Existem várias vertentes de modelos educativos normalmente utilizada pelos pais. Uma delas é a disciplina positiva. Junto com ela, surgiu o termo psicologia positiva. Por mais que ambas tenham nomes muito parecidos possuem abordagens bem diferentes. Ambas são muito importantes, cada uma com o seu valor, podendo ser aplicadas em conjunto nas relações humanas. Você sabe qual é a diferença entre disciplina positiva e psicologia positiva? Descubra agora. 

O que é a disciplina positiva?

A Disciplina Positiva é uma abordagem filosófica e prática, um modelo educativo que  nasceu em 1930, nos Estados Unidos. Quando utilizada na educação dos filhos, existe um senso comum sobre a aplicabilidade da disciplina positiva. A maioria das pessoas acreditam que consiste, simplesmente, em educar as crianças sem limites, com permissividade e sem regras. 

Na verdade, essa filosofia consiste no educar com respeito, estabelecendo limites. Sem ser punitivo nem permissivo, um meio termo, estabelecendo uma conexão verdadeira de laços de amor e confiança mútua com as crianças. Ela incorpora gentileza e firmeza ao mesmo, como fundamentos para ensinar as competências de vida. 

E o que não faz parte da disciplina positiva?

  • Autoritarismo;
  • Permissividade;
  • Educação sem regras;
  • Mimar 

A disciplina positiva é uma maneira equilibrada de educar por meio de técnicas. Como por exemplo, a prevenção, a distração e a substituição para conduzir as crianças com gentileza mas com firmeza ao mesmo tempo. 

E agora, o que é a psicologia positiva? 

A psicologia positiva é um movimento da psicologia recente, de cerca de 1990. O seu enfoque científico é aplicado na descoberta das qualidades das pessoas e da promoção do seu funcionamento positivo. Ela permite que os indivíduos e as comunidades prosperem. 

Essa abordagem consiste em nutrir o que há de melhor no indivíduo e não apenas pontuar o que tem de errado. Através do fortalecimento das forças humanas que podem evitar uma doença mental. A teoria foi desenvolvida justamente para encontrar formas de ajudar as pessoas a encararem a vida de maneira mais leve e positiva. Com isso, é possível que os indivíduos vivam melhor e se sintam mais felizes.

Conta para a gente, você tem alguma abordagem preferida para ensinar aos seus pequenos? 

Leia mais:

Profile photo of Elen Montanari

Mestre em Saúde, Psicóloga e Pedagoga. Atua como psicóloga clínica e orientação parental. Apaixonada pela infância, pelo universo infantil, pela ludicidade, pela leitura e pelo brincar, pois acredita que a infância é a fase mais rica no desenvolvimento do ser humano, formará o futuro adulto. *Elen é nossa autora convidada e seus textos não refletem, necessariamente, a opinião do Blog Leiturinha.