Era uma vez, uma menininha chamada “Lacriminha”. Ela era conhecida pelo seu chororô: chorava para entrar no banho, depois chorava para não sair dele, e por aí vai…

A história de Lacriminha pode parecer um tanto familiar para nós, pais e mães, e não é por acaso… Se já é difícil passar pelos “terrible twos”, quando os pequenos começam a perceber sua própria existência, imagine quando começam a conhecer seus próprios sentimentos e emoções! O choro serve para tudo: desde dor e tristeza, até raiva, ciúmes, constrangimento, vergonha… Haja lagriminhas!

Um turbilhão de emoções: transformando lágrimas em palavras

Nada mais natural que vivenciar muitos choros até que a linguagem se desenvolva, dando lugar e acomodando tantos sentimentos intensos.

Para ajudar os pequenos nessa primeira infância, conversas são fundamentais, além do olhar cuidadoso e compreensivo dos adultos para mediar a situação. Assim, ao enfrentarem seus próprios sentimentos – contando com a voz de alguém que seja o suporte e diga à criança o que ela sente e o porquê sente – ficará cada vez mais leve para o pequeno lidar com eles.

Assim, aos poucos, conquistam autonomia suficiente para sentir algo e colocar em palavras, de forma simbólica, o que antes era pura emoção. Como é de costume aqui no Blog Leiturinha, e como não poderia faltar dizer, os livros ocupam uma função especial neste momento, principalmente aqueles que trazem a vivência de conflitos e falam sobre sentimentos, gerando identificação dos pequenos.

Lacriminha: um livro sobre choro e emoções

Lacriminha, Lançamento Exclusivo Leiturinha é um deles. Escrito por Lulu Lima e ilustrado por Betania Zacarias, o livro conta a história de uma garotinha em busca de suas lágrimas. Acontece que, de tanto chorar, suas gotinhas secaram todas, o que a fez sair em busca delas pelas águas do rio, do mar e até das nuvens. Ao final, com a ajuda de algumas joaninhas, que ela usou para fingir que eram suas lágrimas, Lacriminha dá uma super hiper gargalhada e descobre, pela primeira vez, como é bom chorar de tanto rir!

Assim, com beleza, poesia e muita imaginação, os personagens sempre têm algo a dizer e, quando se trata de sentimentos, até mesmo nós, adultos, gostamos quando nos identificamos com alguma história e, ao final da leitura, podemos descobrir novas formas e possibilidade de ser no mundo. De alma humana para alma humana, a literatura segue cumprindo seu papel de falar a verdade de cada um e de se tornar única para cada leitor, a cada releitura podemos descobrir mais sobre a narrativa e, portanto, sobre nós mesmos!

Leia mais:

Profile photo of Sarah Helena

Mãe da Cecília, formada em Psicologia, especialista em Filosofia, sempre trabalhou com famílias, especialmente com os pequenos. Por esse amor ao universo afetivo infantil, hoje, na Leiturinha, ela colabora fortalecendo o vínculo das famílias leitoras através da experiência da literatura.