Sobre O Menino e o Mar: um mergulho na literatura

por | abr 13, 2020 | 4 Comentários

Dizem que as histórias mais poderosas nascem das verdades que carregamos. Desde muito pequena, eu sentia uma paixão tão desmedida pelo mar, que, quando boiava, era como se eu me tornasse mar também. Ali eu me perdia. Ali me encontrava. Nascida na Bahia, meu “lar, doce lar” era, na verdade, salgado de lamber os beiços. Depois de 37 anos deixando que o mar encharcasse os meus dias mais felizes, não resisti à vontade de escrever sobre ele. Havia de ser como um mergulho: um fôlego e um pulo de cabeça. Assim, surgiu o livro O Menino e o Mar.

Qual foi a origem da história do livro? 

Suspeito que toda a história brotou deste diálogo: “Você vai mergulhar no mar?” “Eu não. Eu tenho medo de mar.” Eu queria que o livro nascesse deste encontro. Do medo com a coragem; do temor com o encantamento. Só quem pode apresentar o mar (e a própria vida!) para alguém que está preso aos seus medos é quem tem um olhar diferente, um olhar de amor. Assim nasceu a personagem do livro, uma menina que, mesmo sem enxergar, apresenta ao menino toda a beleza que ele não é capaz de ver.

 

A sensibilidade… 

Dentre todas as dificuldade humanas, a deficiência visual sempre me tocou. Quando criança, eu não podia imaginar a vida sem o deslumbramento trazido pelas cores, pelas paisagens. Mal sabia eu que para se encantar com a vida só precisávamos de um olhar aberto: o da sensibilidade. Já imaginou atravessar os seus dias sem perceber a grandeza que mora nas delicadezas? Sem enxergar o amor que se esconde em cada encontro? É o que sentimos que dá forma e beleza ao que está diante de nós.

Uma história de reflexão!

O curioso é que na maioria das histórias o personagem que tem uma deficiência física é sempre o que necessita de ajuda. Ao ler este livro, vale a pergunta: quem estava preso às suas limitações, o menino ou a menina? Quem verdadeiramente precisava de ajuda para superar a si mesmo? São duas crianças nos lembrando que temos algo a acrescentar uns aos outros. Independente da nossa condição.

Desejo que nós tenhamos esta grande coragem, como o menino teve: a de experimentar a vida pelo olhar da sensibilidade, da poesia. Que a gente se lembre que a única cegueira capaz de nos paralisar é a do coração.

Bom mergulho.

Para receber livros incríveis como esse e incentivar a leitura em sua casa desde cedo, faça parte do Clube Leiturinha!

Escrito por Ana Clara Oliveira
Jornalista e editora do Blog da Leiturinha, é fascinada por tudo que envolve o mundo da leitura, da educação e da infância. Acredita que as palavras aproximam pessoas, libertam a imaginação e modificam realidades. Gosta de escrever, viajar e aprender sempre.
Relacionados
Os melhores poemas de Cecília Meireles para crianças

Os melhores poemas de Cecília Meireles para crianças

Ah, as poesias! Leves, doces, simples e encantadoras... Não é à toa que os versos e rimas dos poemas cativam adultos e crianças. Cecília Meireles é uma dessas pessoas que sabem como ninguém dar vida e magia às palavras, em poemas sensíveis e suaves. Apaixonada por...

Alguém Viu Meu Chapéu? Um livro Original Leiturinha

Alguém Viu Meu Chapéu? Um livro Original Leiturinha

Extra, extra! Saiu do forno mais um livro Original Leiturinha para os leitores do clube! E este é um livro tão intrigante. Mas antes de falar sobre ele, espere um instante. Ops! Acho que perdi meu chapéu! Você o viu? Ele se parece com um barco e é feito de papel!  A...

Os melhores poemas de Cecília Meireles para crianças

Os melhores poemas de Cecília Meireles para crianças

Ah, as poesias! Leves, doces, simples e encantadoras... Não é à toa que os versos e rimas dos poemas cativam adultos e crianças. Cecília Meireles é uma dessas pessoas que sabem como ninguém dar vida e magia às palavras, em poemas sensíveis e suaves. Apaixonada por...

Alguém Viu Meu Chapéu? Um livro Original Leiturinha

Alguém Viu Meu Chapéu? Um livro Original Leiturinha

Extra, extra! Saiu do forno mais um livro Original Leiturinha para os leitores do clube! E este é um livro tão intrigante. Mas antes de falar sobre ele, espere um instante. Ops! Acho que perdi meu chapéu! Você o viu? Ele se parece com um barco e é feito de papel!  A...

4 Comentários

  1. Avatar

    Que sensibilidade linda que você tem, Lulu. A vida fica mais bela se a olharmos com os olhos da sensibilidade. E você nos ajuda a termos esse novo a olhar. Parabéns!

    Responder
  2. Avatar

    Que lindo ,Lulu Lima ! Como vc retratou tão bem ,nesta pequena dissertação ,a sensibilidade e leveza tão próprios da infância . A beleza do mar e seus ensinamentos ,na visão do personagem ,que só consegue sentir !👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻Super lindo

    Responder
  3. Avatar

    Cada livro que leio da Lulu para meus filhos me emociona de uma forma diferente, seja pelo humor, seja pela verdade e enorme sensibilidade que ela tem de tratar temas por vezes pesados e dolorosos como câncer, bullyng… Sobre O Menino e o Mar só tenho uma coisa a dizer: que livro é esse?!!! Me faltam até adjetivos para expressar tudo que me fez sentir… consegui ouvir o barulhinho do mar que tanto amo, sentir a areia acariciando meus pés e o seu cheiro inconfundível. Que lindo lindo! Lindo de ler, lindo de ver, lindo de sentir.

    Responder
  4. Avatar

    Que delícia de história!
    Quantas sensações, lembranças nossas que se misturaram a história, sensações boas! eu e meu pequeno Ecktor lemos nós emocionamos e nos aventuramos com os personagens. Parabéns! A escritora ao ilustrador e a editora… Foi um trabalho encantador e cumpriu seu papel… Ao meu ver o de encantar!

    Responder
Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *