Precisamos falar sobre a Depressão Infantil

por | fev 28, 2019 | 2 Comentários

Normalmente associamos crianças à vitalidade e à felicidade. Então, é muito difícil conceber que crianças possam sofrer de depressão infantil. A depressão é o mal do século e hoje é não é difícil  encontrar alguém que sofra de ansiedade, taquicardia, ou estados depressivos, e isso tem uma relação direta com o estilo de vida que levamos, não é à toa, que esse mesmo ritmo e pressão também afetem os pequenos.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) estima que 300 milhões de pessoas de diferentes idades no mundo sofrem de depressão. Sendo que 800 mil pessoas morrem por suicídio a cada ano, tornando o suicídio a segunda principal causa de morte entre pessoas de 15 a 29 anos. Com números alarmantes como este, é preciso falar sobre depressão.

Existe uma banalidade na forma de tratar o termo depressão, atribuído, muitas vezes, erroneamente a qualquer estado de tristeza, desânimo, mágoa ou até preguiça. O que dificulta o tratamento e reconhecimento da doença. Existe também ainda um certo preconceito e dificuldade de conceber que a depressão é uma patologia, que requer tratamento, cuidados e acompanhamento específico.

Em entrevista, A Dra. Gabriela Rached El Helou Siloto, Psiquiatra infantil, CRM 132260, nos respondeu algumas dúvidas para orientar os pais e educadores quanto às características da depressão infantil.

O que caracteriza depressão infantil?

Dra. Gabriela Siloto: As manifestações da depressão na infância e adolescência podem ser diferentes de acordo com com a idade. Nas crianças, é mais comum a irritabilidade (episódios de birra e desobediência, por exemplo), e queixas relacionadas ao corpo (como dores de barriga, dores de cabeça, “mal-estar”). Na adolescência também são comuns a irritabilidade e queixas relacionadas ao corpo, mas com frequência também se observa aumento do apetite e ganho de peso, mudança no padrão de sono (para mais ou para menos), menor tolerância à frustração e maior sensibilidade à rejeição. Outros sintomas que podem existir são a queda no rendimento escolar, retraimento social, diminuição do apetite, desânimo, variação do humor durante o dia e agitação ou lentificação psicomotora. Importante ressaltar que, mesmo estando separados por faixa etária, todos os sintomas podem acometer qualquer idade. Além disso, é muito comum a associação de transtornos depressivos  a transtornos de ansiedade, transtornos de déficit de atenção e hiperatividade e outros problemas comportamentais na infância e adolescência.

Como podemos diferenciar depressão de outros transtornos como hiperatividade?

 Dra. Gabriela Siloto: Pesquisas sugerem que a existência de outros transtornos psiquiátricos concomitantes à depressão são frequentes em crianças e adolescentes. Assim, mais do que diferenciar a depressão de outros transtornos, é fundamental investigar clinicamente para avaliar a existência de outros transtornos associados. Só assim o tratamento proposto será adequado.

Qual é o tratamento para a depressão infantil?

Dra. Gabriela Siloto: O tratamento busca a remissão completa dos sintomas, e a opção se dá de acordo com a gravidade do quadro de cada paciente. É indicada psicoterapia, psicoeducação dos pais ou responsáveis acerca do quadro e seu tratamento, e medicação antidepressiva.

Quando o pai ou responsável deve procurar ajuda profissional?

Dra. Gabriela Siloto:  Ao observar alterações de comportamento nos filhos que se mantenham por duas semanas ou mais (mesmo que não sejam constantes durante este período), já está indicada a busca por ajuda médica. Só assim poderá ser feito o diagnóstico correto e proposto o tratamento adequado. Quanto antes as intervenções forem iniciadas, melhores as chances de recuperação.

Não é tarefa fácil identificar possíveis sinais de depressão, então, na suspeita, é bacana consultar os diversos pontos de contato de seu filho para compartilhar situações, e ver se o mesmo comportamento se repete em locais e contextos diferentes. Nesse ponto, os educadores podem se tornar fortes aliados no acompanhamento dos pequenos e inclusive serem os primeiros a notar uma alteração de comportamento.

O papel da escola e dos educadores neste momento

A Diretora Pedagógica, Ruymara Almeida, dá algumas dicas para pais e educadores:

Como pais e educadores podem ajudar crianças que possuem sinais de depressão infantil?

Ruymara Almeida: É muito importante estar informado sobre tudo o que concerne o desenvolvimento físico, motor, cognitivo, emocional e social das crianças. Bem como é necessário educarmo-nos sobre os sinais de depressão infantil. Acima de tudo é necessário investir tempo de qualidade para conhecer e compreender cada criança. Dessa forma, teremos um bom repertório de situações variadas para que possamos notar mudanças de comportamento ou humor.

Diante de quais comportamentos torna-se importante que educadores contatem os pais e/ou responsáveis para que estes possam procurar ajuda médica ou psicológica para seus filhos?

Ruymara Almeida: Quando se conhece bem as crianças é possível observar mudanças de comportamento como irritabilidade excessiva, desinteresse por atividades que costumavam gostar, dificuldades em manter a atenção, por exemplo. Estar presente com as crianças, sem distrações, e com um olhar atento, é essencial para prevenir e detectar a depressão infantil. Escola e pais devem ter canais de comunicação claros que possibilitem trocas de informações sobre novidades ou mudanças de atitude e comportamento, sejam positivas ou preocupantes. Dessa maneira, estabelece-se um relacionamento de confiança onde as crianças são vistas de forma respeitosa e amorosa e onde suas necessidades podem ser atendidas de forma apropriada.

Pais, profissionais da educação e mentores devem estar alerta à possíveis sinais de depressão infantil. É trabalho de todos o auxílio e apoio aos nossos jovens. Às vezes um olhar mais atento pode fazer a diferença aos nossos pequenos.

Leia também:

Categorias:
10+ | 4 - 6 | 7 - 10 | Comportamento | Criança | Idade
Escrito por Nathalia Pontes
Mestre em Psicologia da Educação, Educadora e escritora, acredita que aprender é uma combinação entre autoconhecimento, troca e curiosidade pelo novo. É apaixonada por educação, desenhos, viagens e literatura.
Relacionados
Como saber se seu filho tem medo além do normal?

Como saber se seu filho tem medo além do normal?

O medo faz parte da natureza humana e é importante para o desenvolvimento emocional, especialmente das crianças. Afinal, é o medo que nos ajuda a avaliar os perigos e possíveis ameaças a nossa saúde, por exemplo. No entanto, é preciso cuidado com o excesso de medo,...

20 filmes infantis para assistir em família

20 filmes infantis para assistir em família

Quer se divertir com as crianças? As brincadeiras, os jogos de tabuleiro e a própria literatura infantil costumam ser ótimas opções de passatempo! Mas, e os filmes? Para agradar os cinéfilos e os amantes da sétima arte, preparamos uma lista especial com 20 filmes...

Como saber se seu filho tem medo além do normal?

Como saber se seu filho tem medo além do normal?

O medo faz parte da natureza humana e é importante para o desenvolvimento emocional, especialmente das crianças. Afinal, é o medo que nos ajuda a avaliar os perigos e possíveis ameaças a nossa saúde, por exemplo. No entanto, é preciso cuidado com o excesso de medo,...

20 filmes infantis para assistir em família

20 filmes infantis para assistir em família

Quer se divertir com as crianças? As brincadeiras, os jogos de tabuleiro e a própria literatura infantil costumam ser ótimas opções de passatempo! Mas, e os filmes? Para agradar os cinéfilos e os amantes da sétima arte, preparamos uma lista especial com 20 filmes...

Aprenda a fazer massinha de modelar em casa

Aprenda a fazer massinha de modelar em casa

Cores e formas são muito atraentes para os pequenos e pequenas. Por isso, algo que parece tão simples, como uma massinha de modelar, pode gerar bastante interesse para as crianças e estimular o aprendizado! Afinal, essa brincadeira sensorial incentiva o...

2 Comentários

  1. Avatar

    Amai a matéria, tenho muito medo da depressão, pois já passei por isso..

    Responder
  2. Avatar

    É assustador pensar que a depressão também está atingindo crianças. É esse tipo de coisa que me assusta quando penso em ter um(a) filho(a) pois às vezes achamos que estamos reservando tempo suficiente para estar perto, acompanhando o desenvolvimento deles, mas mesmo assim não conseguimos atravessar a parede sentimental deles e saber o que realmente está se passando na cabeça deles.

    Responder
Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *