A adolescência dos bebês: descubra como lidar com os terrible twos

por | jan 16, 2018 | 11 Comentários

A chegada dos terríveis dois anos

De uma hora para a outra, aquele anjinho que até outro dia era só amor e carinho, decide que sua palavra favorita é “não” e desenvolve alguns hábitos um tanto quanto difíceis de lidar, como se jogar no chão por qualquer motivo ou fazer a maior birra diante de qualquer frustração, seja por não conseguir colocar as meias, não poder escalar um móvel ou não ganhar o que deseja. Se você se identificou com alguma dessas situações, é provável que seu pequeno esteja passando pela adolescência dos bebês, também conhecida como terrible twos ou os terríveis dois anos.

O que são os terrible twos?

Esta fase, que acontece entre 1 ano e meio e 3 anos (quando os pequenos também são chamados de Toddler), tem seu auge nos 2 anos de idade. Fase em que a criança passa a se perceber como indivíduo, com desejos e opiniões próprias, e sente uma enorme necessidade de tomar decisões e fazer escolhas por si mesma. Isso faz com que os pequenos “se rebelem” e se oponham a todas as solicitações dos pais. Aí já viu, né? Tudo vira motivo para espernear, choramingar, se irritar e berrar. A tranquilidade de outrora é substituída por uma explosão de rebeldia e, ao mesmo tempo, o pequeno se desenvolve tão depressa, que você se pega o tempo todo surpreendida com os pequenos atos de autonomia ou frases e perguntas que deixam qualquer adulto encantado, de tanta fofura. É… Não é nada fácil lidar com os altos e baixos desses pequenos “adolescentes”, mas nós podemos ajudar! Preparamos algumas dicas para papais e mamães lidarem melhor com essa fase tão cheia de emoções e desafios!

4 dicas para lidar com os terrible twos

1. Mantenha a rotina o mais estável possível

A chance de os pequenos ficarem irritados e explodirem em uma birra é maior quando eles estão cansados, com fome ou frustrados. Por isso, manter uma rotina saudável e regrada, diminui o estresse da criança de 2 anos. Esteja sempre prevenido(a) com lanchinhos e frutas na bolsa se forem ficar muito tempo fora de casa e procure organizar o dia a dia de vocês para que seu pequeno não fique muito tempo sem dormir ou sem comer. Com certeza isso o deixará mais tranquilo e menos propenso a ter acessos de chilique!

2. Explique com clareza e calma

Quando a criança ficar irritada por algum motivo, prefira conversar com calma. Claro, nem sempre isso é possível. Mas procure ser paciente e muito clara(o) no momento de lidar com alguma birra ou desobediência. Explique, com calma e clareza, que você entende o que está acontecendo, fale sobre os motivos pelos quais ele não pode fazer determinada coisa (ele pode se machucar, se cortar, se queimar) e ofereça alternativas ou se coloque à disposição para ajudá-lo, se o motivo for frustração por não conseguir realizar algo. O diálogo é sempre o melhor caminho para resolver conflitos e fazer a criança se acalmar e compreender o que está acontecendo.

3. Seja paciente

Por mais difícil que seja manter a calma, é muito importante tentar ser paciente. Entenda que essa fase é natural e que todas as crianças passam por isso para construir sua identidade. Muitas vezes, por mais que possa parecer, o pequeno não tem determinadas atitudes para te provocar de propósito, faz parte do desenvolvimento dele testar os limites e buscar independência. Por isso, evite fazer chantagens, bater ou gritar. Isso pode só piorar as coisas. Prefira sempre o diálogo. “O melhor a fazer é esperar o momento crítico passar sem dar muita atenção à criança. Normalmente, quando a birra acaba, elas sentem-se carentes e pedem colo”, afirma Sarah Helena, psicóloga, curadora na Leiturinha e mãe da pequena adolescente Cecília, de 1 ano e meio.

4. Não poupe carinhos, abraços e beijinhos

Em alguns casos, a criança fica tão nervosa que machuca os outros e a si mesma. Nesse momento, uma opção que pode funcionar é abraçá-la, pegá-la no colo e confortá-la. Deixe claro que você entende que ela está sofrendo e que você está ali para ajudá-la. Faça carinho, dê beijinhos e deixe-a se acalmar. Depois, vocês podem conversar para entender o que a deixou tão nervosa. Na maioria das vezes, as birras acontecem porque o pequeno não consegue lidar com suas próprias emoções. Então, aproveite este momento para conversar sobre os sentimentos da criança e ajudá-la a compreendê-los melhor.

Outras dicas que podem ajudar…

Como lidar com crianças desobedientes?

Quando a criança já compreende as regras, os seus direitos e deveres, e, mesmo assim, sempre escolhe confrontá-los, seja em casa ou na escola, é importante que os pais conversem com os filhos de forma calma, colocando-se na mesma altura, e, principalmente, ouvindo-os. Muitas vezes, um comportamento de desobediência está associado a causas secundárias, como o desejo por atenção; sentimentos e emoções com os quais a criança não está conseguindo lidar, como medo, raiva, tristeza; entre outras causas.

Aprenda como lidar com crianças desobedientes.

O que você precisa saber para lidar com as birras?

A criança começa a chorar e em poucos minutos já está gritando, esperneando e se jogando no chão. Quem nunca passou ou presenciou uma cena dessas não sabe o que é sentir um misto de emoções difícil de explicar e de lidar. As birras dos pequenos conseguem deixar qualquer adulto sem ação, principalmente, quando acontecem em público. Seja porque a criança quer um brinquedo ou porque não quer terminar determinada refeição, na maioria das vezes o que desencadeia as famosas crises de choro é uma palavra bem pequenininha, de apenas três letras: NÃO.

Confira 8 coisas que você precisa saber para lidar com as birras do seu filho.

Morder, bater e xingar: quando devemos nos preocupar?

Conforme a criança cresce, aprende a falar, a expressar suas vontades de maneira mais eficiente e compreende o que é certo e errado, é fundamental que os pais expliquem que determinados comportamentos não são legais e que podem, inclusive, magoar ou machucar outras pessoas.

Descubra como lidar com comportamentos agressivos na infância.

E você? Tem um pequeno adolescente em casa também? Conte para a gente como é lidar com toda a fúria e a fofura dos terrible twos! 

Categorias:
0 - 3 | Comportamento | Criança | Idade
Escrito por Ana Clara Oliveira
Jornalista e editora do Blog da Leiturinha, é fascinada por tudo que envolve o mundo da leitura, da educação e da infância. Acredita que as palavras aproximam pessoas, libertam a imaginação e modificam realidades. Gosta de escrever, viajar e aprender sempre.
Relacionados
Meu bebê não dorme: o que fazer?

Meu bebê não dorme: o que fazer?

Meu bebê não dorme: como vencer a privação de sono e aprender a dormir junto com o bebê? Se fizeram noites infinitas desde que o meu bebê nasceu. Hoje, prestes a completar um ano de vida, nós já experimentamos fórmulas e incansáveis rituais do sono. Hora em hora,...

Distúrbios da fala em crianças: quais são?

Distúrbios da fala em crianças: quais são?

Em primeiro lugar o processo de aprendizado da linguagem não é nada simples e envolve diversos fatores. Para falar, o pequeno precisa escutar bem, ter um entendimento daquilo que ouve, fazer um raciocínio lógico, escolher palavras. Enfim, são muitos fatores...

Marina e Makolelê: livro infantil sobre gentileza e empatia

Marina e Makolelê: livro infantil sobre gentileza e empatia

“Rabo de peixe, cara de gente!” Makolelê é um gorila que todos os dias vai até Marina, uma sereia, para zombar dela. Um dia, Marina resolve falar como se sente quando ouve essas provocações. Essa é uma história sobre empatia, amizade e respeito construído entre seres...

Meu bebê não dorme: o que fazer?

Meu bebê não dorme: o que fazer?

Meu bebê não dorme: como vencer a privação de sono e aprender a dormir junto com o bebê? Se fizeram noites infinitas desde que o meu bebê nasceu. Hoje, prestes a completar um ano de vida, nós já experimentamos fórmulas e incansáveis rituais do sono. Hora em hora,...

Distúrbios da fala em crianças: quais são?

Distúrbios da fala em crianças: quais são?

Em primeiro lugar o processo de aprendizado da linguagem não é nada simples e envolve diversos fatores. Para falar, o pequeno precisa escutar bem, ter um entendimento daquilo que ouve, fazer um raciocínio lógico, escolher palavras. Enfim, são muitos fatores...

Marina e Makolelê: livro infantil sobre gentileza e empatia

Marina e Makolelê: livro infantil sobre gentileza e empatia

“Rabo de peixe, cara de gente!” Makolelê é um gorila que todos os dias vai até Marina, uma sereia, para zombar dela. Um dia, Marina resolve falar como se sente quando ouve essas provocações. Essa é uma história sobre empatia, amizade e respeito construído entre seres...

Mas, pode? A importância da leitura na primeira infância

Mas, pode? A importância da leitura na primeira infância

Todas as crianças têm o direito de entrar em contato com os mais variados gêneros literários e tipos de livros. É a partir deste encontro que elas poderão desenvolver o gosto genuíno pelos livros. Além de aproveitar integralmente os benefícios que os livros tem as...

11 Comentários

  1. Avatar

    O meu pequeno Miguel só tem 1 ano e 6 meses já começou a se comportar assim! Quando é contrariado, faz birra, se joga… obrigada pelas dicas! Tento sempre conversar com ele e explicar o motivo de não deixá-lo fazer algo.

    Responder
  2. Avatar

    Meu pequeno João Pedro está com 2 anos e um mês. Quando ele começou estava com 1 ano e 8 meses, nós estranhamos por ele ser uma criança tranquila .Foi uma mudança mesmo então começamos a conversar muito com ele. Comecei a pesquisar sobre essas reações e conseguimos chegar a esse tema e seguir as orientações. Hoje já está mais fácil pra lidar com ele.

    Responder
  3. Avatar

    Meu pequeno tem apenas 1ano e 3 meses e já se comporta assim. Tento conversar, mas tem momentos que a única coisa que ele não quer é ouvir.

    Responder
  4. Avatar

    Nosso Pietro de 1 ano e 9 meses está sendo um pequenos adolescente. Agora lendo o artigo, esclareceu bastante. Pois fomos para uma viagem de 10 dias e ele se rebelou 😱😱😱😱
    Estranhamos totalmente os comportamentos, até achávamos que era por estar com outras crianças, maiores e que são mais independentes, mas com certeza é por estar na fase da “adolescência do bebê”.
    Obrigada pelas palavras.

    Responder
  5. Avatar

    Minha pequena tem 2 anos e 2 meses e de alguns dias pra cá vem tendo esses comportamentos, inclusive batendo a cabeça na parede e se auto agredindo, estou desesperada pq meus pais já disseram pra eu levar ela no médico para ser medicada pq isso não é normal. Eu não sei oq fazer me sinto um lixo a pior mãe do mundo.

    Responder
  6. Avatar

    O meu bebê de 1 ano e 10 meses também faz muita birra, principalmente quando sai do banho e vamos enxuga-lo, ele detesta!
    Grita, esperneia, foge e chora.. todo dia é a mesma luta. Também se morde quando fica frustrado com alguma coisa. É difícil e a paciência acaba em vários momentos do dia, mas respirar fundo e dizer que é uma fase ajuda muito.

    Responder
  7. Avatar

    Minha Bebê tem 1 ano e 10 meses. Tudo pra ela é não, às vezes é até engraçado, mas percebo que ela sabe o que significa a palavra não. Às vezes fala bem alto com a gente como se ela quisesse impor que tem que ser do jeito dela. Confesso que às vezes é bem difícil de lidar com essa fase. Lendo o artigo irei prestar mais atenção em mim, para melhorar a minha abordagem com a Alana Mali nesses momentos. Obrigada e bjssss. 😉

    Responder
  8. Avatar

    Meu filho tem 1 ano e 6 meses e iniciou essa fase de birra. Tudo é não, bater nos outros, chorar e trocar de roupa está sendo um desafio. Tento ficar calma mas tem momentos que fica difícil. Adorei as dicas e vou tentar seguir, tenho certeza que deixará ele mais calmo.

    Responder
  9. Avatar

    Minha filha está com 1ano e 10meses e desde 1ano e 2meses estamos nessa difícil jornada 🙈 como parei de trabalhar fora, pesquiso mto e organizo rotinas e o ambiente para ela, qdo tudo está perfeito até conseguimos um ambiente harmônico, mas se muda a rotina: viagens, visitas ou até se o brinquedo não encaixa como deveria…. vira um caos 🙈 sou mto paciente, converso e explico, mas tem umas birras q a gnt sente vontade de entregar p a mãe e sair correndo, porém a mãe é a gnt😂😂 as vezes sinto vergonha dos vizinhos e de pessoas em público que presenciam, mas ler relatos de outras mães que estão passando por fase parecida me conforta o coração. Força a todas as mamães e papais, seguimos na fé que tudo passa, os momentos bons e ruins!

    Responder
  10. Avatar

    Tenho uma pequena adolescente de 1 ano e 7 meses, ahh como tenho sofrido!! A minha alem de fazer tudo isso relatado no texto, tudo mesmo (até um pouco a mais), não dorme bem desde que nasceu. Ela vai dormir muito tarde, e acorda a madrugada toda, “berrando e esperneando”, manter a calma realmente está sendo bem dificil pra mim que no dia seguinte vou trabalhar.
    Tem um agravante ainda, minha pequena não simpatiza com adultos que ela não conhece, somente com crianças. Coloquei na escolinha com 1 aninho (meio período) pra ver se melhorava, tive que tirar em 2 meses, chorava todos os dias até ficar rouca, além de ter ficado muiito doente… enfim… essa fase pra mim está sendo a pior, embora sempre chorou muito desde que nasceu, mas agora é choro e birra. Fiquei mais tranquila em ler os relatos, porque quando estamos nessa situação nos culpamos demais, fui mãe muito tarde e me cobro constantemente, nós mães sempre achamos que somos culpadas de tudo né? Obrigada meninas.

    Responder
  11. Avatar

    Minha Aurora começou com 1 ano e 6 meses com esses comportamentos, tudo é difícil e exige paciência, nada ela faz numa boa, comer, tomar banho, se vestir, tudo exige muita conversa e paciência, tem crises de raiva, faz birras, não se joga no chão, porém ataca coisas no chão, em mim, me belisca, me arranha, grita e chora muito até perder o ar. Tenho outros 4 filhos mas nenhum teve esse terrible two.

    Responder
Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *