A maior parte das crenças que temos sobre dinheiro é formada na nossa infância. Por isso, é importante que os pais saibam como lidar com o dinheiro de maneira saudável, caso contrário, seus filhos poderão reproduzir o seu padrão comportamental. 

Como lidamos com o dinheiro quando somos filhos

Minhas lembranças de infância e adolescência sobre isso, por exemplo, é de que dinheiro era, quase sempre, um problema. Meus pais sempre trabalharam muito, com salários que não correspondiam aos esforços e dedicação que apresentavam. Como filha mais velha, pude ver o medo em seus olhos na gravidez da minha irmã e, logo depois, do meu irmão. Medo porque, apesar da imensa alegria que era ter uma casa cheia, um filho a mais significa gastos a mais. Creio que essa tenha sido a sua maior preocupação. 

Houve momentos da minha infância em que meu pai ficou desempregado e a família precisou reorganizar os custos de vida. Lembro-me dos cadernos com inúmeros cálculos, de alguns desentendimentos sobre os gastos excessivos e das frases que ouvi muito quando pedia algo: “Você pensa que dinheiro dá em árvore?”. Por que estou trazendo essa lembrança aqui? Porque foi através dessas vivências que passei a criar minhas crenças sobre como lidar com o dinheiro. E como pais, precisamos estar atentos a isso. 

Como lidar com o dinheiro quando nos tornamos pais?

Então, pare uns segundos e reflita: quais são as suas crenças sobre dinheiro? No que você acredita? Quando você tem dinheiro se preocupa em guardar, economizar ou sai logo gastando tudo? Como você se expressa quando fala sobre alguém que tem mais dinheiro do que você?  

Frases do tipo: “lave as mãos porque estava mexendo no dinheiro, é sujo.”, “Fulano está ganhando bem, só pode estar fazendo alguma coisa ilícita.”, “Pensa que dinheiro dá em árvore? Precisa suar pra ganhar.”, “Não posso te dar isso porque não tenho dinheiro.” vão se firmando no inconsciente da criança. 

Uma família que briga o tempo todo porque falta dinheiro para pagar as contas demonstra para a criança que dinheiro é um problema. Talvez, quando essa criança se tornar adulta, sua relação com o dinheiro seja de gastar tudo o que ganha porque dinheiro na sua infância era sinônimo de brigas. 

Como lidar com o dinheiro depois que a família cresce?

Quando a família cresce, a melhor estratégia é saber que valores serão importantes para aquele núcleo. O que você acredita ser importante para a sua vida e da sua família? Quando os valores estão claros, fica mais fácil decidir onde o dinheiro será investido. 

Eu quis esperar ter uma carreira estável e um salário bom para então engravidar. Para ter esse salário eu precisava me dedicar integralmente ao meu trabalho. Com a maternidade, meus valores mudaram. Muitas coisas que antes eram importantes deixaram de ser. Presença passou a importar muito mais do que brinquedos fantásticos. Quando entendi isso, tomei a decisão de mudar de profissão e para isso foi preciso ajustar os custos de vida da minha família. 

A partir da definição dos valores, você passa a definir onde o dinheiro será aplicado. Por exemplo, se educação é importante para você e sua família, planeje quanto está disposto a investir na escola para a criança. Viajar é importante? Quanto você irá guardar por mês para realizar uma viagem desejada? 

O mais importante é ter claro a forma como você se relaciona com o dinheiro. Pois é essa relação que você irá passar para seu filho e ele levará para a vida adulta. A melhor pergunta é a se fazer é: quais as minhas crenças sobre dinheiro? Escreva em um papel tudo o que você acredita e está relacionado à sua forma de lidar com o dinheiro. Logo depois pense: são essas crenças que eu quero transmitir para meus filhos? Então se prepare para organizar no fluxo financeiro da família os novos itens que serão incluídos com a chegada do filho. 

Leia também: 

Profile photo of Gabriela Braun

Mãe do Rafael, coach especialista em conexão entre pais e filhos, educadora parental e apaixonada por escrever e pelos desafios e mudanças que a maternidade nos traz.