mantenha a calma. Com um pouquinho de tempo e atenção a rotina tende a voltar ao normal. Não esqueça que o importante é ter tranquilidade e segurança nas suas escolhas e decisões, afinal, você sabe melhor do que ninguém aquilo o que funciona bem para você e sua família. Seja feliz!

Leia também:

Profile photo of Flávia Carnielli

Mãe da Maria Clara, mestre em psicologia clínica, especialista em psicologia perinatal e formada em psicoterapia infantil. Carinhosamente, contribui com seu conhecimento aqui no Blog, à convite da Leiturinha.