Introdução alimentar: os primeiros passos para hábitos alimentares saudáveis

Uma boa introdução alimentar é fundamental para que, no futuro, o pequeno desenvolva uma alimentação mais equilibrada e saudável. Por esse motivo, o período de amamentação pode ser também um momento para toda a família refletir sobre seus hábitos alimentares e se informar, para se preparar para os primeiros passos da introdução alimentar do pequeno. Esta fase pode gerar dúvidas e inseguranças, por isso, é recomendada a visita ao pediatra, e, se possível, ao nutricionista, para um melhor acompanhamento e, também, para tirar dúvidas mais específicas.

A introdução alimentar é um assunto sério e complexo, que envolve a segurança do seu bebê. Mas as soluções são mais simples do que o nosso medo de errar faz parecer – Rita Lobo

Para ajudar mamães e papais que estão passando por esta fase, conversamos com a nutricionista Ana Elisa Casalinho, que deu algumas dicas e informações que vão te deixar mais segura(o) neste momento. Segundo a nutricionista, “essa fase define o paladar e abre um leque de opções de texturas e sabores variados. Por isso, a alimentação de um bebê até um ano deve ser composta de produtos naturais isentos de açúcar e sal, ou potinhos, vidrinhos, pacotinhos, saquinhos, latinhas, entre outros industrializados”. Então, quais as melhores opções no momento da introdução alimentar do bebê?

Como preparar o bebê para a introdução alimentar

Os primeiros alimentos da vida do bebê!

Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde) é recomendado que a introdução alimentar comece a partir dos 6 meses de idade, sendo que, até lá, a amamentação deve ser exclusiva e em livre demanda. No entanto, mesmo com a alimentação já estabelecida, é indicado que a amamentação continue até os 2 anos, ou mais.

Chegou a hora! O pequeno já está com 6 meses e, além do leite materno, pode ingerir outros alimentos. Frutas, legumes, arroz, feijão, macarrão… Entre tantas opções, surge uma dúvida para mamães e papais: quais alimentos ideias para cada etapa do desenvolvimento dos pequenos?

Segundo a nutricionista Ana Elisa, “a introdução alimentar deve ser feita de forma lenta e gradual, respeitando o desenvolvimento do bebê e a região onde vive. Aqui no Brasil, por ser um país tropical, começamos pelas frutas. Depois acrescentamos os legumes de bases, legumes e vegetais coloridos, verduras e proteínas. E por últimos arroz/feijão/macarrão.”. É importante ressaltar que neste momento, respeitar o tempo, a aceitação e o apetite da criança, é fundamental. Cada criança é única, portanto, evite comparações e, na dúvida, busque a ajuda de um profissional que possa auxiliar no processo.

Mas, e os líquidos?

Outra dúvida comum entre a família sobre a alimentação infantil, é em relação aos líquidos. Pode dar suco para os bebês? A partir de que idade? Sobre este assunto, Ana Elisa ressalta: “entre 6 e 12 meses somente água, após esta fase, os sucos naturais são bem-vindos. Sempre em pouca quantidade dando preferência para frutas.”.

Os desafios da Introdução alimentar

Conforme afirma a nutricionista, se a alimentação da família é saudável ficará tudo muito mais prático. No entanto, a introdução alimentar pode gerar muitas expectativas nos pais e é muito comum que o bebê não as corresponda, comendo menos que o esperado, recusando muitos alimentos. Isso gera uma grande preocupação e frustração. Porém, a nutricionista ressalta, “o importante é o que o bebê come e não o quanto.”. Portanto, é fundamental estar sempre atento aos sinais do bebê, se ele demonstra interesse pelos alimentos, se demonstra fome/saciedade, para não forçar e nem deixar de oferecer e estimular suficientemente.

Meu filho come mal: o que fazer?

Quais os métodos de introdução alimentar?

