Após a chegada do bebê, quando mãe e filho estão se conhecendo e se descobrindo, é natural que a mãe invista quase todos os seus interesses e sentimentos na criança. Assim, ela consegue estabelecer seu vínculo com ela. Essa situação é a base para aquilo o que chamamos de preocupação materna primária. Você já ouviu falar nisso?

A preocupação materna primária e os sentimentos das recém-mães

De acordo com o psicanalista e pediatra inglês Donald Winnicott, essa seria a capacidade especial da mãe de fazer a coisa certa. Segundo ele, nesse estado, a mãe se torna capaz de se colocar no lugar do bebê. Assim, desenvolve um processo de identificação que lhe permite decifrar toda e qualquer necessidade do filho. Isso, de uma forma que ninguém imita e que não é ensinada. É natural.

A mãe entende o que o bebê precisa e é capaz de satisfazer suas necessidades. Ela se permite mergulhar nessa relação e construir esse vínculo de maneira plena, de uma forma que outra pessoa não seria capaz.

A mãe se adapta às necessidades de seu filho e ao ritmo próprio do bebê

Esse apoio materno, que funciona como uma barreira protetora, à medida que o bebê se desenvolve, é gradativamente retirado. Com o passar do tempo e o desenvolvimento do bebê, a mãe vai aos poucos retomando seus interesses em outras áreas de sua vida.

Ao longo do processo de identificação materna, a criança vai se organizando na relação com a mãe. Nessa parceria é capaz de se constituir enquanto sujeito. Acaba por diferenciar da mãe a partir de suas próprias experiências emocionais e afetivas.

O vínculo entre mãe e filho não acontece de uma hora para outra

O vínculo é construído no dia a dia, na relação, na troca. Vale lembrar também que esse vínculo não depende de laços sanguíneos ou da biologia. Ele nasce a partir da entrega, da disponibilidade e do interesse da mãe (biológica, adotiva, da avó, da tia ou de quem estiver desempenhando a função materna) pela criança.

Leia mais:

Profile photo of Flávia Carnielli

Mãe da Maria Clara, mestre em psicologia clínica, especialista em psicologia perinatal e formada em psicoterapia infantil. * Flávia é nossa autora convidada e seus textos não refletem, necessariamente, a opinião do Blog Leiturinha.