A Casa do Topo do Edifício: um Original Leiturinha sobre conexões humanas

por | out 30, 2020 | 0 Comentários

Nós somos seres ligados à casa. No ventre materno, temos nosso primeiro e doce lar. Depois disso, passamos a morar nos braços de nosso pais ou cuidadores e, sem dúvidas, no colo afetuoso de avós e familiares próximos. Crescemos, mas nosso anseio fundamental não muda: acolhimento! É aí que entra a relevância da casa, apartamento, seja lá qual for o formato do seu lar. É sobre isso que trata o nosso livro Original Leiturinha: “A Casa do Topo do Edifício”, feito especialmente para nossos assinantes!

A casa reflete quem somos

Quantas de nossas canções falam sobre casa, sobre lar? Na própria MPB, temos com esse tema músicas que marcaram gerações – como A Casa, de Vinícius de Moraes, e Casinha Branca, de Gilson Vieira (regravada por artistas como Roberta Campos). Isso porque o lugar em que moramos fala muito de nós mesmos.

No livro Original Leiturinha, “A Casa do Topo do Edifício”, essa relação é explorada por meio de um enredo singelo e ilustrações de grande sensibilidade. Já de início, o leitor irá se deparar com uma rua tranquila, lar de uma vizinhança amigável e alegre. Mas nesse lugar, no fim da rua, vive um homem solitário, cuja casa é cinza ­– assim como ele. E assim somos apresentados, pouco a pouco, a uma poética relação entre personagens e espaço físico, que se refletem um no outro.

Toda essa dinâmica acontece a partir de um evento que altera a rotina dos moradores desse lugar tranquilo: um edifício começa a ser construído lá ao final da rua, onde vive o homem cinza! Conhecemos, então, novos moradores e seus apartamentos. Dentre eles, o apartamento rosa de Rosália e Cínzia, duas irmãs de meia-idade que trazem consigo toda sua mobília rosada! A cor do espaço físico reflete a personalidade doce de uma das moradoras, que nesse quesito é totalmente diferente de sua irmã mal-humorada.  

 A casa fala de nossas conexões

Na obra, o espaço físico como construção de afetividade pode ser visto de forma ainda mais profunda e poética quando uma sensível pintora se muda para o edifício. Com seu olhar astuto, ela nota as sutis mudanças pelas quais passam o homem cinza e a nova moradora mal-humorada.

“A Casa no Topo do Edifício” fala do poder da verdadeira conexão humana. Essa conexão que surge, muitas vezes, quando menos esperamos. É isso que vemos acontecer com essas personagens que, pouco a pouco, vão mudando de cor ao interagirem um com o outro. O que era cinza ganha vida, ganha cor.

Em um mundo pós-moderno no qual podemos estar conectados a uma multidão nas redes, ao mesmo tempo em que nos sentimos sozinhos, esta leitura nos faz perceber o impacto de olhar nos olhos, rir com alguém e se deixar conhecer. É nesse momento que a construção do espaço físico é ressignificada. Passamos a adotar plantas dentro do apartamento por causa de alguém que entrou em nossas vidas. Mudamos as cores de um cômodo para a casa refletir o gosto de ambos. Trocamos a poltrona de lugar e abrimos espaço para mais um. E assim nossa vida – e nossa casa – se constrói. Com lugar de sobra para a identidade e a afetividade.

Tarefa de casa

Desfrute a leitura de “A casa do Topo do Edifício”, inspire-se e – por que não? – convide seu pequeno para redecorar algum objeto ou parte da casa com você! O resultado será incrível, pois irá refletir um pouquinho de vocês e dessa relação afetiva que é para a vida inteira!

Faça parte da nossa família de leitores! Acesse o Clube Leiturinha.

Escrito por Jéssica Oliveira
Linguista apaixonada pelo poder da palavra, pela educação em linguagens e pela excelência na produção de livros. É mestre em Estudos da Linguagem, pós-graduanda em Produção Editorial e formada em Letras – português e literaturas. Ama o universo da literatura infanto-juvenil e acredita que ele nos acompanha desde a barriga até nossos cabelos brancos. Atua como curadora na Leiturinha.
Relacionados
Como saber se seu filho tem medo além do normal?

Como saber se seu filho tem medo além do normal?

O medo faz parte da natureza humana e é importante para o desenvolvimento emocional, especialmente das crianças. Afinal, é o medo que nos ajuda a avaliar os perigos e possíveis ameaças a nossa saúde, por exemplo. No entanto, é preciso cuidado com o excesso de medo,...

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *