Você sabe qual a importância da leitura em voz alta?

por | ago 6, 2020 | 2 Comentários

Era uma vez uma comunidade que só lia em voz alta. A leitura em silêncio e solitária  era uma prática rara, quase inexistente. Esse pode até parecer o começo de um conto de fadas, mas é apenas o começo da história da leitura. A leitura sem sons, aquela que faz da biblioteca um templo do silêncio, é recente na nossa história. Ela foi fundamental para que os leitores pudessem ter momentos a sós com os seus livros (a tal da privacidade!). Mas conforme a leitura silenciosa foi se tornando um hábito, a leitura em voz alta foi quase esquecida. Se não fossem as crianças, talvez essa prática estaria ameaçada de extinção.Para que isso não aconteça, vou te contar qual é o poder da leitura em voz alta e o porquê ela deve acontecer em todas as etapas da nossa vida. Vamos lá?  

Quem dá vida há um texto?

“Venham soprar nos nossos livros. As palavras precisam de corpo.Os nossos livros precisam ter vida.”

                                                   – Daniel Pennac

Antes do leitor, o livro é um objeto sem vida, opaco e sem graça. É a voz e a imaginação de quem lê que faz a história se tornar viva, quase palpável. Imagine agora quando essa voz que dá vida a um livro é escutada não só pelo leitor, mas também por alguém mais. É como compartilhar o mesmo espaço imaginário, a mesma época, os mesmo cenários. É como convidar alguém para fazer uma viagem em conjunto.

Se na leitura silenciosa e solitária o leitor desenvolve privacidade e intimidade em relação ao texto, na leitura em voz alta os laços se estreitam não apenas entre leitor e livro, mas também entre o leitor, o livro e o ouvinte. Está aí uma das primeiras belezas da leitura em voz alta: o estreitamento dos vínculos. 

Uma pausa para a leitura

Não é difícil observar o quanto estamos consumidos pela pressa. Se você ainda tem dúvida de que o nosso ritmo mudou observe a dificuldade que muitas pessoas tem em esperar. Seja no trânsito, em uma fila ou até uma comida. Nesse cenário, tudo que é rápido vai ganhando espaço, desde o fast food até o rémedio que rapidamente alivia um desconforto. A pressa é tanta, que a leitura em voz alta pode parecer uma utopia.

Embora o nosso ritmo de vida imponha a pressa, ainda tem um espaço onde eu e você podemos escolher o que fazer com o nosso tempo. É aí que ler em alto e bom som vira uma opção. Em um cenário veloz, esse tipo de leitura estimula a paciência, a escuta, a imaginação e o tempo de qualidade entre famílias e grupos. 

De 0 a 100 anos: os impactos de ler em voz alta

Logo no começo do texto já anunciei que a leitura em voz alta só não morreu graças as crianças. Afinal, elas amam ouvir histórias, pedem para repetir uma, duas, três, quatro vezes. Mas conforme os pequenos crescem, esse tipo de leitura vai diminuindo, até que no auge na pré-adolescência a leitura silenciosa e solitária reina.

Isso acontece porque nós adultos caímos na ilusão de achar que depois que uma criança aprende a ler ela não precisa mais da voz ou da leitura de um adulto. O erro está em esquecer que a leitura em voz alta  não é um ‘favor’ para quem não sabe ler letras, mas sim um ato generoso de tempo compartilhado (com qualidade!).  Uma maneira de cuidado e atenção. Sendo assim, todos aqueles benefícios dessa forma de leitura (a escuta, concentração, memória, imaginação, curiosidade) continuam valendo, para toda e qualquer idade.

Por isso, ler para uma criança é tão importante quanto ler para um adolescente, um adulto ou e até um idoso. Conta para a gente, você já teve a oportunidade de ler para um adulto? 

Leia mais:

Escrito por Juliana Freitas
Formada em Psicologia, é apaixonada pela ciência e pelas artes literárias. Estuda o encontro entre a criança e o livro, a criança e o psicólogo e a criança e o mundo.
Relacionados
Empedramento dos seios: o que fazer?

Empedramento dos seios: o que fazer?

Quem é mãe com certeza sabe o que é ter preocupações e incertezas, desde a gestação. Primeiro as dúvidas sobre o nascimento do bebê. Depois, com o recém-nascido, vêm os problemas de amamentação. Empedramento dos seios e outras dificuldades surgem no desenvolvimento...

Você conhece a síndrome dos pais distraídos?

Você conhece a síndrome dos pais distraídos?

Quando penso em uma pessoa distraída logo me vêm à mente a imagem de alguém desatento. Alguém  que não consegue prestar atenção por muito tempo, que afasta o pensamento com facilidade e perde o foco facilmente com coisas que estão ao seu redor. Você conhece alguém...

Empedramento dos seios: o que fazer?

Empedramento dos seios: o que fazer?

Quem é mãe com certeza sabe o que é ter preocupações e incertezas, desde a gestação. Primeiro as dúvidas sobre o nascimento do bebê. Depois, com o recém-nascido, vêm os problemas de amamentação. Empedramento dos seios e outras dificuldades surgem no desenvolvimento...

Você conhece a síndrome dos pais distraídos?

Você conhece a síndrome dos pais distraídos?

Quando penso em uma pessoa distraída logo me vêm à mente a imagem de alguém desatento. Alguém  que não consegue prestar atenção por muito tempo, que afasta o pensamento com facilidade e perde o foco facilmente com coisas que estão ao seu redor. Você conhece alguém...

2 Comentários

  1. Avatar

    As crianças estão sendo ceifadas da ludicidade, da fantasia e de ter infância! Esses momentos tem sido proporcionados na maioria das vezes na escola. A família têm se abdicado do seu tempo com seus filhos e principalmente nos momentos de leitura, que é riquíssimo!
    Adorei a matéria! E me sinto feliz por existir “Leiturinha” pra avivar esses momentos!!

    Responder
  2. Avatar

    Eu me recordo com carinho de quando lia para a minha vó, em voz alta! E hoje leio para minha filha de 3 meses, em voz alta.
    Este ato de amor nos dá alegria!

    Responder
Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *