Leiturinha marca presença do II Seminário Internacional de Arte, palavra e leitura

por | mar 22, 2019 | 0 Comentários

Leitura e escrita: lugares de fala e visibilidade

Em um país que, embora tenha a multiculturalidade e a diversidade como marcas principais, mata e marginaliza suas minorias sociais cotidianamente, qual o papel da leitura e da escrita? Como as palavras podem visibilizar, invisibilizar e tornar possível outras narrativas? Como as histórias podem nos humanizar e colaborar para a nossa relação com nós mesmos e com o outro? Como a literatura pode nos formar enquanto pessoas mais críticas e sensíveis, em um contexto social e histórico que parece carecer cada vez mais de criticidade e sensibilidade?

Estas foram as questões que permearam os três dias de mesas, palestras e discussões do II Seminário Internacional de Arte, palavra e leitura, realizado pelo Itaú Social, SESC Pinheiros, Comunidade Educativa CEDAC e Instituto Emília, que, este ano, teve como tema: Leitura e escrita: lugares de fala e visibilidade.

Com convidados de diversas partes do Brasil, além de Colômbia, Chile e México, entre advogados, escritores e escritoras, mediadores e mediadoras, ativistas da leitura, editores e pesquisadores na área da literatura, o Seminário deixou claro para que veio: para mexer, tirar da zona de conforto e incomodar, fazendo-nos pensar sobre, não só o papel da palavra, mas também sobre o nosso papel perante a realidade em que vivemos.

A literatura, o eu e o outro: de que lugar você fala?

A literatura desenvolve em nós a quota de humanidade na medida em que nos torna mais compreensivos e abertos para a natureza, a sociedade, o semelhante.

Antonio Candido                            

Antonio Candido, sociólogo, crítico literário e professor universitário brasileiro, afirmava a literatura como direito do ser humano. Assim, como foi dito durante o evento, a palavra é propriedade da comunidade e, por isso, a importância e a necessidade da apropriação da linguagem, da escrita e da leitura como direito e como ato político e de acolhimento. Pois, como disse Paulo Freire, “a leitura de mundo precede a leitura da palavra”, mas uma não dispensa a outra, sendo o domínio da palavra um direito de todos!

Mais do que falar sobre a realidade, a linguagem constrói a realidade, colaborando com a construção da nossa identidade, da nossa relação com o outro e promovendo um lugar de pertencimento e enunciação. E como foi muito bem colocado pela bibliotecóloga colombiana Silvia Castrillón na mesa “O lugar da comunidade nos espaços de mediação e identidade”, pode-se negar a ler, desde que não se esteja excluído da literatura. Caso contrário, se negar a ler não seria uma escolha.

Assim, renovadas e incomodadas, saímos do II Seminário Internacional de Arte, palavra e leitura, com ainda mais energia para transformar por meio da palavra, entendendo que, mais do que leitores, temos a responsabilidade de formar cidadãos mais empáticos, críticos, solidários e sensíveis ao outro. Entendendo que a literatura não precisa ter esta finalidade, mas que, quando aliada ao momento compartilhado, ao vínculo e ao diálogo, ela, por si só, já nos torna mais humanos.

Foto de Capa: Fernando Cavalcanti (divulgação Revista Emília)

Leia também: 

Categorias:
0 - 3 | 10+ | 4 - 6 | 7 - 10 | Idade | Leiturinha
Escrito por Ana Clara Oliveira
Jornalista e editora do Blog da Leiturinha, é fascinada por tudo que envolve o mundo da leitura, da educação e da infância. Acredita que as palavras aproximam pessoas, libertam a imaginação e modificam realidades. Gosta de escrever, viajar e aprender sempre.
Relacionados
10 poemas especiais sobre ser mãe

10 poemas especiais sobre ser mãe

Um pouco de inspiração para as mães que gostam de uma boa poesia... Esta é uma coletânea carinhosa que reúne alguns poemas emocionantes que permeiam a maternidade, seja no olhar de mãe ou como filho e filha. Boa leitura! 1. In Dois em Um,  Alice Ruiz Depois que um...

10 poemas especiais sobre ser mãe

10 poemas especiais sobre ser mãe

Um pouco de inspiração para as mães que gostam de uma boa poesia... Esta é uma coletânea carinhosa que reúne alguns poemas emocionantes que permeiam a maternidade, seja no olhar de mãe ou como filho e filha. Boa leitura! 1. In Dois em Um,  Alice Ruiz Depois que um...

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *