Amamentação é o primeiro ato de saúde para um bebê!

por | abr 6, 2016 | 3 Comentários

Na infância, em particular, não se pode falar de saúde sem lembrar-se da palavra (e do ato de) amamentação. Vocês podem até pensar que esse assunto já foi muito debatido por aí e que é uma escolha pessoal de cada mãe. Mas, antes de tudo, pra optar é preciso ter informações. Certo? Então eu gostaria de apontar para vocês seis MITOS e VERDADES sobre esse imbatível ato de saúde para as crianças:

Coluninha | por Lílian Kuhn.

MITO: Preciso preparar meus seios com loções e exposição ao sol

Verdade: Durante a gestação, os seios se autopreparam para a amamentação, com o surgimento de “bolinhas” em torno da aréola que ejetarão um óleo lubrificante/protetor e com a mudança de cor dos mamilos.

MITO: Não tenho quantidade suficiente de leite

Verdade: A produção de leite durante todo o período da gravidez e continua até alguns meses após o bebê parar de ser amamentado. Por ser uma “fábrica em funcionamento”, à medida que os seios são sugados, a fabricação é estimulada, então sempre haverá leite suficiente seu(s) bebê(s)…

MITO: Meu bebê não engordará o suficiente se mamar só meu leite

Verdade: Assim como a quantidade, a qualidade do leite materno é indiscutível: Não existe leite fraco. O leite materno é a maior proteção imunológica e o mais completo complexo vitamínico para um neném. Se o bebê demonstra insatisfação e fome, tente reduzir o intervalo entre as mamadas e mantê-lo mais tempo ao seio, mesmo que ele durma uns minutinhos e depois acorde e continue mamando.

MITO: Amamentar em livre demanda aumenta o estômago do bebê

Verdade: O conceito de tempo foi instaurado pela sociedade adulta para facilitar a vida moderna, então, desde que nasce (e até completar seus 04-05 anos), a criança não tem essa noção. Do ponto de vista fisiológico, a capacidade de sucção e o tamanho do estômago de um recém-nascido são muito pequenas, por isso, se propõe o oferecimento em livre demanda: é o bebê que irá ditar o ritmo de sua alimentação, quando ele sentir fome.  Conforme ele vai crescendo, as mamadas podem ir se distanciando.

MITO: Meu filho fica “chupetando” meu seio

Verdade: O seu filho não usa seu seio de chupeta, é a chupeta que foi inventada para substituir o seio e a necessidade de sucção dos bebês, que é responsável não só para alimentação, mas também regulação emocional.

MITO: Ser amamentado causa alterações negativas na fala

Verdade: As alterações de fala e de linguagem podem acontecer por inúmeros motivos, mas a amamentação NÃO é uma delas: amamentar prepara a criança para falar! O esforço muscular que a criança faz com as bochechas, lábios e língua são exercícios preparatórios para a produção adequada dos sons. Tal esforço não é passível de ser realizado com nenhum bico artificial ortodôntico.

Enfim, a sábia natureza faz com que o processo de amamentação e produção de leite materno aconteça de acordo com as necessidades orgânicas e emocionais do seu bebê. Mas muitas vezes, amamentar não é fácil e são muitos os fatores: o inicio de vida em uma UTI neonatal, o bebê que não saber pegar o seio materno e provoca fissuras e feridas nos seios maternos, o nascimento de gêmeos… Entretanto, se houver qualquer dificuldade no percurso, busque ajuda profissional. Há excelentes fonoaudiólogos e enfermeiros consultores de amamentação, nos hospitais e bancos de leites das cidades do Brasil! Vamos dar saúde para nossos bebês. Combinado?

Categorias:
0 - 3 | Amamentação | Bebê | Idade
Escrito por Lílian Kuhn
Fonoaudióloga com especialização em Audiologia e Mestrado e Doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem. Há dez anos atende crianças e adultos com distúrbios de linguagem. *Autora convidada e seus textos não refletem, necessariamente, a opinião do Blog Leiturinha.
Relacionados
Como saber se seu filho tem medo além do normal?

Como saber se seu filho tem medo além do normal?

O medo faz parte da natureza humana e é importante para o desenvolvimento emocional, especialmente das crianças. Afinal, é o medo que nos ajuda a avaliar os perigos e possíveis ameaças a nossa saúde, por exemplo. No entanto, é preciso cuidado com o excesso de medo,...

3 Comentários

  1. Avatar

    Sou mãe solteira e precisei trabalhar quando meu filho tinha apenas dois meses.. Não pude amamentar mais tempo por ter que me preocupar com outras coisas importantes para meu filho.

    Responder
  2. Avatar

    Meu filho tem 11 meses e mama bastante, até hoje fica vazando se passo muito tempo longe,morde muito também e fico nervosa mas já imagino tirar a mama pois no período de nascimento dos dentes é a alimentação que ele nunca rejeita.

    Responder
  3. Avatar

    Meu filho de um ano mama no peito e nunca ficou doente e quero continuar amamentação até os dois anos. Ele mama quando vai dormir e quando acordar e as outras refeições são normais lancha, almoça, lancha e janta. Adoro amamentar é um ato de amor que nenhum laboratório vai poder copiar.

    Responder
Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *