Prêmio Reclame Aqui

Como lidar com a culpa materna?

por | mar 3, 2020 | 0 Comentários

Conceitualmente, a culpa se refere à responsabilidade atribuída a si ou a outra pessoa pelas consequências de um ato que promova prejuízo de ordem moral, material ou espiritual. No âmbito subjetivo, o sentimento de culpa se manifesta como um sofrimento após avaliação negativa de um comportamento emitido. Em outras palavras, a pessoa confere a si mesma as implicações de determinada ação. Isso gera angústia e pode comprometer sua saúde mental.

Dentro da função materna não é diferente, a culpa existe. A experiência da culpa materna está diretamente associada à representação social e às expectativas direcionadas à figura da mãe. Normalmente, sendo representada por uma mulher protetora, forte, capaz de proteger e prover as condições de sobrevivência para sua cria. 

Qual o peso dessa culpa?

Há uma crença cultural sobre o “amor de mãe”, que seria concebido como um amor incondicional, inato e instintivo. Isso, exige dessa mulher um preparo emocional e físico muitas vezes distante da realidade diariamente vivenciada. Soma-se a isso as responsabilidades atribuídas ao “ser feminino” pela sociedade. Como por exemplo, o cuidado, a educação e a organização do lar. 

Historicamente construiu-se um ideal materno pautado na ideia da perfeição, em que predomina única e tão somente os acertos. Não há espaço para a aprendizagem a partir da rotina diária e das singularidades presentes na relação. 

As imposições geram frustrações

Quando olhamos por esse prisma, desconsideramos o que há de mais precioso na condição humana. Perdemos a característica individual e única de cada Ser existente. Perdemos o prazer e a beleza do “vir-a-ser” substituído pelo “como-deve-ser”. Tratamos aqui da invisibilidade daquilo que nos faz únicos, para sermos moldados e definidos aos padrões pré-estabelecidos. A maternidade, então, acaba contemplando um lugar inalcançável que gera frustrações cotidianas e constantes. 

A relação mãe-bebê 

Lembremos que, em uma relação materna há sempre dois, a mãe e o bebê. Cada qual é dotado de características particulares. Elas conferem aos dois a subjetividade e a maneira de viver as primeiras experiências dessa relação, cada qual ao seu modo. 

A empatia é fundamental durante a maternidade

Durante a gestação, é fundamental e saudável que a mulher seja convidada a entrar em contato com as suas expectativas frente aos temas relacionados à maternidade. Também deve ser com seus desejos e medos para que possa desconstruir essa figura idealizada e se aproprie de sua maternagem, que irá de fato se concretizar com o nascimento. Esse movimento exige compreensão, empatia e respeito dos demais envolvidos nesse processo. 

A mulher ocupa de modo consciente o lugar de protagonista em sua própria história. Por isso, ela tem melhores condições de assumir e reconhecer suas possibilidades, atitudes e suas faltas. Assim, é possível compreender o que realmente lhe cabe e lhe pertence. Desse modo, as frustrações e culpas podem ser acolhidas, elaboradas e ressignificadas.

Leia mais:

Escrito por Juliana Di Lorenzo
Mãe da pequena Olívia e Psicóloga. Após vivenciar as transformações e vicissitudes da maternidade, escolheu por dedicar seus estudos e práticas à psicologia Perinatal e Parental. Atua no atendimento clínico e grupos terapêuticos, pois acredita nas possibilidades da fala e escuta compartilhada. * Juliana é nossa autora convidada e seus textos não refletem, necessariamente, a opinião do Blog Leiturinha.
Livros selecionados por faixa etária, todo mês na sua casa. Saiba Mais.
Relacionados
Maternidade Real: A visão de mulheres reais sobre ser mãe

Maternidade Real: A visão de mulheres reais sobre ser mãe

“Viver a maternidade real é me doar a todo momento. É pensar e estar com ele no meu pensamento 24 horas por dia. É me preocupar, é sentir esse medo, acho que até mesmo um medo de perder. É querer aproveitar cada momento como se fosse único e pedir que o tempo pare."...

Qual é a importância da leitura na educação infantil?

Qual é a importância da leitura na educação infantil?

De modo geral, os livros têm a capacidade de formar cidadãos ativos na organização de uma sociedade mais consciente e crítica. Mas qual é a importância da leitura na educação infantil, especificamente? Neste texto, você irá descobrir por que desenvolver o hábito da...

Meu filho dorme mal: 5 dicas para noites mais tranquilas

Meu filho dorme mal: 5 dicas para noites mais tranquilas

Meu filho dorme mal, o que fazer? 😴 Se essa pergunta não sai da sua cabeça, é bom prestar atenção nas informações que temos para você! O sono é importante para que o desenvolvimento mental e físico das crianças ocorra de forma saudável. Como essa fase de crescimento é...

Maternidade Real: A visão de mulheres reais sobre ser mãe

Maternidade Real: A visão de mulheres reais sobre ser mãe

“Viver a maternidade real é me doar a todo momento. É pensar e estar com ele no meu pensamento 24 horas por dia. É me preocupar, é sentir esse medo, acho que até mesmo um medo de perder. É querer aproveitar cada momento como se fosse único e pedir que o tempo pare."...

Qual é a importância da leitura na educação infantil?

Qual é a importância da leitura na educação infantil?

De modo geral, os livros têm a capacidade de formar cidadãos ativos na organização de uma sociedade mais consciente e crítica. Mas qual é a importância da leitura na educação infantil, especificamente? Neste texto, você irá descobrir por que desenvolver o hábito da...

Meu filho dorme mal: 5 dicas para noites mais tranquilas

Meu filho dorme mal: 5 dicas para noites mais tranquilas

Meu filho dorme mal, o que fazer? 😴 Se essa pergunta não sai da sua cabeça, é bom prestar atenção nas informações que temos para você! O sono é importante para que o desenvolvimento mental e físico das crianças ocorra de forma saudável. Como essa fase de crescimento é...

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *