a memória, onde cresce a história, que por sua vez alimenta, procura salvar o passado para servir o presente e o futuro. Devemos trabalhar de forma que a memória coletiva sirva para a libertação e não para a servidão dos homens” – Jacques Le Goff

Heroínas e heróis de Soweto

Em 16 de Junho se comemora o Dia da Criança Africana, data que surgiu em decorrência de um protesto em Soweto, na cidade de Joanesburgo, África do Sul. Neste dia, centenas de crianças se organizaram para protestar contra o ensino obrigatório da língua afrikaans, defendendo o ensino de sua língua materna – que era composta de vários dialetos – e melhorias na educação. Esta manifestação culminou em um final trágico, o que alertou as autoridades quanto à necessidade de proteção destas crianças, sendo um marco na história dos direitos da criança em todo continente Africano.

A importância da história oral

Sabe aquela história que seu avô ou avó te contou antes de dormir? Histórias sobre pessoas e seus grandes feitos, histórias que foram passadas de geração a geração até chegar em você? Pois é, estas histórias são muito importantes pois sustentam e constituem boa parte da cultura popular, sejam elas verdadeiras ou não.

O ponto central é que estas narrativas carregam em si valores e costumes coletivos, que contribuem para a preservação e manutenção da cultura pois, a partir delas, é possível reconstruir uma ideia de comportamento e as relações interpessoais de um lugar, que até então eram desconhecidos ou incompreensíveis. Sendo assim, estas histórias têm a função de educar uma geração, explicar sobre as vivências e, de certa forma, dar sentido à vida individual e coletiva.

A contação de histórias com seres mitológicos também tem sua função cultural. Dentre elas, o de explicar fenômenos da natureza que antes eram um grande mistério a ser descoberto, como a origem das chuvas, do sol e do pensamento, por exemplo. Assim, os mitos têm a função de organizar as relações sociais e proporcionar à humanidade o elo entre o humano e a natureza, mantendo vínculos secretos que necessitam ser desvendados, à medida que se tem curiosidade ou perplexidade sobre a origem da vida.

Nuang e Ombela: uma Coleção carregada de mitologia e história

Para homenagear esta data, a Equipe de Curadoria da Leiturinha preparou uma Coleção de dois livros, que trazem em sua narrativa toda força e respeito à ancestralidade através de duas personagens: Nuang e Ombela. Duas personagens femininas que tem muito a dizer sobre seu povo, sua cultura e, sobretudo, sobre sua força e potencial transformador da realidade.

 

Nuang: Caminhos da Liberdade

Editora: Piraporiando

Nuang é uma menina de muitos talentos, que vivia no povoado de Uthando, em busca de Uhuru. Neste livro, Janine Rodrigues nos presenteia ao publicar esta história que nos conta sobre os encantos de Nuang. Esta é uma personagem que representa toda força e coragem dos povos africanos, nos remetendo às histórias poéticas cheias de fantasia e seres mágicos, mas nem por isso menos reais e verdadeiras. Luciana Nabuco, com suas cores alegres, foi quem ilustrou esta história, há muito guardada pela autora.

 

Ombela – A Origem das Chuvas

Editora: Pallas Mini

Esta é a história de Ombela uma deusa que estava muito triste. Para que suas lágrimas não perturbassem os seres vivos da Terra, ela as fez salgadas, para que pudessem alimentar todos os mares. Assim, suas lágrimas se transformaram em chuva. Ombela aprendeu que as lágrimas não vêm apenas da tristeza, mas da felicidade também. Assim, as de felicidade eram doces, e encheram os rios. Era dela que minavam as águas que caíam dos céus. Doces ou salgadas, elas falavam sobre o humor de Ombela.

 

Já conhecia a história do Dia da Criança Africana? Conta aqui pra gente! Se gostou desta Coleção, para adquirir esta  é só acessar a Loja Leiturinha

Profile photo of Rafaela Martins

Estudante de Psicologia, acredita que a literatura e a curiosidade são caminhos para se conhecer o mundo. Através delas, nos tornarmos mais sensíveis e dispostos à uma educação coletiva e libertadora.