Como a literatura ajuda na compreensão dos sentimentos

Feb 6, 2024 | sem categoria

GANHE PRESENTE DUPLO! Crescer com Leiturinha é mais divertido! Mas é por tempo limitado! Mochila da Iara + Régua do crescimento grátis no 1º kit! Botão: ASSINAR LEITURINHA

Sem dúvidas, a literatura é uma das razões de eu estar pensando no que vou cozinhar no jantar e também no saudável desafio em correr uma maratona no fim do ano. 

É justo dizer que do mesmo modo ela me auxiliou a compreender e aceitar os diversos medos que me habitam e visitam, além de me ensinar com gentileza a confiar mais em mim mesmo.  

Foi assim: a literatura deu colo para os momentos difíceis… e momentos difíceis não faltam, certo? Mas não foram somente nos momentos de bad

A literatura trouxe alegria, riu junto, fez gargalhar, foi responsável por dar aquela energia, trazer aquela leveza e paz que nos ajuda a levantar e ver o mundo de forma menos desafiadora. Ou a me fazer enfrentá-lo com mais coragem, claro que sim.

Afinal, ler é sentir!

Além disso, com muitas histórias e autores provocaram sempre a reflexão com questões éticas, morais, de revelações e escolhas. E seguimos em frente.

Pode até parecer que estou falando somente a partir da perspectiva de um adulto, mas muito enganado está se alguém imagina que essas relações também não ocorrem com as crianças e suas leituras. 

Leia também: Um livro para ensinar seu pequeno a identificar os sentimentos

Ler é sentir ❤️📖

A literatura é uma poderosa aliada das crianças. Uma grande parceira para lidar com basicamente tudo. E, creio que podemos concordar, o mundo está bem estranho no momento. 
São muitas mudanças ao mesmo tempo, muitas questões que impactam diretamente nas vidas das crianças, inclusive. 

E se para os adultos está difícil acompanhar e lidar, para os pequenos também é um desafio e tanto. 
Ou seja, nada como uma boa história para cuidar de nós, nos fortalecer e nos transformar para lidar com o que aparecer.

Questões socioemocionais 🫂
Provavelmente vocês leitores ouviram ou leram a expressão em algum lugar, em algum momento. 
Só para retomar, as questões socioemocionais, resumindo muito resumido, dizem respeito a compreender, a perceber os sentimentos, as situações e as melhores formas de combiná-los.

O fato de essa expressão estar aqui e se falar cada mais sobre ela é uma ótima notícia. Pois mostra a preocupação com o tema. Com o ser e estar no mundo. E a literatura é muito responsável por essa divulgação, por assim dizer.
A partir do espelhamento com diferentes situações, as crianças refletem a respeito do que estão sentindo, encontram diálogo com personagens, em seus questionamentos. 

Aprendem a identificar e nomear as emoções, e em diferentes setores da vida, passam a lidar de forma mais positiva e confiante. 

Não é pretensão deste texto trazer a lista de todas as competências socioemocionais e discuti-las. Para isso, sejam vocês educadores, famílias ou curiosos, podem acessar um documento interessante clicando aqui e correr até a página 8.  
O documento em questão é um documento oficial, do Governo do Estado de São Paulo, que visa apresentar e organizar essas competências e definições com sugestões de integrá-las ao trabalho pedagógico.
Lá vocês encontram sobre empatia, respeito, entusiasmo, tolerância à frustração e autoconfiança, por exemplo.  

Vamos exercitar a memória! 🧠
Antes de terminar o texto, por que não uma brincadeira? Relaxa, vai ser gostoso. Sem pressão, sem pressão! 

Faça o movimento de relembrar quais foram os personagens e histórias que foram importantes nos seus processos, que fazem parte da sua narrativa? Você tem essa memória de forma clara?

Qual foi o primeiro personagem com quem se identificou?
E qual história te deu confiança para levantar e seguir em frente?

Por meio da literatura, muitas outras perguntas, no intuito de descobrir mais sobre si, podem auxiliar no crescimento e fortalecimento de cada criança. Que vão olhar para a própria história e se inspirar em como agir.

Histórias e mais histórias são escritas e vividas todos os dias. Preconceito, separação dos pais, desastres ambientais, violências, solidão, todas essas questões complicadíssimas encontram refúgio na literatura, que apresenta caminhos para amizades, famílias, respeito, mundos possíveis e paz. 

 

Marcelo Jucá

Autor, jornalista e doutorando em literatura. Participa de projetos especiais da Leiturinha e publicou os Originais Leiturinha "Alguém viu o meu chapéu?" e "Eu sou Assim, Assim é Você". Nesta coluna, escreve sobre cultura, infâncias e sociedade, sempre no intuito de provocar curiosidade, reflexões (quem sabe algumas risadas) e novas histórias.

    Acompanhe nossas redes sociais