Como falar sobre morte com as crianças

por | nov 1, 2019 | 4 Comentários

O assunto não é fácil, mas inevitável. Seja a morte de uma pessoa ou de um animal de estimação, os pequenos acabam passando por esse momento e junto com isso vêm as perguntas e questionamentos. Mas, afinal, como falar sobre morte com as crianças?

Antes de mais nada é importante falar que não existe uma idade certa para se tratar o assunto. Embora seja possível que o pequeno acabe passando por uma perda muito cedo e, naturalmente, fale sobre o assunto. À medida que vai crescendo, ele vai compreendendo melhor o significado da morte.

Até lá, você pode falar sobre o assunto de diversas formas. Até os 7 anos a criança cria fantasias e isso ajuda a elaborar seu mundo interno. Por isso, para falar sobre a morte os pais podem contar histórias, por exemplo, ou usar metáforas, como dizer para uma criança pequena que a pessoa virou uma estrela no céu. Segundo Mônica Pessanha, psicopedagoga e psicanalista de crianças e adolescentes, isso pode aliviar a saudade, já que ao olhar para o céu estrelado ela imagina que uma daquelas estrelas é seu ente querido.

O que não dá é para velar o assunto dentro de casa, pois em algum momento elas vão querer saber, explica a psicanalista. “A vida também é feita de despedidas e a criança é capaz de entender isso. Quanto mais informações ela receber menos doloroso será o luto”, completa.

Mas o que é o luto?

O luto é um processo sentimental que acontece em decorrência de uma angústia de perda. Esse processo acontece por meio de fases explicadas pela psicanalista da seguinte forma:

Negação

A criança pode não acreditar que a pessoa faleceu, isso gera um desconforto enorme em relação à percepção da realidade.

Raiva

O pequeno pode apresentar um comportamento agressivo na escola, ou com amigos e família.

Negociação

Nessa fase a criança tende a fazer promessas para rever o parente. Isso ajuda a acalmar o sentimento de perda, mas, ao mesmo tempo, leva à próxima fase que é…

Tristeza

Quando perde alguém a criança sente uma tristeza enorme. Nesse caso é algo mais profundo, nessa etapa a perda e o fim são encarados.

Aceitação

Apesar de ser extremamente dolorido vermos nossos pequenos tristes, é essa tristeza natural do luto que o ajudará a passar pela fase da aceitação da perda e aprende a lidar com aquele sentimento.

É comum, especialmente entre as crianças, que o primeiro ano do luto venha carregado de dificuldades em transformar o sentimento em palavras, por isso, às vezes, isso pode vir junto com um comportamento agressivo. Pais e cuidadores precisam estar atentos aos sinais de tristeza. Porque quanto mais cedo a criança receber apoio e suporte, mais forte ela ficará.

Dica Leiturinha

A literatura infantil também pode ser uma grande aliada nos momentos difíceis. Para auxiliar os pequenos e a família a lidar com assuntos complexos como a morte, a Equipe de Curadoria da Leiturinha preparou uma dica de leitura. Confira:

Conversando sobre Morte

Falar sobre morte com crianças pode ser um desafio. Muitos pais têm dificuldade de abordar este tema com seus filhos, porém é possível abordá-lo de forma leve através de metáforas ou recursos lúdicos, com a literatura infantil, por exemplo. Com livros infantis sobre morte, essa coleção de livros infantis pode ajudar pais e educadores nessa missão!

Para conhecer esta Coleção, acesse as Loja Leiturinha.

Dica PlayKids

Além de usar a literatura como aliada na hora de falar sobre morte com as crianças, você também pode apresentar uma música sobre o tema, veja a seguir um episódio da série Eu Amo Aprender que aborda o sentimento da saudade causado pela perda:

https://youtu.be/t_2B3cwLltM

Leia mais: 

Categorias:
0 - 3 | 10+ | 4 - 6 | 7 - 10 | Educação | Família | Idade
Escrito por Ariane Donegati
Jornalista e entusiasta do desenvolvimento infantil, acredita que brincar é sinônimo de aprendizado e felicidade para as crianças.
Relacionados
Os melhores poemas de Cecília Meireles para crianças

Os melhores poemas de Cecília Meireles para crianças

Ah, as poesias! Leves, doces, simples e encantadoras... Não é à toa que os versos e rimas dos poemas cativam adultos e crianças. Cecília Meireles é uma dessas pessoas que sabem como ninguém dar vida e magia às palavras, em poemas sensíveis e suaves. Apaixonada por...

Alguém Viu Meu Chapéu? Um livro Original Leiturinha

Alguém Viu Meu Chapéu? Um livro Original Leiturinha

Extra, extra! Saiu do forno mais um livro Original Leiturinha para os leitores do clube! E este é um livro tão intrigante. Mas antes de falar sobre ele, espere um instante. Ops! Acho que perdi meu chapéu! Você o viu? Ele se parece com um barco e é feito de papel!  A...

Os melhores poemas de Cecília Meireles para crianças

Os melhores poemas de Cecília Meireles para crianças

Ah, as poesias! Leves, doces, simples e encantadoras... Não é à toa que os versos e rimas dos poemas cativam adultos e crianças. Cecília Meireles é uma dessas pessoas que sabem como ninguém dar vida e magia às palavras, em poemas sensíveis e suaves. Apaixonada por...

Alguém Viu Meu Chapéu? Um livro Original Leiturinha

Alguém Viu Meu Chapéu? Um livro Original Leiturinha

Extra, extra! Saiu do forno mais um livro Original Leiturinha para os leitores do clube! E este é um livro tão intrigante. Mas antes de falar sobre ele, espere um instante. Ops! Acho que perdi meu chapéu! Você o viu? Ele se parece com um barco e é feito de papel!  A...

4 Comentários

  1. Avatar

    Gostei da matéria. Me ajudou a ver que talvez precise de mais recursos pra tratar do assunto.
    Fui no link e o livro mencionado aparece como indicado para crianças acima de 7 anos. Algum livrinho pra crianças menores? De 3 anos?

    Responder
  2. Avatar

    Muito bom o texto. Embora minha pequena, de quase 4 anos, fale de vez em quando sobre morte, mas ainda nao teve qualquer perda. No máximo um inseto que morre ou um bicho na calçada (aqui perto as vezes aparece gambá morto e tal). Ajuda muito compreender as fases pelos quais os pequenos passam para promovermos a empatia ao sentimento delas. 🙂

    Responder
  3. Avatar

    Gostei da matéria. Minha filha de 4 anos e dez meses tem perguntado muito sobre quando é que ela vai morrer e eu sempre lhe digo que não temos que nos preocupar com a morte; devemos é viver bem e felizes todos os dias. No entanto, hoje, por coincidência, e logo num dia febril, ela me disse: mamãe, deixa eu acabar de falar… sei que vou viver muitos anos, mas me fala que dia eu vou morrer! Pega de surpresa, acabei dizendo: você não vai morrer! Ela se deu por satisfeita e eu estou aqui, cheia de culpa, por não tê-la orientada devidamente… Gostaria que aprofundassem mais no assunto, dando este tipo de orientação.

    Responder
  4. Avatar

    Gostei da matéria. Pois tenho vivido essa experiência com meu netinho de 4 anos e meio. Perdi meu filho e minha nora em um acidente de carro à 1 ano e nove meses. Procurei ajuda psicológica para lidar com a situação. Passar por todo esse processo de perdas e voltar a criar um neto, só contando com ajuda de profissionais. O Blog da Leiturinha te me ajudado muito.

    Responder
Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *