Você já ouvir falar sobre o internetês? Mas com certeza você já se deparou com ele em algum momento, mesmo não conhecendo o termo. A linguagem da internet, que também é conhecida como net speak, já é uma realidade presente há alguns anos na vida dos internautas, principalmente dos pré-adolescentes e jovens. Isso, inclusive, já causou muito rebuliço na comunidade acadêmica e das escolas. Afinal, o internetês atrapalha o aprendizado dos pequenos?

Em primeiro lugar, o que é a linguagem da internet?

Abreviações, acrônimos, ortografia adaptada, emojis… Tudo isso faz parte do internetês. Já viu alguma frase assim: “oi td bem q sdds d vc”? Em tradução: “Oi, tudo bem? Que saudades de você!”. Claramente exageramos na exposição do exemplo, mas isso não é tão incomum assim.

Essa linguagem informal surgiu pela primeira vez nos anos 1990, com a popularização da rede. Com o intuito de facilitar e agilizar a comunicação, ela também se tornou códigos de determinados grupos. Como assim? Dificilmente você vai encontrar um adolescente que se comunica pelas redes sociais com seus amigos utilizando a norma culta

Desta forma, o grupo dos “adolescentes” criou, despercebidamente, um código a ser seguido para quem deseja pertencê-lo. E isso não, necessariamente, é uma coisa negativa. Todos os grupos e nichos têm seus códigos a serem seguidos pelos integrantes. Assim, as pessoas que naturalmente já funcionam de acordo com essas regras, desenvolvem o sentimento de pertencimento tão inato à nossa humanidade quanto respirar.

E, se você está habituado ao ambiente virtual, certamente já abreviou as palavras, usou emojis e teve outros comportamentos do net speak para deixar a conversa mais dinâmica, informal e semelhante à linguagem oral. Considerando que, dificilmente, o sentimento envolvido na fala é também representado na escrita, por que não usar um emoji? A linguagem da internet é uma alternativa inteligente e eficiente de comunicação social, diminuindo a distância e a impessoalidade que as telas podem ocasionar.

Mas e aí? A net speak atrapalha o aprendizado do seu pequeno?

Embora o internetês seja uma linguagem coloquial que imita a oralidade, os seus adeptos sabem onde e quando deve-se ou não utilizá-la. Existem estudos da Universidade Federal de Juiz de Fora que mostram que adolescentes e pré-adolescentes não usam o net speak na escola, ou em outros ambientes onde a norma culta é exigida. Isso chama-se adequação linguística. Ou seja: usar adequadamente em cada contexto as variantes de registros da Língua Portuguesa, que é tão rica. 

Além disso, mesmo com abreviações e acrônimos, a estrutura gramatical das frases e textos é mantida. Caso contrário, se não fossem, seria impossível de interpretar, seja por omissão de palavras ou por realocação/inversão delas. Ou seja, para se fazer entender, mesmo que de forma despercebida, o internauta continua respeitando as estruturas gramaticais que aprendeu na escola

Tanto é que ficou comprovado que, mesmo para a geração mais impactada com a linguagem da internet, não houve prejuízo do conhecimento da norma culta, nem do discernimento de adequação ao contexto. Pelo contrário, essa primeira geração crescida de net speakers passou a ler e escrever mais, pela facilidade e agilidade em se comunicar. Afinal, quando você manda uma mensagem em uma rede social e recebe uma resposta, está exercitando a leitura e a escrita. Sendo assim, essa comunicação, mesmo que informal, é, também, uma forma de expressar ideias e exercitar a escrita de um bom texto.

O internetês daqui pra frente

Considerando que a Língua Portuguesa é viva e passível de alterações, diferentemente do Latim que não é mais falado, portanto não sofre nenhuma modificação, será que o internetês pode impactar o português? A resposta é sim. 

Vamos pensar na palavra “você”. Há muitos anos, era “vossa mercê”, depois “vossemecê”, e “vosmecê”, até hoje se tornar “você”. Que, aliás, na linguagem oral já foi reduzido para “ocê” e “cê”, enquanto na linguagem da internet pode ser “vc” ou “c”. Isso significa que a língua formal e falada, como a conhecemos hoje, já sofreu diversas alterações. Ou seja, ela se adapta à realidade da sua época, e a internet já faz parte dela. 

Não existe forma – e nem vale a pena buscá-las – de censurar a linguagem da internet, ela é viva. Na verdade, o que devemos buscar são formas de usá-la positivamente. E, nesse aspecto, as possibilidades são infinitas, é só usar a criatividade. Mas, fundamental mesmo é o papel do educador de preparar aqueles a quem educa para utilizar de forma crítica e adequada as diversas variações linguísticas que o português possui.

Leia mais:

Profile photo of Paula Piffer

Estudante de Comunicação, faz parte do time de Conteúdo da PlayKids. Acredita que a literatura transforma as pessoas e a educação transforma o mundo!