Prêmio Reclame Aqui

Seu filho está seguro na internet?

por | dez 7, 2017 | 5 Comentários

Infância, educação, tecnologia e Internet. Entre números e recomendações, uma coisa é fato: as crianças estão conectadas cada vez mais cedo. Segundo a TIC Kids, pesquisa feita pelo Comitê Gestor de Internet no Brasil, hoje 79% das crianças e adolescentes entre 9 e 17 anos estão na internet. Diante desse dado, o universo de possibilidades que se abre para os pequenos e jovens chega acompanhado de uma preocupação fundamental: a segurança na Internet. Como é possível garantir que nossos filhos estejam seguros na Internet, em meio à publicidade infantil, conteúdos inapropriados e contato com estranhos? A realidade é que, se nossos pequenos estão conectados, cabe a nós, adultos, zelar para que esse acesso seja 100% saudável, seguro e benéfico.

O que é desenho e o que é propaganda?

Vários países pelo mundo, incluindo na América Latina, restringem a publicidade infantil, por considerá-la abusiva por, entre outros fatores, afetar o desenvolvimento das crianças e até mesmo acarretar problemas de saúde. No entanto, na prática, propagandas direcionadas às crianças ainda são comuns em diversos lugares. Um estudo, realizado pela Comissão Europeia, que analisou 25 dos games mais populares, demonstrou que todos os advergames (como são chamados os bancados por publicidade), todos os jogos de redes sociais e metade dos jogos de aplicativos possuem anúncios. Outros sites, como o Youtube, também não ficam atrás. Ainda quando disfarçadas, as propagandas estão presentes em uma quantidade significativa de conteúdos infantis. Em um estudo que analisou 12,8 mil vídeos do YouTube, de 41 canais infantis populares no Brasil, Estados Unidos e Reino Unido, pesquisadores constataram que a maioria deles tem algum tipo de conteúdo publicitário disfarçado.

Qual é o maior desafio? As crianças de pouca idade têm pouco ou nenhum discernimento para diferenciar publicidade dos demais conteúdos. Portanto, quando são expostas a propagandas, enquanto assistem seus desenhos favoritos ou jogam um jogo, são absorvidas, sem perceber, por aquele anúncio, se tornando alvos mais vulneráveis.

Pequenos conectados, atenção redobrada!

Outro assunto que já foi discutido na mídia , são os vídeos falsos que já chegaram a fazer parte da lista de conteúdos relacionados dos desenhos que as crianças assistem, disponíveis no YouTube. Imitando desenhos famosos, como Peppa Pig e Frozen, eles possuem conteúdos inapropriados para crianças, onde os personagens infantis fumam cigarros, são torturados com instrumentos de dentista e transformam pessoas em zumbis com injeções. Sobre os casos, o YouTube orientou que os pais utilizem o YouTube Kids – lançado pelo Google com o objetivo de filtrar os conteúdos infantis – e acionem o “modo restrito”, que bloqueia conteúdos denunciados. Ainda assim, alertam que “nenhum filtro é 100% preciso”.

Em relação aos riscos e a insegurança online entre crianças e adolescentes, a TIC Kids apontou que 7% das crianças entre 11 e 12 anos já tiveram acesso à pornografia, 12% adicionaram alguém que nunca tinham visto pessoalmente e 14% foram tratadas de forma ofensiva.

Garantindo um ambiente seguro para os pequenos

O digital já faz parte da vida dos pequenos da geração alpha. Portanto, como nós, adultos, podemos mediar e cuidar para que esse acesso seja seguro? Sem deixar de se preocupar com o tempo em que os pequenos ficam conectados, os pais precisam estar atentos aos conteúdos acessados. Nesse contexto, a mediação e participação dos pais é fundamental. Acompanhar de perto o que a criança está consumindo e brincar/ver/jogar junto, sempre que possível, são formas de potencializar os benefícios que o contato com a tecnologia proporciona aos pequenos, além de proteger as crianças.

Afinal, o digital tem muito a agregar na vida, no desenvolvimento e na educação das nossas crianças. Plataformas educativas desenvolvidas especialmente para os pequenos, como a PlayKids, são bons aliados neste momento, ajudando a estimular desde a linguagem e coordenação motora dos pequenos, até às interações sociais e o entretenimento. Portanto, vale ressaltar que, com a supervisão dos adultos e em plataformas que garantam aprendizado e diversão aliados à segurança, o mundo digital só tem a beneficiar crianças e adolescentes.  

Leia mais:

Escrito por Ana Clara Oliveira
Jornalista e editora do Blog da Leiturinha, é fascinada por tudo que envolve o mundo da leitura, da educação e da infância. Acredita que as palavras aproximam pessoas, libertam a imaginação e modificam realidades. Gosta de escrever, viajar e aprender sempre.
Livros selecionados por faixa etária, todo mês na sua casa. Saiba Mais.
Relacionados
Clube de livros infantis: Vale a pena fazer parte de um?

Clube de livros infantis: Vale a pena fazer parte de um?

Um grande consenso entre os adultos é que a infância passa rápido. 💨 Quem nunca parou para pensar nos seus dias de criança e desejou reviver alguns desses momentos? São muitas as experiências que começam nessa fase da vida e que continuamos a carregar conosco para...

O Ponto e a Linha: Original Leiturinha para pensar por outros ângulos

O Ponto e a Linha: Original Leiturinha para pensar por outros ângulos

Para você, o que significa um ponto? ⚫ E uma linha? ➖🤔 Talvez seja um símbolo de escrita ou o local em se escreve. Pode também ser uma localização, ou até mesmo um estado da matéria (ponto de ebulição). Mas vou parar por aqui para não dar spoiler! 🤭 Só posso revelar...

Clube de livros infantis: Vale a pena fazer parte de um?

Clube de livros infantis: Vale a pena fazer parte de um?

Um grande consenso entre os adultos é que a infância passa rápido. 💨 Quem nunca parou para pensar nos seus dias de criança e desejou reviver alguns desses momentos? São muitas as experiências que começam nessa fase da vida e que continuamos a carregar conosco para...

O Ponto e a Linha: Original Leiturinha para pensar por outros ângulos

O Ponto e a Linha: Original Leiturinha para pensar por outros ângulos

Para você, o que significa um ponto? ⚫ E uma linha? ➖🤔 Talvez seja um símbolo de escrita ou o local em se escreve. Pode também ser uma localização, ou até mesmo um estado da matéria (ponto de ebulição). Mas vou parar por aqui para não dar spoiler! 🤭 Só posso revelar...

Uma história para Ana: Original Leiturinha sobre Ana Maria Machado

Uma história para Ana: Original Leiturinha sobre Ana Maria Machado

🤔O que é, o que é: Escritora, professora, jornalista e pintora, com mais de uma centena de livros publicados. Membro da Academia Brasileira de Letras, já recebeu o Prêmio Hans Christian Andersen, o mais importante prêmio de literatura infantil. De quem estamos...

5 Comentários

  1. Marcelo

    Esse tema de propaganda é muito interessante, inclusive foi tema de redação no ENEM 2014. Como você acha que o Brasil anda nesse quesito? Ainda temos propagandas direcionadas a crianças em horários de programas infantis e em jogos online nem se fala. E ainda, como isso poderia ser resolvido no ambiente online, já que na programação da TV aberta, na minha opinião, o ideal seria uma legislação que regulasse essas propagandas.

    Responder
    • Ana Clara

      Olá, Marcelo, tudo bem? Realmente, ainda há muito o que melhorar no que diz respeito às propagandas direcionadas para o público infantil, aqui no Brasil. Também acredito que a a melhor maneira de regular isso seja por meio da legislação, mas uma outra saída, no meio online, é procurar canais e aplicativos livres de propagandas, como citei no texto. Muito obrigada por acompanhar nosso conteúdo e um abraço!

      Responder
  2. Sérgio Sevileanu

    Ótimo texto, muito obrigado! Os pais precisam estar atentos porque os ataques muitas vezes são sutis.

    Responder
  3. Silvio Miranda

    Texto interessante, acho que a internet pode ser um aliado mas tem grande risco de ser uma arma muito prejudicial.
    Acredito que a inserção digital só deve ser feita depois dos 2 anos de idade. Qual a opinião de vocês sobre isso?

    Responder
    • Ana Clara

      Olá, Silvio, tudo bem? Fico feliz de saber que você acompanha e se interessa por nosso conteúdo! Conforme coloquei no texto, acredito que a tecnologia tem muito a contribuir com o desenvolvimento infantil, desde que com o acompanhamento e supervisão de um adulto e, claro, em ambientes digitais seguros. Um abraço!

      Responder
Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *