O que é parentalidade consciente?

por | nov 18, 2020 | 3 Comentários

Imagine a seguinte situação: você vai fazer a adaptação do seu filho na escola. Ele chora e você fica em frangalhos, sem conseguir entender por que sente-se tão mal em deixa-lo por lá. O que será que houve?

Agora, você está em casa, seguindo a rotina do dia. Logo, seu pequeno inicia um conflito, negando-se a cumprir o combinado de recolher os brinquedos espalhados pela sala. Em 2 minutos, você está gritando descontroladamente com ele. Quando se dá conta da sua reação, você sente vergonha e culpa.

Por que isso acontece?

Toda as reações que você tem costumam ser baseadas naquilo que você já sentiu e nas experiências que teve ao longo da sua própria vida. Se você se sente desconfortável em deixar seu filho chorando na escola, é possível que seus pais saíssem de fininho quando você era criança, para não vê-la chorar. E quando faziam isso, sem saber, acabaram gerando em você um sentimento de insegurança. Afinal, você ficava sem saber o que tinha acontecido. Uma hora eles estavam ali, em um segundo já não estavam mais.

Pois bem, você cresceu e esqueceu de tudo isso. No entanto, aquele sentimento ficou guardado em uma caixinha na sua mente. De repente, quando seu filho chora em uma despedida, tudo vem à tona. Só de ouvir o choro dele você já fica desconfortável.

Quando você era pequena e tentava se expressar, quase sempre não era escutada. Por não ser ouvida, tinha comportamentos que desafiavam seus pais. Então talvez eles gritassem, como uma forma de interromper seu comportamento. Você cresceu e tudo isso ficou guardado em você. Hoje, quando seu filho faz algo que você não gosta, a sua reação também é gritar. Mas por que você age assim? Porque trazemos dentro de nós um modelo mental baseado na reação e não no desenvolvimento do pensar antes de agir.

Dessa forma, quando os filhos fazem algo que desagrada ou está fora das regras, ficamos bravos, frustrados ou até mesmo furiosos. E permitimos, então, que nossas emoções tomem conta do nosso sistema inteiro e passamos a agir no “piloto automático”.

O que propõe a parentalidade consciente

Parentalidade consciente significa compreender porque fazemos o que fazemos e quebrar um ciclo de padrões repetitivos. Estamos tão condicionados a pregar sermões, gritar para sermos escutados, punir para interromper algo que não gostamos, que esquecemo-nos o quão dolorido todas essas coisas podem ser para um outro ser humano. Trata-se de tomar consciência das nossas dores, angústias, medos e alegrias, para então compreender o que é necessário fazer para agir diferente.

Mas, parentalidade consciente também significa compreender que o filho não é o seu “mini-eu”. Ou seja, não é alguém que veio ao mundo para realizar os seus sonhos. Parafraseando Shefali Tsabary, filhos são espíritos que palpitam com sua própria marca registrada. Por isso, é importante separar quem você é de quem o seu filho é.

Filho não é propriedade

Convencidos das melhores intenções de tornar nossos filhos seres responsáveis e capazes de lidarem com o mundo quando se tornarem adultos, acabamos impondo a eles nossa agenda. E esquecemos, muitas vezes, de olhar para aquilo que faz sentido para eles. Isto é, o que faz os seus corações pulsarem. Não nos damos conta que, quando impomos nosso modo de ver o mundo aos nossos filhos, estamos também limitando seus espíritos.

Parentalidade consciente é primeiro perceber e aceitar a si próprio, para depois olhar o outro. É também ir abrindo as caixinhas de memórias e emoções que deixamos fechadas por muito tempo, e olhar o que temos dentro de nós. Significa sentir, ressignificar vivências e memórias.

Dessa forma, conseguiremos parar de reagir aos comportamentos dos nossos filhos para agirmos com consciência. Trata-se de escutar nossos filhos, honrar quem eles são, estar presente em suas vidas e também dar-lhes limites e disciplina de forma respeitosa.

Por isso, para mim, consciência tem a ver com conexão. Conexão consigo mesma e conexão com o outro. É não buscar fórmulas mágicas para educar um filho. A parentalidade consciente é um processo, um caminho a ser trilhado. Mesmo quando precisamos disciplinar nossos filhos, a consciência nos mostra como fazer isso de um jeito leve, de modo que fortaleça nossos filhos, ao invés de enfraquecê-los.

Quer saber mais sobre parentalidade consciente? Na Loja Leiturinha, você encontra a melhor seleção de livros para pais, bebês e crianças! E, durante o mês de novembro, você irá encontrar ofertas imperdíveis. Acesse a Loja e aproveite os descontos do Novembro Encantado!

Leia mais:

Categorias:
Família | Maternidade
Escrito por Gabriela Braun
Consultora educacional, educadora parental e mãe do Rafael. Ajuda mães e pais a lidarem com comportamentos desafiadores dos filhos através da educação consciente. * Gabriela é nossa autora convidada e seus textos não refletem, necessariamente, a opinião do Blog Leiturinha.
Relacionados
Para não se esquecer da magia das pequenas coisas

Para não se esquecer da magia das pequenas coisas

Para você, qual a importância da imaginação? Eu, quando era criança, sonhava em ser escritora. Escritora mesmo, daquelas com máquina de escrever e tudo. Nessa época, cada acontecimento da minha vida se tornava o capítulo de um livro, um poema ou uma poesia. Escrevia...

Como ensinar sobre eleições para crianças?

Como ensinar sobre eleições para crianças?

“Criança não tem que se meter em assunto de adulto.” Você já ouviu essa frase? Ou talvez já tenha falado ela? Meu pai sempre esteve no mundo da política. A casa costumava estar sempre cheia de adultos falando sobre política. E quando algum pequeno queria intervir no...

Para não se esquecer da magia das pequenas coisas

Para não se esquecer da magia das pequenas coisas

Para você, qual a importância da imaginação? Eu, quando era criança, sonhava em ser escritora. Escritora mesmo, daquelas com máquina de escrever e tudo. Nessa época, cada acontecimento da minha vida se tornava o capítulo de um livro, um poema ou uma poesia. Escrevia...

Como ensinar sobre eleições para crianças?

Como ensinar sobre eleições para crianças?

“Criança não tem que se meter em assunto de adulto.” Você já ouviu essa frase? Ou talvez já tenha falado ela? Meu pai sempre esteve no mundo da política. A casa costumava estar sempre cheia de adultos falando sobre política. E quando algum pequeno queria intervir no...

10 lições para criar meninos melhores para o mundo

10 lições para criar meninos melhores para o mundo

Ser mãe e pai é se perguntar, constantemente, se está criando seus filhos da melhor maneira, se está fazendo tudo certo ou se está se esforçando o suficiente. Isso porque nós, adultos, desejamos preparar bem as crianças para a vida e criar meninos ou meninas melhores...

3 Comentários

  1. Avatar

    Ótimo texto.

    Responder
  2. Avatar

    Muito bom texto, sigo o blog a algum tempo e ainda não me posicionei a respeito dos temas.

    Sou advogado em Minas Gerais, na área da família, e o seus temas só engradecem o meu modo de ver as situações cotidianas.

    stefanoadvogados.com.br

    Responder
    • Avatar

      Muito obrigada pelo retorno, Stefano! Ficamos muito felizes 🥰

      Responder
Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *