O desenvolvimento da linguagem é um processo complexo. Para falar, a criança precisa ouvir, processar o que ouve, entender, pensar, escolher palavras, construir frases, usar símbolos que expressem o seu pensamento, além de realizar os movimentos que farão com que a cavidade oral produza os sons que ela deseja, utilizando assim músculos específicos e ainda regulando a respiração. Ao falar, utilizamos o sistema linguístico e o sistema motor.

No período de estruturação da linguagem é muito comum que ocorra a disfluência, que são rupturas involuntárias que podem acontecer com qualquer pessoa. No entanto, essa disfluência pode sinalizar o início da gagueira. Por isso, a avaliação de um fonoaudiólogo especializado é muito importante.

Alguns estudos indicam que crianças que possuem disfluência e alteração da motricidade orofacial, alguma desordem na comunicação (trocas na fala, atraso na aquisição de linguagem e desenvolvimento de fala), certas características psicológicas (timidez, frustrações, perfeccionismo e ansiedade) e famílias com determinados traços linguísticos desfavoráveis (falam muito rápido, exigentes, vida muito acelerada), podem evoluir para um quadro crônico. É o que podemos chamar de gagueira do desenvolvimento.

É mais comum que a gagueira do desenvolvimento apareça entre os 2 e 4 anos. Ela tem sua origem e manifestações no cérebro. Além disso, costuma também a atingir mais homens do que mulheres.

Mas como identificar se o seu pequeno está com gagueira do desenvolvimento?

Para isso, você precisa analisar três itens:

  1. Frequência: as disfluências na gagueira do desenvolvimento são mais frequentes do que na disfluência comum.
  2. Evolução: as disfluências comuns tendem a amenizar e desaparecer. Já na gagueira, pode ser que haja apenas uma pausa temporária dos sintomas.
  3. Linguagem: na gagueira do desenvolvimento, a criança emite fonemas (letras) e sílabas, principalmente no começo da palavra. Por outro lado, na disfluência, a criança tem problemas com a palavra inteira, partes de frases ou frases inteiras.

Entenda quais são os diferentes tipos de disfluência:

  • Gagueira do desenvolvimento: repetições de fonemas, sílabas e partes das palavras, além de prolongamentos de fonemas, bloqueios e pausas preenchidas.
  • Disfluências comuns: repetições de palavras inteiras, partes de frases ou frases inteiras e revisão de palavras.
  • Caráter voluntário ou involuntário: na disfluência comum há um grau de deliberação e controle da fala, ao contrário da gagueira do desenvolvimento, que é completamente involuntária.
  • Comportamento do corpo: crianças que gaguejam podem apresentar tensão no rosto e/ou corpo e movimentos corporais associados à fala. Na disfluência, não há esse tipo de movimento ou tensão.

Normalmente, crianças que gaguejam costumam ser impacientes com sua dificuldade de falar, demonstram problemas em manter o contato visual e facilmente desistem de se comunicar. A gagueira também pode ser acompanhada pela falta de coordenação entre fala e respiração, o que não acontece na disfluência. 

Se você está desconfiando de que seu pequeno está sofrendo com um dos dois tipos, é importante procurar um profissional para um diagnóstico preciso. A intervenção adequada pode ajudar  muito na qualidade de vida da criança, além de orientar melhor os casos de disfluência comum e gagueira do desenvolvimento.

Leia também:

Profile photo of Flávia Puccini

Fonoaudióloga, mestre em processos e distúrbios da comunicação e especialista em motricidade orofacial. É consultora de amamentação e laserterapeuta. Carinhosamente, contribui com seu conhecimento no Blog, à convite da Leiturinha.