Prêmio Reclame Aqui

5 dicas para pais de primeira viagem

por | mar 12, 2020 | 3 Comentários

A chegada do primeiro filho é algo incrível, tudo novo e às vezes o novo assusta, pois é desconhecido. Mas com a vivência do dia a dia tudo vai se ajeitando. Pensando nisso, preparei 5 dicas para pais de primeira viagem. Elas são essenciais para você,  pai de primeira viagem, saber como agir em determinadas situações.

1. Converse diariamente com seu filho(a) desde o primeiro mês de gravidez. 

Você sabia que 53% dos homens só passam a conversar com seus filhos na barriga da mãe a partir sexto mês? Não faça parte desta estatística. Quando descobri a gravidez da minha filha foi um misto de alegria com preocupação. A primeira coisa que me veio a mente foi: “Agora serei pai, vou ter que me matar de trabalhar para dar do bom e do melhor para ela”. Depois de passar a adrenalina da notícia e o choro, comecei a viver a expectativa até o nascimento. 

Durante o início da gravidez estava ansioso para interagir com ela. Mas como? Era simples, todos os dias em que saía para o trabalho e quando voltava para casa, conversava com ela. “Mas, Euller, isso é possível? Não tenho ideia do que falar, nem sei se a criança escuta, vou parecer meio doido”. Eu falava do meu dia a dia, como tinha sido no trabalho. Tinha conversas aleatórias, dizia como estava a expectativa aqui fora. Que naquele dia tínhamos arrumado seu quarto, comprado fraldas e por aí vai. Lia boas histórias a ela (nessa época, a Leiturinha já existia em nossas vidas). 

2. Se responsabilize pelo seu filho desde o primeiro dia de vida. 

Diga para a mãe deixar ele com você e ir descansar um pouco. Lembre-se: às vezes um abraço pode curar muitas dores físicas e emocionais.

Após o nascimento da minha filha foi uma loucura, nossos horários ficaram todos bagunçados. Tinha noite em que minha esposa não aguentava mais. Estava esgotada, revezávamos no cuidado com o bebê, e às vezes ambos estavam esgotados. Minha esposa chorava muito. Eu não tinha muito o que fazer a não ser abraçá-la e dizer que estava ali e passaríamos por aquele momento, juntos.

O primeiro mês de vida do bebê é um aprendizado para todos. A maternidade/paternidade não é uma vocação. Mas sim uma construção diária, ou seja, todos vão aprendendo a lidar com o bebê e seu comportamento. Cada um terá seu jeito específico no cuidado com o bebê. Cuidar de um filho recém-nascido e o processo de aprendizagem envolve muita, mas muita energia.  No início os horários ficam todos desregulados, trocam o dia pela noite e os primeiros meses são de adaptações. Portanto, ofereça ajuda à mãe antes mesmo de perceber seu esgotamento, físico e emocional.

3. Cuide das visitas para que mãe e o bebê possam descansar.

No primeiro filho, todos, alguns na inocência, outros por maldade, vão se intrometer na sua vida e rotina. Aquelas pessoas com mais experiência vão se achar no direito de dar alguns pitacos sem nem mesmo você ter pedido qualquer conselho. Muitos ficarão ansiosos para lhe fazer uma visita, ou melhor, visitar o bebê. Você pode e deve regular essas visitas e horários pelo menos no primeiro mês. 

Como disse, este mês é o período de adaptação para todos. A mãe e o bebê estarão cansados, e você vai precisar fazer sala a essas visitas. Não corra para o quarto e deixe a mãe esgotada fazendo sala para as visitas. É necessário informá-las que a mãe e o bebê precisam descansar.

4. Seja o responsável por intermediar a relação da sua mãe (sogra) com sua esposa. 

No primeiro mês de nascimento da nossa filha solicitamos reforço. Meus pais vieram nos apoiar. A ajuda foi essencial, eles ajudaram nos cuidados da casa. Enquanto eu e minha esposa éramos responsáveis pelo cuidado com o bebê. 

Isso mesmo, os pais vieram para dar um apoio com a casa para que pudéssemos aproveitar mais nossa filha, conhecê-la melhor e adaptar à nova rotina. Tinha momentos em que a minha mãe por conta da alegria, animação e experiência acabava invadindo o nosso espaço. Por isso, eu conversava com ela (afinal a mãe é minha). Ela poderia ficar brava comigo, mas não viraria o rosto. Agora se fosse com a nora, a probabilidade disso acontecer seria maior e com certeza você não quer ver sua esposa e mãe sem se olhar. 

A avó paterna estará muito feliz e animadíssima com a chegada do seu neto, e se for o primeiro, a alegria pode se dobrar. Essa animação toda pode deixar a mãe estressada e consequentemente se estender ao bebê. Por isso, seja o responsável, de maneira assertiva claro, por fazer esta intermediação. Converse com a sua mãe para respeitar o espaço de vocês (pai, mãe e bebê), quando necessário.

5. Faça parte do processo de alimentação do seu filho, seja por alimento, leite materno ou fórmula.

Quando um filho nasce, existe uma simbiose muito forte entre mãe e bebê. Principalmente por causa da amamentação, o sugar do seio. O olhar materno é algo incrível de se ver. Esta relação mãe e bebê é fantástica, mas você não precisa ficar de fora desse momento. Você não amamenta no peito, mas pode segurar o bebê no colo e colocá-lo para arrotar quando terminar a amamentação (independente da hora, manhã, tarde e/noite). 

Na madrugada, caso seu filho acorde com fome, levante, pegue-o e entregue a mãe. São nos detalhes que você fortalece o vínculo com seu bebê. Caso o seu filho não amamente no peito, você pode preparar a fórmula e dar a ele. Segure-o no colo e aprecie seu lindo rosto enquanto ele se alimenta. Garanto que vai ficar apaixonado com tudo isso e seu amor pela criança só vai aumentar. 

Enfim, pai de primeira viagem, o afeto e fortalecimento de vínculo se constrói nos detalhes, viva cada momento intensamente e todos ganharão com esta vivência. Você se aproximará mais de seu pequeno, a mãe poderá ter mais tempo para descansar e cuidar melhor do bebê e este sentirá todo o apego seguro oferecido por vocês.

Leia mais:

Escrito por Euller Sacramento
Psicoterapeuta, palestrante e pai da pequena Alice. Ajuda pais e filhos a se (re)conectarem emocionalmente. Acredita que quando pais e filhos se conectam a maternidade e a paternidade se tornam mais leves, mesmo diante das dificuldades. - Euller é nosso autor convidado e seus textos não refletem, necessariamente, a opinião do Blog Leiturinha.
Livros selecionados por faixa etária, todo mês na sua casa. Saiba Mais.
Relacionados
Leitura para bebês: 9 dicas para ler histórias para seu pequenino

Leitura para bebês: 9 dicas para ler histórias para seu pequenino

Quem tem um bebê em casa sabe que, às vezes, a rotina pode ser uma loucura! Entre os momentos de brincadeira, sono, alimentação, higiene e passeios, pode ser muito difícil encontrar um tempo para ler um livro com os pequenos ou pequenas. E nem sempre eles estão...

8 coisas que você precisa saber para lidar com as birras do seu filho

8 coisas que você precisa saber para lidar com as birras do seu filho

Lidar com as birras da sua criança: Um dos desafios mais marcantes da vida de qualquer tutor. Mesmo que você não seja mãe ou pai, certamente já deve ter presenciado um momento como esse: a criança começa a chorar e em poucos minutos já está gritando, esperneando e se...

Como lidar com meu filho pré-adolescente?

Como lidar com meu filho pré-adolescente?

Afinal, como lidar com meu filho pré-adolescente? Sabemos que quando você pisca, seu filho ou filha já está na pré-adolescência. Podem surgir, então, acordos não cumpridos. Eles parecem mais irritados e tendem a reclamar de tudo, não é mesmo? Pois tenha calma. É sim...

Leitura para bebês: 9 dicas para ler histórias para seu pequenino

Leitura para bebês: 9 dicas para ler histórias para seu pequenino

Quem tem um bebê em casa sabe que, às vezes, a rotina pode ser uma loucura! Entre os momentos de brincadeira, sono, alimentação, higiene e passeios, pode ser muito difícil encontrar um tempo para ler um livro com os pequenos ou pequenas. E nem sempre eles estão...

8 coisas que você precisa saber para lidar com as birras do seu filho

8 coisas que você precisa saber para lidar com as birras do seu filho

Lidar com as birras da sua criança: Um dos desafios mais marcantes da vida de qualquer tutor. Mesmo que você não seja mãe ou pai, certamente já deve ter presenciado um momento como esse: a criança começa a chorar e em poucos minutos já está gritando, esperneando e se...

Como lidar com meu filho pré-adolescente?

Como lidar com meu filho pré-adolescente?

Afinal, como lidar com meu filho pré-adolescente? Sabemos que quando você pisca, seu filho ou filha já está na pré-adolescência. Podem surgir, então, acordos não cumpridos. Eles parecem mais irritados e tendem a reclamar de tudo, não é mesmo? Pois tenha calma. É sim...

3 Comentários

  1. Romeu Almeida

    Meus parabébs meu amigo, muito bom seu relato e seus conselhos.

    Responder
  2. Leonardo Aguiar Carvalho

    Adorei o relato. Com certeza colocarei em prática. Minha esposa tá grávida de 16 semanas e será nosso primeiro filho, se Deus quiser. Estamos super radiantes.

    Responder
  3. Jardson Damasceno

    Sou mais um pai de primeira viajem feliz por ouvir esses bons ensinamentos, quero fazer o melhor pelo nosso bebê, obrigado pela boa intenção 😁

    Responder
Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *