Você sabia que o estado emocional muda em cada período da gravidez?

por | abr 24, 2018 | 4 Comentários

Os sentimentos na gravidez

A partir do momento em que a mulher se descobre grávida, uma série de sentimentos e emoções toma conta dela e de seus pensamentos. Alegria, satisfação, medo, insegurança, ansiedade, tudo ao mesmo tempo e em alta dosagem.

Tornar-se mãe não ocorre como uma consequência natural da gestação e do parto. É uma construção na vida da mulher, repleta de experiências e adaptações diante de mudanças físicas, questões hormonais e novidades que aparecem nesse período.

Todas as expectativas e incertezas a respeito do filho, e também da gestação, podem gerar na mulher ansiedade frente ao desconhecido, seja a primeira ou a quinta gravidez, já que cada gestação é única e diferente das outras.

Além disso, a transformação da filha em mãe, as mudanças corporais e a relação entre sexualidade e maternidade exigem da mulher uma nova forma de reorganização emocional que pode, muitas vezes, gerar angústias e dificuldades.

Você sabia que o estado emocional da mulher muda de acordo com o período da gravidez em que ela está?

Primeiro trimestre: normalmente, nessa fase os conflitos que aparecem podem ser associados à ambivalência de sentimentos e incluem pensamentos sobre o bebê, sua concepção, alterações de papéis (esposa, mulher, mãe, profissional) e medos diversos. A mulher fica mais regredida ou infantilizada, repleta de desejos e com vontade de ser cuidada.

Segundo trimestre: quando a mulher começa a sentir os movimentos do bebê, a relação entre mãe e filho é favorecida. Geralmente, a maior parte dos sintomas físicos desaparece, a barriga começa a aparecer e a gravidez ganha maior status de realidade, o que pode ocasionar sentimentos mais alegres a mulher. O segundo trimestre é visto por grande parte das mães como o melhor de toda a gestação.

Terceiro trimestre: é a reta final da gravidez, e, com a proximidade do parto, a mulher geralmente se torna mais suscetível às alterações emocionais. Podem ocorrer estados de ansiedade e depressão, distúrbios de sono, distanciamento da vida sexual, problemas de comunicação com o parceiro, cansaço físico e fobias, dentre outros. Algumas mulheres sentem medo do parto, da dor, de se separar fisicamente de seu filho… algumas podem começar ainda a ter questionamentos sobre a saúde do bebê.

Todos esses sentimentos são naturais e, de certa forma, a gestação inteira pode ser marcada por oscilações de humor. Cada mulher irá vivenciá-la de uma maneira bastante específica, mas é importante não se esquecer de que todo esse turbilhão emocional é normal e faz parte desse processo.

Como a mulher pode ser ajudada?

Quanto mais a gestante se sentir amparada e segura, melhor. Nos momentos de dúvida é importante que ela seja acolhida e encorajada diante do novo papel.

Também é válido que a mulher evite guardar as dúvidas e os receios só para si. Conversar com o parceiro, com as amigas e com outras mães pode ajudar.

Vale também lembrar que ela pode pedir ajuda profissional caso sinta necessidade, durante esse período. Um obstetra de confiança e um psicólogo podem auxiliar a mulher a vivenciar sua gestação de maneira mais tranquila e se a tornar mais confiante.

Instinto materno?

Ele existe, mas não é tudo… A maternidade é um constante aprendizado e nenhuma mulher nasce sabendo todos os detalhes. É no dia a dia que ela e o bebê poderão se conhecer, se descobrir e formar um vínculo entre eles.

Tempo, paciência e amor são as coisas que realmente contam!

Confira também:

Categorias:
0 - 3 | Gestação | Gravidez | Idade
Escrito por Flávia Carnielli
Mãe da Maria Clara, mestre em psicologia clínica, especialista em psicologia perinatal e formada em psicoterapia infantil. * Flávia é nossa autora convidada e seus textos não refletem, necessariamente, a opinião do Blog Leiturinha.
Relacionados
Como ensinar sobre eleições para crianças?

Como ensinar sobre eleições para crianças?

“Criança não tem que se meter em assunto de adulto.” Você já ouviu essa frase? Ou talvez já tenha falado ela? Meu pai sempre esteve no mundo da política. A casa costumava estar sempre cheia de adultos falando sobre política. E quando algum pequeno queria intervir no...

Você conhece a depressão pós-parto masculina?

Você conhece a depressão pós-parto masculina?

Quando falamos em depressão pós-parto, é natural associarmos a mulher que acabou de ter o bebê. No entanto, existem muitos casos de depressão pós-parto masculina, que é pouco falada, estudada, diagnosticada e tratada.  O que é a depressão pós-parto masculina? Essa...

5 receitas de tinta comestível para fazer em casa

5 receitas de tinta comestível para fazer em casa

Toda criança adora uma boa folia, seja brincando, cantando, dançando… E na cozinha então? A folia é mais gostosa ainda. Que tal unir a brincadeira com seu pequeno com a cozinha, ou seja, o útil e o agradável? As tintas comestíveis são extremamente populares entre as...

Como ensinar sobre eleições para crianças?

Como ensinar sobre eleições para crianças?

“Criança não tem que se meter em assunto de adulto.” Você já ouviu essa frase? Ou talvez já tenha falado ela? Meu pai sempre esteve no mundo da política. A casa costumava estar sempre cheia de adultos falando sobre política. E quando algum pequeno queria intervir no...

Você conhece a depressão pós-parto masculina?

Você conhece a depressão pós-parto masculina?

Quando falamos em depressão pós-parto, é natural associarmos a mulher que acabou de ter o bebê. No entanto, existem muitos casos de depressão pós-parto masculina, que é pouco falada, estudada, diagnosticada e tratada.  O que é a depressão pós-parto masculina? Essa...

5 receitas de tinta comestível para fazer em casa

5 receitas de tinta comestível para fazer em casa

Toda criança adora uma boa folia, seja brincando, cantando, dançando… E na cozinha então? A folia é mais gostosa ainda. Que tal unir a brincadeira com seu pequeno com a cozinha, ou seja, o útil e o agradável? As tintas comestíveis são extremamente populares entre as...

A importância de escutar as crianças

A importância de escutar as crianças

Que as crianças se manifestam o tempo todo, nós já sabemos. Porém, este tema se amplia e os olhares se voltam para a maneira e situações em que os adultos se dedicam a ouvir tais manifestações. E acredite, escutar as crianças vai muito além de emprestar os ouvidos....

4 Comentários

  1. Avatar

    Estou com 33 semanas de gestação é a minha primeira gravidez tenho me sentindo muito insegura e me encontro muito impacientes com as crianças pequenas acredito que seja pq me mostra o quanto eu ñ estou pronta pra ser mãe e como me sinto perdida isso é normal?

    Responder
  2. Avatar

    Tenho 22 anos, primeira gravidez. Estou indo pro segundo trimestre e me sinto extremamente carente, triste e sem paciência com quase nada.
    Coisas bobas me aborrecem, quero ter as pessoas que eu amo toda hora por perto, tenho muitos sentimentos de insegurança, não só sobre a maternidade mas sobre mim mesma também. Estou presenciando todas as emoções menos a alegria.
    Isso me deixa muito preocupada

    Responder
  3. Avatar

    Oi minha namorada esta gravida de 3 meses e 1 semana atraz ela começou a me rejeitar e hoje ela terminou cmg e disse q nao sente mais nda por mim, eu amo mt ela alguem pode me ajudar ?

    Responder
  4. Avatar

    Junior, eu fiquei assim também e briguei muito com meu namorado por qualquer coisa.
    Terminava toda hora, mas ele sabia que era por causa da gravidez, me explicava que eu não queria realmente aquilo e me dava um tempo.
    A gravidez mexe muito com o nosso estado emocional e ficamos perturbadas. rs
    No segundo trimestre, foi só amor e riamos muito por ele ter sobrevivido ao meu período demoninha do primeiro.
    Tenha um pouquinho de paciência, logo ela volta ao normal. É um período conturbado e difícil para muitos casais mesmo. rs

    Responder
Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *