Você conhece a cultura e identidade surda?

por | abr 22, 2020 | 1 Comentário

Você se lembra da primeira palavra do seu pequeno? Lembra-se quando ele ainda começava a falar e você tentava ensinar novas palavras a ele? Conversar com as crianças desde bem novinhas é fundamental para seu desenvolvimento da linguagem, mas você já parou para pensar como você faria se o seu pequeno não ouvisse? Muito mais do que uma forma de linguagem, a Língua Brasileira de Sinais (Libras) é muito importante na cultura e identidade surda. Porém, somente no ano de 2002, a Libras foi reconhecida como um meio legal de comunicação. Para entendermos mais sobre o assunto, conversamos com uma convidada especial. 

Conversando com uma especialista…

Convidamos a Professora Doutora da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp, Janice Gonçalves Temoteo Marques, onde ministra aulas de Libras e Educação de Surdos para nos explicar mais sobre a cultura surda no país. Ela é também autora do Dicionário de Língua de Sinais do Brasil: a Libras em Suas Mãos (São Paulo, Edusp, 2017). 

Michelle: Em um aspecto geral, o que é a cultura surda?

Janice: Pode-se definir cultura surda como a própria identidade do surdo representada por meio de uma língua visual, a língua de sinais, em que as percepções do mundo são marcadas pelas experiências visuais. Para a psicóloga e educadora Nídia Sá (2006), a cultura surda “refere-se aos códigos próprios dos surdos, suas formas de organização, de solidariedade, de linguagem, de juízos de valor, de arte, etc.”. Um exemplo clássico de um aspecto da cultura surda é o “batismo com um sinal”, em que uma pessoa ganha o seu “nome” na Língua de Sinais Brasileira. Ou seja, o seu “sinal”, este que irá identificá-lo na comunidade surda. Este sinal pessoal por tradição e autenticidade só pode ser feito por uma pessoa surda e, geralmente, é escolhido com base em uma característica física que se destaque visualmente.

Michelle: Quais são os maiores problemas que a comunidade surda enfrenta atualmente?

Janice: Assim como as pessoas ouvintes, as pessoas surdas enfrentam dificuldades nas mais diversas áreas e graus, mas diria que o principal deles é o de acessibilidade a conteúdos e serviços em línguas de sinais. 

As famílias surdas precisam ir aos serviços de saúde e não há profissionais que saibam Libras para de fato oferecer um atendimento com comunicação eficaz, salvo raras exceções em que os intérpretes de Libras são requisitados. Pensando na educação, a grande maioria das crianças surdas não tem acesso a escolas bilíngues e falta o básico, materiais bilíngues Português/Libras para alfabetizá-las. Em muitas escolas há carência de professores bilíngues e a inexistência de serviços de intérpretes. 

A falta de acessibilidade comunicacional linguística transversaliza todos os problemas, porque a partir deste, outros problemas se agregam, e nas mais diversas áreas. Um exemplo atual e gritante é a falta de acessibilidade nos assuntos relacionados a Pandemia do COVID-19. Tenho recebido vídeos de surdos que ficam aflitos por não compreenderem o que de fato está acontecendo, pois nem sempre há a janela de Libras disponível. O que torna a compreensão do problema sobre o coronavírus ainda mais difícil. É importante lembrar que, além disso, eles não estão imunes a Fake News. Por isso é fundamental que os meios de comunicação, como programas de TV, tenham janela de Libras.

Michelle: Como ocorre o aprendizado da criança surda, desde o nascimento, dentro da comunidade e da cultura surda?

Janice: Se a criança surda nasce em uma família em que os pais são surdos ou pelo menos um deles é sinalizador, a comunicação ocorre naturalmente. Como por exemplo ocorre em uma família de pessoas ouvintes, em que as crianças aprendem a falar simplesmente por estar em contato com seus pais que a estimulam o tempo todo. A criança surda que é estimulada desde cedo em língua de sinais vai aprendendo naturalmente a língua e os valores culturais do povo surdo.

Michelle: Em sua opinião, qual o maior problema para o desenvolvimento de uma criança surda, quando os pais ouvintes rejeitam a cultura surda?

Janice: A surdez não pode ser diagnosticada durante a gravidez, por isso, mesmo a criança sendo surda, só é possível detectar a surdez por meio de testes ao nascer. Para as famílias de pessoas ouvintes, receber a notícia de que seu filho é surdo é um grande choque. Porque até então tudo estava “aparentemente bem”, e muitos pais não sabem lidar com a nova realidade, de não ter o filho “perfeito e idealizado”. 

O desconhecimento sobre a língua de sinais e cultura surda faz com que essas famílias tendam a acreditar que se a criança surda sinalizar, ela não se desenvolverá bem na fala. Mito! Sabemos que uma coisa não suprime a outra, mas podem andar juntas. Acredito que inicialmente os pais não rejeitam a cultura surda, na verdade, nem a compreendem bem. Rejeitam sim qualquer coisa que ameaça a possibilidade de ver seu filho “falando”. 

Para uma criança com surdez severa ou profunda, por exemplo, a aquisição da fala oral não é uma coisa simples e pode demorar anos para que a criança tenha ganhos significativos na fala mesmo com o acompanhamento fonoaudiológico semanal. Enquanto isso, se essa mesma criança tivesse acesso a Libras, paralelamente, sua comunicação não seria comprometida.

Infelizmente, na maioria dos casos, a língua de sinais só é apresentada a essas famílias tardiamente. O maior problema para o desenvolvimento de uma criança surda certamente é privá-la do acesso a língua de sinais e consequentemente da cultura surda, em um período ideal de aquisição de língua. Porque isso pode trazer consequências desastrosas para seu desenvolvimento cognitivo e escolar. Implicações estas, muitas vezes sem volta.

Michelle: Como, atualmente, se dá o ensino de libras nas escolas do país?

Janice: Atualmente não há ensino de Libras para alunos ouvintes nas escolas públicas do país. O que existe são dois projetos de lei em andamento, o Projeto de Lei 6.284/2019 que é de autoria do senador Romário de Souza Faria e o Projeto de Lei 5.961/2019, que é de autoria da senadora Zenaide Maia. Esses projetos falam do ensino de Libras nas escolas, mas ainda não foram aprovados e há várias questões sobre o tema que precisam ser discutidas, como, por exemplo, quem serão os professores de Libras dessas escolas e como ocorrerá a capacitação desses profissionais.

Leia mais: 

Escrito por Michelle Rachid
Bióloga, acredita que a aprendizagem eficaz acontece por meio da leitura e das brincadeiras. Leitora voraz, ama viajar, é fã de carteirinha de animações e autora no Blog Leiturinha.
Relacionados
Meu bebê não dorme: o que fazer?

Meu bebê não dorme: o que fazer?

Meu bebê não dorme: como vencer a privação de sono e aprender a dormir junto com o bebê? Se fizeram noites infinitas desde que o meu bebê nasceu. Hoje, prestes a completar um ano de vida, nós já experimentamos fórmulas e incansáveis rituais do sono. Hora em hora,...

Distúrbios da fala em crianças: quais são?

Distúrbios da fala em crianças: quais são?

Em primeiro lugar o processo de aprendizado da linguagem não é nada simples e envolve diversos fatores. Para falar, o pequeno precisa escutar bem, ter um entendimento daquilo que ouve, fazer um raciocínio lógico, escolher palavras. Enfim, são muitos fatores...

Marina e Makolelê: livro infantil sobre gentileza e empatia

Marina e Makolelê: livro infantil sobre gentileza e empatia

“Rabo de peixe, cara de gente!” Makolelê é um gorila que todos os dias vai até Marina, uma sereia, para zombar dela. Um dia, Marina resolve falar como se sente quando ouve essas provocações. Essa é uma história sobre empatia, amizade e respeito construído entre seres...

Meu bebê não dorme: o que fazer?

Meu bebê não dorme: o que fazer?

Meu bebê não dorme: como vencer a privação de sono e aprender a dormir junto com o bebê? Se fizeram noites infinitas desde que o meu bebê nasceu. Hoje, prestes a completar um ano de vida, nós já experimentamos fórmulas e incansáveis rituais do sono. Hora em hora,...

Distúrbios da fala em crianças: quais são?

Distúrbios da fala em crianças: quais são?

Em primeiro lugar o processo de aprendizado da linguagem não é nada simples e envolve diversos fatores. Para falar, o pequeno precisa escutar bem, ter um entendimento daquilo que ouve, fazer um raciocínio lógico, escolher palavras. Enfim, são muitos fatores...

Marina e Makolelê: livro infantil sobre gentileza e empatia

Marina e Makolelê: livro infantil sobre gentileza e empatia

“Rabo de peixe, cara de gente!” Makolelê é um gorila que todos os dias vai até Marina, uma sereia, para zombar dela. Um dia, Marina resolve falar como se sente quando ouve essas provocações. Essa é uma história sobre empatia, amizade e respeito construído entre seres...

Mas, pode? A importância da leitura na primeira infância

Mas, pode? A importância da leitura na primeira infância

Todas as crianças têm o direito de entrar em contato com os mais variados gêneros literários e tipos de livros. É a partir deste encontro que elas poderão desenvolver o gosto genuíno pelos livros. Além de aproveitar integralmente os benefícios que os livros tem as...

1 Comentário

  1. Avatar

    Parabéns! Esse tema deveria ser abordados mais vezes .. Parabéns a Professora Doutora Janice Gonçalves Temoteo Marques pelas explicações, foram muito claras e com certeza tiraram muitas dúvidas. O Leiturinha poderia fazer livros em Libras .. fica a ideia.. às crianças iriam amar , começariam a aprender a ler desde pequenos.Abraços 👏👏👏👏👏

    Responder
Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *