Tudo o que você precisa saber sobre alienação parental

por | nov 13, 2019 | 8 Comentários

De acordo com uma pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o número de divórcios no Brasil saltou de 130,5 mil para 341,1 mil, entre 2004 e 2014. Isso significa um aumento de 161,4% em dez anos. Os motivos que levam cada vez mais casais a optarem pelo divórcio, são muitos. Mas, neste contexto, existe uma constante: em casos de separação com filhos, o bem estar do pequeno deve estar entre as prioridades do casal, para que o rompimento dos pais não impacte no desenvolvimento da criança. No entanto, devido a diversas razões, alguns casais não conseguem resolver suas questões amigavelmente, podendo, inclusive, surtir efeitos contrários, prejudicando a rotina e a saúde da criança. É o caso da alienação parental. 

A alienação parental ocorre quando uma das partes influencia o filho a tomar partido e a se colocar contra a outra parte. Aí, entra o papel do judiciário, que oferece meios de proteger os filhos, a partir de recursos legais, e, também o papel dos profissionais que podem ajudar pais e filhos neste momento, como o psicólogo. Para compreender melhor o que é a alienação parental, quais seus impactos na vida da criança e a melhor maneira de resolver a questão, nós conversamos com a advogada Amanda Piffer e com a psicóloga Sarah Helena.

O que configura a alienação parental?

Desde a aprovação da Lei 12.318, em 26 de agosto de 2010, foram definidos os aspectos e os meios de coibir a alienação parental. A advogada Amanda Piffer esclarece: “considera-se ato de alienação parental a interferência na formação psicológica da criança ou do adolescente, promovida ou induzida por um dos genitores, avós ou pelos que tenham a criança ou adolescente sob a sua autoridade, guarda ou vigilância, com o intuito de repudiar o genitor ou causar prejuízo ao estabelecimento ou à manutenção de vínculos com este”.

Isso pode se dar de diferentes maneiras, como proibir que o pai/mãe veja a criança, fazer chantagens, manipular, influenciar a criança ou adolescente contra o pai/mãe, dificultar visitas, omitir informações sobre os filhos, apresentar falsas denúncias para dificultar a convivência, entre outras atitudes que prejudicam ou impedem a relação do filho com um dos genitores.

Quais as consequências da alienação parental para a criança ou adolescente?

Embora o final de um casamento seja um marco e tanto na vida do casal, as crianças são as que mais sentem com essa mudança. Sua rotina muda, e sentimentos como medo e insegurança podem aparecer em diferentes doses, dependendo da criança e, também, da forma como os pais vão lidar com a situação. Da mesma forma, “cada criança vai reagir de uma forma quando submetida à alienação parental”, afirma a psicóloga Sarah Helena.

No entanto, ela complementa: “segundo pesquisas voltadas para a Síndrome de Alienação Parental (SAP), as consequências da alienação parental para as crianças pode envolver, entre outros sintomas, culpa, ansiedade, depressão infantil, visão maniqueísta da vida, agressividade, medos, angústias, dificuldades de aprendizagem e somatizações. Estas consequências psicológicas e físicas acontecem, muitas vezes, junto a uma aversão ao pai/mãe alienado (bem como por tudo que é ligado a ele/a) desenvolvida pelo outro”.

Como e a quem buscar ajuda em caso de alienação parental?

Se você está passando por uma situação semelhante e já tentou várias alternativas, mas nada resolveu o problema, talvez seja o momento de pensar em buscar ajuda judicial, uma vez que a prática da alienação parental é prejudicial à formação psicológica e afetiva de crianças e adolescentes.

A advogada Amanda orienta: “Constatado ato de alienação parental, o indicado é que o genitor alienado procure o Conselho Tutelar do local em que reside, bem como a vara da infância e juventude, para buscar orientações acerca do caso concreto. Nada impede, no entanto, que se recorra, de antemão, ao Judiciário, uma vez ser-lhe assegurado o direito de ter o ato lesivo cessado.

Para tanto, basta que realize um requerimento (podendo ser de ofício também) em qualquer momento processual, em ação autônoma ou incidental. O processo terá tramitação prioritária e o juiz determinará, com urgência, ouvido o Ministério Público, as medidas provisórias necessárias para preservação da integridade psicológica da criança ou do adolescente, inclusive para assegurar sua convivência com genitor ou viabilizar a efetiva reaproximação entre ambos, se for o caso”.

Como a prática de ato de alienação parental fere direito fundamental da criança ou do adolescente de convivência familiar saudável, o genitor alienante (aquele que pratica a alienação parental) deve ser responsabilizado. Por isso, a lei prevê punições para quem comete esta ou qualquer outra conduta que dificulte a convivência de criança ou adolescente com o genitor.

Amanda afirma que, nesses casos, o juiz poderá, dependendo da gravidade da prática, “declarar ocorrência de alienação parental e advertir o alienador; ampliar o regime de convivência familiar em favor do genitor alienado; estipular multa ao alienador; determinar acompanhamento psicológico e/ou biopsicossocial; determinar a alteração da guarda para guarda compartilhada ou sua inversão; determinar a fixação cautelar do domicílio da criança ou adolescente e declarar a suspensão da autoridade parental”. Além disso, a advogada ressalta que o alienante poderá ser processado penalmente pela prática do crime de denunciação caluniosa ou de comunicação falsa de delito ou de contravenção, de acordo com o caso específico.

Amanda ainda afirma que, com o objetivo de atuar contra a prática de alienação parental, “há um projeto de lei em tramitação  (PL 4488/2016), que, se aprovado, tornará o ato de alienação parental crime passível de reclusão de três meses a três anos, com pontuais agravantes”.

A guarda compartilhada: uma possível solução

Em caso de separação com filhos, pensando no bem estar das crianças, a guarda mais recomendada é a guarda compartilhada. Vigente desde dezembro de 2014, por meio da Lei 13.058/2014, a guarda compartilhada possibilita a ambos os genitores maior proximidade e acesso à vida da criança ou adolescente, o que, segundo Amanda, “proporciona uma rotina semelhante à guarda conjunta e ao convívio e hábitos familiares que os filhos estão acostumados. Isso colabora para que os pequenos tenham o apoio necessário para superar as complicações que acompanham a separação, sobretudo no que diz respeito à ausência de amparo parental e consequente sensação de abandono afetivo”. Por esse motivo, essa é a guarda mais indicada para evitar a alienação parental.

No entanto, conforme afirma a advogada, é preciso prudência para que as diferenças entre o casal não interfiram na educação dos filhos. “É certo que, na guarda unilateral, a diminuição do convívio da criança com o genitor costuma ser gradativa, acarretando prejuízos ao desenvolvimento emocional infanto-juvenil, bem como facilitando a prática de atos de alienação parental. No entanto, a guarda compartilhada, se não exercida de modo democrático e recíproco, acaba por acarretar equânime situação, motivo pelo qual deverá ser precedida de cautela e equilíbrio”, ressalta Amanda.

Então, qual a melhor maneira de lidar com essa situação?

A realidade é que a separação envolve sofrimento, mudanças e muitos desafios. Por isso, é um momento de buscar manter a calma, procurar ajuda, se necessário, e, principalmente, apoiar e conversar muito com os pequenos, para que eles sofram o mínimo de impacto possível. Se você está nessa situação, cheio(a) de dúvidas e inseguranças, a psicóloga Sarah dá um conselho:

Quando os pais estão em processo de separação é muito importante que a situação seja colocada de forma clara e simples aos filhos, o que possibilita que eles lidem com seus sentimentos, tirem todas as dúvidas e diminuam as fantasias, que normalmente são piores do que a própria realidade. Muitas vezes a criança chega a pensar que ela é a causa da separação, o importante é privá-la desse pensamento e falar de forma aberta sobre o assunto.

Falar sobre a separação de forma neutra, sem prejudicar a imagem do outro, é importante para que os pequenos entendam que há uma grande diferença entre a relação amorosa dos pais e a relação entre mãe/pai-filhos, e que, mesmo que a primeira não tenha continuidade, o mesmo não se aplica à segunda, entre pais e filhos.

Proteger os filhos dos conflitos advindos da separação e não envolvê-los em disputas e desafetos é fundamental para a saúde psíquica deles. Neste momento de tantas mudanças para os pequenos, os adultos devem estar preparados para serem figuras de apoio, confiança e carinho.

Por isso, os pais devem buscar meios de se cuidarem e de se ouvirem, para estarem bem consigo mesmos e em suas relações com os filhos, lidando com sentimentos, se fortalecendo enquanto pais/cuidadores/homem/mulher.

Leia também: 

Escrito por Ana Clara Oliveira
Jornalista e editora do Blog da Leiturinha, é fascinada por tudo que envolve o mundo da leitura, da educação e da infância. Acredita que as palavras aproximam pessoas, libertam a imaginação e modificam realidades. Gosta de escrever, viajar e aprender sempre.
Livros selecionados por faixa etária, todo mês na sua casa. Saiba Mais.
Relacionados
Como lidar com filhos na pré-adolescência?

Como lidar com filhos na pré-adolescência?

Afinal, como lidar com filhos na pré-adolescência? Sabemos que quando você pisca, seu filho ou filha já é um pré-adolescente. Surgem, então, acordos não cumpridos. Eles parecem mais irritados e tendem a reclamar de tudo. Tenha calma. É sim possível aprender a lidar...

Como lidar com filhos na pré-adolescência?

Como lidar com filhos na pré-adolescência?

Afinal, como lidar com filhos na pré-adolescência? Sabemos que quando você pisca, seu filho ou filha já é um pré-adolescente. Surgem, então, acordos não cumpridos. Eles parecem mais irritados e tendem a reclamar de tudo. Tenha calma. É sim possível aprender a lidar...

A Jacaré: a curiosa amizade de um homem e seu pet peculiar

A Jacaré: a curiosa amizade de um homem e seu pet peculiar

O livro A Jacaré conta a linda história de amizade entre Faoro e Negro, um jacaré. Isso mesmo! Um jacaré! 🐊 Esse Inédito Leiturinha é um livro infantojuvenil estrangeiro ultra premiado, e seu título original é La Caimana. Chegou ao Brasil em primeira mão aos...

8 Comentários

  1. Shirlei Martins Santana

    Eu gostaria de saber, quando o pai teve o contato de algumas horas com a criança? Foi arbitrado pelo Sr.Meritissimo e esse nunca apareceu e inclusive, já abriu mão da criança em processo que ele próprio abriu e no trâmite por motivos banais desistiu da solicitação de visitas ou contato com a criança? A mãe contatou a família paterna e inclusive levou a criança para contato mesmo ele sabendo não foi. Enviou para mãe fotos de seu órgão que inclusive foi aberta pela criança a mãe está tendo ajuda de uma psicóloga e foi orientada a bloquear o número para não recorrer outra vez. Como orientar a mãe á essa situação?

    Responder
  2. Helia lucimar moura

    Ola boa tarde,meu nome e Hélia,
    e deste de janeiro desse ano me separei do pai dos meus filhos,bom foi um casamento em que so ele mandava,so ele que dirigiu a minha vida.fui casada aproximadamente quase 16anos,tenho uma menina de 13 anos e um menino de 8,no começo ele permitia a minha ida ate em casa,logo as coisas mudaram,bem hoje a minha filha não quer me ver,entendo estava presente em todos os momentos,agora não mais.e uma pena.mais sinto falta deles,….eles decidiram ficar com o pai.ele trata bem as crianças,so não me respeitava.
    não sei o que fazer.apenas peço a deus que me de força para eu não fazer nenhuma besteira.mais o final do meu casamento me trouxe mtas consequências.

    Responder
  3. Jaqueline Araújo Barbosa

    Olá ,bom dia ,sou Jaqueline e faz quase um ano que estou separada, tenho um filho de 3anos ,e depois que ele foi passar as férias c o pai toda vezes que é pra ir pra casa do pai ele diz que está c dor na barriga e vomita eu fiquei sabendo que ele fala muito mal de mim ,o que eu posso fazer? , e na escola quando é a semana de ir ele fica distante e não quer fazer as atividades e nem comer .

    Responder
  4. Gabriela

    Oi boa tarde, meu marido já foi casado e teve um filho, a ex sempre quer ferir ele com palavras de que ele nao faz questão de fazer presença na vida do filho, sei que e mentira pois a maioria das vezes ele tenta ligar pra conversar com o filho e ela não atende, fica dizendo pra ele buscar todos os finais de semana e também conversar mais com o filho, meu marido já tocou no assunto dela deixar ele com ele por um tempo, mas ela pirou e falou que depois de criado os pais acham q podem tomar a guarda, também jogou na cara dele varias coisas, o que ele pode fazer, sei que ele e presente na vida do filho mesmo não estando 24hs sempre pergunta como ele esta entre outras coisas, também sei que ele mora com a mae mas quem sempre ficava com ele era a vo.
    O que o meu marido poderia fazer?

    Responder
  5. Marcos Freitas

    Quem ama mesmo os filhos, e eles ainda são menores de idade, deveria se separar somente em casos extremos, como no caso de violência doméstica. As dificuldades são muitas. Não é muito difícil provar a alienação parental, mas, abandono, abuso sexual, assédio moral e coisas do tipo são muito difíceis de provar e deveriam ser mais rigorosamente analisados pelos magistrados e estudados por profissionais da área de saúde psíquica.
    Recomendo a procura por bons psicólogos e psiquiatras. Têm que ser bons e isentos de ideologias. Também recomendo a espiritualidade. Pra quem não acredita, a ioga ajuda no relaxamento, autoconhecimento e autoestima.
    Muito diálogo e paciência.

    Responder
  6. Handerlon Nascimento Lima

    Olá, muito obrigado por falar de forma simples sobre esse assunto, estou passando por esse problema e confesso que me sinto perdido quanto aos meus direitos ….
    Tenho uma filha de 5 anos que a mãe levou do RJ para MG no dia 05/09/2019 sem me comunicar e até hoje não deu notícias nem mesmo da cidade onde está!
    Ela já foi eliminada da escola…
    São 69 dias de sofrimento e tristeza de toda família , a visitação era regulamentada …
    Eu pedi o desarquivamento do processo ele já ocorreu mas a defensoria não me dá um prazo uma luz…
    Não sei se posso fazer mais… em fim estou angustiado precisando de ajuda!!!

    Responder
  7. Jaime da Silva

    Olá.
    Tenho 2 filhos 22 e 13 anos minha sogra sempre morou na mesma casa e escutei por algumas vezes meu filho falando q não gostava de escutar a vó falando mal de mim pra ele, hoje tenho um filho adolescente precisando de mim e tenho sentido um bloqueio da parte dele com isso.
    Hj estou separado da mãe dele novamente (acredito que influência da minha sogra) e meu filho mais novo está participando ativamente desse conflito devido esses comentários a meu respeito e me preocupo pois cada dia ele está mais longe de mim.
    O q posso fazer???

    Responder
  8. robson

    Realmente é um tema e uma situação bem delicada.

    Responder
Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *