Dedinhos, chupetas e a oralidade dos bebês e crianças pequenas

por | set 28, 2018 | 1 Comentário

Todos os pais, principalmente os de primeira viagem, se veem diante deste dilema: usar ou não a chupeta, deixar ou não a criança colocar o dedo na boca.  A insegurança pode ser grande, os medos e as dúvidas são comuns e são tantas opiniões diferentes (profissionais de saúde, tia, madrinha, avó, vizinha) que a grande maioria dos pais se pergunta: “Qual delas está certa? Qual está errada? Qual devo seguir?”.

Mas por que será que os bebês e as crianças pequenas colocam tudo na boca?

Exames de ultrassonografia feitos pelas mães enquanto ainda estão grávidas mostram que, já na barriga, o bebê aparece chupando o dedo ou com a mãozinha na boca, mais ou menos na metade da gestação. Nos recém-nascidos, esse hábito aparece quase como um instinto.

Isso porque nessa fase, que vai de 0 a 18 meses, a criança tem maior necessidade de sucção. É um momento de grande importância para o desenvolvimento nutricional e emocional do bebê, e sua boca é a primeira parte de seu corpinho que começa a se relacionar com o mundo. Durante a amamentação, ele recebe o alimento, mas também o carinho e afeto de sua mãe. É a partir dessa boquinha que a criança começa a perceber que tem necessidades (como a fome, por exemplo) e que pode ser satisfeita.

Ao mamar, a criança se acalma e tem suas tensões aliviadas, e assim vai aprendendo a se controlar. É a fase em que grande parte da energia vital se concentra na região da boca, e por esse motivo sugar torna-se extremamente prazeroso.

Até que idade isso acontece?

Com o passar do tempo sugar já não é mais uma necessidade, mas sim uma tentativa de obter conforto, acolhimento. Sempre que se sente sozinha, ansiosa, angustiada diante de uma situação desagradável, ou deseja sanar a sua curiosidade natural, a criança recorre a esse hábito antigo e coloca o que estiver mais perto na boca, seja um brinquedo, o dedo ou a chupeta, procurando esses recursos para sentir maior segurança.

Por volta dos 3 anos, a criança começa a ter outros interesses e satisfações que acabam diminuindo naturalmente esse comportamento. Mas, algumas delas não esquecem dos velhos companheiros tão fácil assim.

Nesses casos é importante observar o que a criança tenta dizer com a continuidade dos hábitos antigos. Ela pode estar passando por algum momento mais difícil, que gere maior estresse e ansiedade, como a entrada na escola ou o nascimento de um irmãozinho, por exemplo. Esse comportamento provavelmente será transitório e irá desaparecer à medida que se sinta segura.

Contudo, caso isso não ocorra, é preciso que os pais intervenham de maneira mais assertiva. Conversem com a criança de maneira delicada, deem espaço para ela se expressar, façam atividades que a distraiam. É preciso também muita paciência, dedicação e compreensão, pois a criança nunca deve ser repreendida por estar chupando o dedo ou a chupeta.

Para as crianças que chupam chupeta, essa pode ser uma tarefa mais fácil, pois não as carregam em qualquer lugar. Aquelas que chupam o dedo têm uma missão mais difícil, pois a “tentação” está presente o tempo todo.

É certo, porém, que essa pode ser uma ótima oportunidade para dar às crianças mais atenção e oferecer bastante carinho, trazendo a segurança e confiança necessárias para dar mais um passinho em seu desenvolvimento emocional.

Ah, e vale lembrar também que na maternidade e na paternidade pouca coisa funciona na base do certo e errado… o que conta realmente é aquilo o que melhor se encaixa na família de cada um.

Você também pode gostar de:

Categorias:
0 - 3 | Bebê | Desenvolvimento | Idade
Escrito por Flávia Carnielli
Mãe da Maria Clara, mestre em psicologia clínica, especialista em psicologia perinatal e formada em psicoterapia infantil. * Flávia é nossa autora convidada e seus textos não refletem, necessariamente, a opinião do Blog Leiturinha.
Relacionados
4 dicas para combater o preconceito infantil

4 dicas para combater o preconceito infantil

O preconceito é construído socialmente, a partir das nossas interações com o mundo e com os outros. A cada interação e troca, a criança vai absorvendo e compreendendo o mundo. Assim, ela vai construindo os seus valores e suas percepções. Nisso, muitas coisas boas...

Meu bebê não dorme: o que fazer?

Meu bebê não dorme: o que fazer?

Meu bebê não dorme: como vencer a privação de sono e aprender a dormir junto com o bebê? Se fizeram noites infinitas desde que o meu bebê nasceu. Hoje, prestes a completar um ano de vida, nós já experimentamos fórmulas e incansáveis rituais do sono. Hora em hora,...

4 dicas para combater o preconceito infantil

4 dicas para combater o preconceito infantil

O preconceito é construído socialmente, a partir das nossas interações com o mundo e com os outros. A cada interação e troca, a criança vai absorvendo e compreendendo o mundo. Assim, ela vai construindo os seus valores e suas percepções. Nisso, muitas coisas boas...

Meu bebê não dorme: o que fazer?

Meu bebê não dorme: o que fazer?

Meu bebê não dorme: como vencer a privação de sono e aprender a dormir junto com o bebê? Se fizeram noites infinitas desde que o meu bebê nasceu. Hoje, prestes a completar um ano de vida, nós já experimentamos fórmulas e incansáveis rituais do sono. Hora em hora,...

Distúrbios da fala em crianças: quais são?

Distúrbios da fala em crianças: quais são?

Em primeiro lugar o processo de aprendizado da linguagem não é nada simples e envolve diversos fatores. Para falar, o pequeno precisa escutar bem, ter um entendimento daquilo que ouve, fazer um raciocínio lógico, escolher palavras. Enfim, são muitos fatores...

1 Comentário

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *