O que foi mais fácil pra você? Ser mãe de primeira viagem ou ser mãe de segunda viagem? Com a chegada da minha segunda filha eu descobri que assim como toda viagem é única e especial, cada maternar também é. Não importa se você viaja para o mesmo lugar várias vezes, sempre vai descobrir novos restaurantes e lugares, e viver novas experiências. Pode até repetir locais e ainda assim não será igual. 

Assim é a maternidade: uma viagem diferente e cheia de descobertas

Ainda que você tenha planejado cuidadosamente todo o seu roteiro e tenha estudado todos os guias do assunto, acredite: algo sairá do controle. Porque viagens são assim, cheias de prazeres mas também com perrengues e histórias pra contar. Aliás, são essas dificuldades que nos marcam e ensinam para sempre.

Mas é mais fácil ser mãe de segunda viagem?

A minha segunda viagem na maternidade não foi mais fácil, mas foi bem mais leve. E não acho que foi porque eu sabia mais ou menos o roteiro e o que me esperava pela frente, o grande diferencial não foi a maternidade, fui eu! A maternidade é um dos maiores agentes de transformação das mulheres, com ela eu aprendi que seja lá o que acontecesse de novo, seria bom porque eu daria conta, a gente sempre consegue.  

Foco no que importa!

O que muito me ajudou muito nesse processo de transformação e que eu levo pra vida é: foque no resultado! Nós perdemos muito tempo com coisas que não tem tanta importância. Ouvimos conselhos e sugestões de muita gente. Nos perdemos em meio aos medos e inseguranças, deixamos de nos ouvir para ouvir o outro. Mas a experiência da viagem do outro é do outro, pertence a ele, nunca será como a nossa. Com isso aprendi que se na primeira vez as dúvidas eram: “o que fazer”, na segunda vez passou a ser “como fazer” e “para quem”.

Aprendi também a definir prioridades e a optar pela praticidade. Isso me ajudou a perder menos tempo com coisas de pouca importância. Enquanto o bebê precisava mamar, dormir e estar limpo, a mais velha precisava de carinho e atenção. A viagem é muito curta para perder tempo com os brinquedos espalhados pelo chão, guardando roupinhas para usar apenas quando sair e preocupada com horários e regras.

A gente descobre que esses pequenos são mais fortes do que imaginávamos da primeira vez, mais resistentes, e o tempo passa rápido demais pra levar tudo de forma tão séria.  

Nenhuma viagem, ou filhos, ou mães serão iguais. E você também não será, porque aquela mãe da primeira viagem já não existe mais, ela é uma pessoa completamente nova. Assim como viajar, maternar é algo difícil de explicar, precisa ser vivido e sentido.

Qual foi a maior diferença da segunda para a primeira viagem?

Leia também: 

Profile photo of Brena Limoel

Empreendedora, escritora e transformada pela maternidade. É mãe da Sara e da Sofia e compartilha um maternar de forma leve e sem culpas. Através de sua experiência e projetos, ajuda milhares de mulheres a se empoderarem e buscarem equilíbrio. Brena é autora convidada e seus textos não representam necessariamente a opinião do Blog Leiturinha.