Além da tradicional papinha, hoje em dia, outros métodos de introdução alimentar têm ganhado popularidade. Vale lembrar que, no momento de escolher a melhor opção para o seu pequeno, é importante considerar os hábitos e a rotina da família e do bebê. Confira três métodos para introduzir os novos alimentos na vida do seu pequeno:

1. A tradicional papinha

Este é um método muito tradicional, que envolve, basicamente, amassar os alimentos, no liquidificador ou no garfo, e oferecê-los em forma pastosa ao bebê.  Por meio das papinhas, é possível misturar diferentes tipos de alimentos, mas, por outro lado, a criança come sem saber ao certo o quê está comendo e as texturas ficam indiferenciadas, já que são as mesmas.

Aprenda 4 receitas de papinha para você fazer para o seu bebê

2. BLW

O método BLW tem ganhado muitos adeptos.  Pensado e desenvolvido pela britânica Gil Rapley, este termo significa, em tradução livre, “desmame guiado pelo bebê” (baby-led weaning) e consiste em oferecer alimentos em pedaços ao pequeno, de modo que ele mesmo se alimente, de acordo com sua curiosidade, apetite e interesse.  

 BLW: Mamãe, papai, hoje eu vou comer sozinho!

3. Pê-efinho

O pê-efinho é o que o próprio nome sugere: oferecer à criança uma mini versão do prato dos adultos. Nesse método, os mesmos alimentos consumidos pela família, são amassados ou picados em pequenos pedaços, montados em um pratinho e oferecidos ao bebê, de modo que ele  sinta a textura e o sabor dos diferentes alimentos.

Na hora de comer…

É importante evitar distrações! Prefira sempre sentar à mesa, tornando o momento da alimentação um ritual prazeroso para toda a família. Afinal, se alimentar é mais do que ingerir nutrientes, é uma experiência social importante e, quanto mais prazeroso for esse momento, melhor será sua relação com a comida.

Atenção ao que vai à mesa: se você não deseja que seu filho coma determinados alimentos, evite consumi-los em casa.

Meu filho viu, e agora? Porém, não é porque a criança viu alguém comendo determinado alimento que ela precisa comer também. Crianças sentem-se interessadas pelo mundo à sua volta, de forma geral. Se ela viu uma pessoa comendo um sorvete na rua, por exemplo, distraia sua atenção para outra coisa. Isso evitará que seu pequeno consuma, em excesso, açúcares e outros alimentos industrializados que podem prejudicar sua saúde.

Dica Leiturinha:

Pensando nesta fase tão delicada do desenvolvimento dos pequenos, a Equipe de Curadoria da Leiturinha preparou uma coleção de livros para você curtir com seu bebê e, de quebra, desenvolver desde cedo o hábito de uma alimentação saudável em família, é a Coleção Alimentação para Bebês! Confira os livros que compõem essa coleção:

Comida de Bebê Uma Introdução à Comida de Verdade

Comida de Bebê: Uma Introdução à Comida de Verdade

Autora: Rita Lobo
Editora: SENAC

Um livro para quem se preocupa com a alimentação da família toda. Nesta obra, com o apoio de médicos e nutricionistas, a chef de cozinha e apresentadora do canal GNT, Rita Lobo, responde questões dos pais e convida a família a mudar os hábitos para uma vida mais saudável. Com receitas práticas e acessíveis, ela mostra como é possível uma cozinha que sirva a bebês e a adultos, com pequenas alterações.

Sopa

Sopa

Autor: Palavra Cantada
Editora: Melhoramentos

Um verdadeiro estímulo para os pequenos, uma brincadeira musical sobre um prato universal: a sopa! Com mais de 20 anos de sucesso, a Palavra Cantada chega ao prato das crianças. Além da canção ilustrada e DVD com o clipe da música, o livro conta com um quebra-cabeça para toda a família se divertir!

Confira essa e outras coleções, acessando a Loja Leiturinha

Profile photo of Sarah Helena

Mãe da Cecília, formada em Psicologia, especialista em Filosofia, sempre trabalhou com famílias, especialmente com os pequenos. Por esse amor ao universo afetivo infantil, hoje, na Leiturinha, ela colabora fortalecendo o vínculo das famílias leitoras através da experiência da literatura.