Você conhece a síndrome dos pais distraídos?

por | set 25, 2020 | 0 Comentários

Quando penso em uma pessoa distraída logo me vêm à mente a imagem de alguém desatento. Alguém  que não consegue prestar atenção por muito tempo, que afasta o pensamento com facilidade e perde o foco facilmente com coisas que estão ao seu redor. Você conhece alguém assim? Aliás, você conhece a síndrome dos pais distraídos?

Você se identifica com essa situação?

Outro dia estava almoçando com meu marido e meu filho. Meu filho contou uma história sobre um brinquedo que ele tinha visto na internet. De repente ele disse: “Papai, será que eu posso ter esse jogo no dia das crianças?” Silêncio. Eu olhei para meu marido e ele tinha os olhos fixos na parede enquanto levava a comida à boca em um processo automático. Mais uma vez meu filho tentou: “Papai?” Nada! Dei uma cutucadinha nele por baixo da mesa fazendo com que ele saísse do estado de “transe” em que se encontrava. Novamente a pergunta foi jogada e, mesmo sem saber sobre qual jogo nosso filho falava, ele simplesmente respondeu: “Sim, vamos pensar no caso”. 

O tempo das crianças é diferente do nosso

O fato das crianças pequenas estarem sentindo “menos” os desafios do confinamento social durante a pandemia do COVID-19 está diretamente conectado a elas viverem essencialmente no momento presente. Daqui a pouquinho, logo mais, amanhã e ontem são denominações temporais sem sentido para as crianças pequenas. Elas conhecem o agora. Ainda não conseguem compreender o que significa esperar um pouco. Por isso temos tantos conflitos entre pais e filhos. Queremos fazer as coisas com eles no nosso tempo. Porém, quase nunca é o tempo presente. Enquanto eles desejam que seus desejos e necessidades sejam atendidos no presente. 

Parentalidade consciente

Mas então, eu li um livro sobre parentalidade consciente. Ele diz que uma das formas de reduzir os conflitos com os filhos é dedicarmos um tempo para estar presentes com eles. Decidi então começar a praticar. Combinei com meu filho que após o trabalho iremos jogar aquele jogo, brincar de carrinhos, bola… Enfim, teremos nosso tempo juntos. Ele aguardou ansiosamente ao longo do dia por aquele momento combinado. Quando o momento chegou, sentei com ele e decidimos jogar dominó. 

Enquanto ele organiza as peças, eu digo que só vou na cozinha aquecer a janta. Retorno e iniciamos o jogo. Meu telefone toca e eu levanto para atender. Enquanto eu converso com a pessoa, meu filho começa a me chamar. Desligo o celular, volto a sentar. Reiniciamos o jogo. O feijão começa a cheirar na cozinha, levanto e então vou desligar o fogo. Na volta, vejo que o quarto dele está uma bagunça. Chego na sala reclamando e dizendo que se ele não arrumar tudo não vai ter mais jogo. Ele protesta. Ligo a televisão para ouvir uma diferente. Começo a prestar atenção nos números da pandemia enquanto meu filho chora e reclama que não terminamos o jogo. 

Ao olhar para o relógio, já se passou uma hora e eu preciso terminar a janta, arrumar o banho, colocar ele para dormir e dar uma olhada nos e-mails. Também, assistir um episódio da minha série favorita antes de encerrar o dia. Fico nervosa com a quantidade de coisas que ainda precisam ser feitas e o choro do meu filho começa a me irritar. Ele segue me acusando que não terminamos o jogo. No fim, chego a conclusão de que essa história de parentalidade consciente não funciona mesmo porque as crianças nunca estão felizes com nada. 

Pais distraídos: focar no presente é desafiador

Uma das principais coisas que percebemos quando tentamos focar nossa atenção no presente é quão desafiador isso pode ser. Nossa mente está constantemente produzindo pensamentos e nossa atenção é levada para esses pensamentos.  Não sermos capazes de focar nossa atenção no que estamos vivendo nesse momento é uma das grandes causas de culpa e sofrimento na parentalidade. Temos cada vez mais meios tecnológicos ao nosso dispor, o que leva a um processo de distração maior. Distraímos-nos pensando no que fizemos, no que temos pra fazer, nas mensagens do celular, nas notícias da televisão e assim por diante. Muitas vezes por isso acabamos sendo pais distraídos para nossos pequenos. 

A brincadeira é um dos assuntos mais sérios para uma criança. E deveria ser para um adulto também. Através da brincadeira a criança desenvolve diversas habilidades: comunicação, criatividade, concentração, entre outras. E quando brincamos com a criança, lemos um livro ou simplesmente a escutamos estamos criando vínculos afetivos e de confiança com ela.  

Por isso, experimente treinar estar presente

Tire um tempo para você ficar com você mesma, sem interferências. Treine ouvir o outro. Peça que seu filho lhe conte algo que aconteceu com ele ou mesmo uma história e ao final se esforce para fazer pelo menos três perguntas sobre o assunto que ele trouxe. Isso vai treinando seu cérebro para prestar atenção no que está sendo dito. Quanto mais você der essa permissão a você mesma, mais sucesso terá. Com consistência somos capazes de mover montanhas! Conta para a gente, você já sofreu da síndrome dos pais distraídos na sua casa?

Leia mais:

Escrito por Gabriela Braun
Consultora educacional, educadora parental e mãe do Rafael. Ajuda mães e pais a lidarem com comportamentos desafiadores dos filhos através da educação consciente. * Gabriela é nossa autora convidada e seus textos não refletem, necessariamente, a opinião do Blog Leiturinha.
Relacionados
Como ensinar sobre eleições para crianças?

Como ensinar sobre eleições para crianças?

“Criança não tem que se meter em assunto de adulto.” Você já ouviu essa frase? Ou talvez já tenha falado ela? Meu pai sempre esteve no mundo da política. A casa costumava estar sempre cheia de adultos falando sobre política. E quando algum pequeno queria intervir no...

Você conhece a depressão pós-parto masculina?

Você conhece a depressão pós-parto masculina?

Quando falamos em depressão pós-parto, é natural associarmos a mulher que acabou de ter o bebê. No entanto, existem muitos casos de depressão pós-parto masculina, que é pouco falada, estudada, diagnosticada e tratada.  O que é a depressão pós-parto masculina? Essa...

5 receitas de tinta comestível para fazer em casa

5 receitas de tinta comestível para fazer em casa

Toda criança adora uma boa folia, seja brincando, cantando, dançando… E na cozinha então? A folia é mais gostosa ainda. Que tal unir a brincadeira com seu pequeno com a cozinha, ou seja, o útil e o agradável? As tintas comestíveis são extremamente populares entre as...

Como ensinar sobre eleições para crianças?

Como ensinar sobre eleições para crianças?

“Criança não tem que se meter em assunto de adulto.” Você já ouviu essa frase? Ou talvez já tenha falado ela? Meu pai sempre esteve no mundo da política. A casa costumava estar sempre cheia de adultos falando sobre política. E quando algum pequeno queria intervir no...

Você conhece a depressão pós-parto masculina?

Você conhece a depressão pós-parto masculina?

Quando falamos em depressão pós-parto, é natural associarmos a mulher que acabou de ter o bebê. No entanto, existem muitos casos de depressão pós-parto masculina, que é pouco falada, estudada, diagnosticada e tratada.  O que é a depressão pós-parto masculina? Essa...

5 receitas de tinta comestível para fazer em casa

5 receitas de tinta comestível para fazer em casa

Toda criança adora uma boa folia, seja brincando, cantando, dançando… E na cozinha então? A folia é mais gostosa ainda. Que tal unir a brincadeira com seu pequeno com a cozinha, ou seja, o útil e o agradável? As tintas comestíveis são extremamente populares entre as...

A importância de escutar as crianças

A importância de escutar as crianças

Que as crianças se manifestam o tempo todo, nós já sabemos. Porém, este tema se amplia e os olhares se voltam para a maneira e situações em que os adultos se dedicam a ouvir tais manifestações. E acredite, escutar as crianças vai muito além de emprestar os ouvidos....

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *