Vamos falar sobre isolamento social na adolescência?

por | abr 15, 2020 | 1 Comentário

Me lembro da minha adolescência e do tanto que gostava de sair, ficar junto com meus amigos e até ir à escola. Lá, gostava de descobrir, experienciar e ver meus amigos mais do que estudar. Normal, claro. É justamente nesta fase da vida que estamos abertos a tudo quanto é experiência nova. Mas a adolescência de hoje está vivenciando o isolamento. Eu nem consigo imaginar como está sendo para esses brotinhos e seus pais viverem esse período. Sem os “rolês” e os amigos, o isolamento social na adolescência pode ser um desafio e tanto, não apenas para eles, mas para toda a família. Para entender, pela perspectiva deles, como está sendo passar por este momento, conversei com a Beatriz, a adolescente mais próxima a mim.

Como os adolescentes estão enfrentando esse período?

A PlayKids faz parte de um programa chamado Jovem Aprendiz. É um projeto do governo federal para incentivar os contratantes a desenvolverem nas suas respectivas empresas programas de aprendizagem para jovens e adolescentes. Nós, da Equipe de Curadoria da Leiturinha, temos a sorte de dividir um pouquinho do nosso trabalho com a Beatriz Vittória. No alto de seus 17 anos, ela está cursando o Ensino Médio em nível técnico. Além de integrar nosso trabalho, a Bia é um dos nossos “termômetros” da juventude. Ela dividiu comigo como está sendo essa experiência da quarentena. 

Nas palavras de Beatriz:

“Sentir tédio é inevitável nesses tempos de quarentena. Eu, uma adolescente que nunca gostou muito de sair de casa, estou me sentindo entediada. Como nunca havia sentido antes. O tempo não passa, os dias duram uma eternidade e acabam sendo muito repetitivos. As redes sociais ao mesmo tempo em que são uma aliada pra passar o tempo, são também uma grande inimiga. Em qualquer lugar que navego na internet, me deparo com milhares de notícias sobre a situação atual do mundo. Aí vem a ansiedade. Imagino que a maioria das pessoas também estão passando por isso. Afinal, não é nada fácil lidar com tanta mudança assim, se sentir preso, sentir medo, não poder ter contato com outras pessoas e até deixar de fazer as atividades do dia a dia.”

Os desdobramentos do isolamento na adolescência

Como já mencionei acima, a convivência social é determinante na adolescência. Por mais que alguns jovens fujam ao convívio social com adultos, eles certamente integram um grupo ou respondem a alguma tendência grupal. Isso porque é justamente este sentimento de identificação e pertencimento que é tão importante na juventude. Nesta fase tão incerta, cheia de dúvidas e incertezas, com um misto de vontade de fazer unida à ausência de maturidade para a tomada de decisão, nos lembra um pouco da primeira infância dos nossos pequenos. Quando eles tinham uma tendência à imitação. É justamente essa tendência que faz com que eles aprendam a viver em sociedade, a compartilhar seus gostos e fazer escolhas.

A tecnologia é um aliada! Mas também é preciso cuidado…

Hoje, com o auxílio da tecnologia, dividir ficou bem mais fácil. Os jovens em grande maioria dominam quase que plenamente essas novas ferramentas. Mas agora, mais do que nunca, é preciso cuidado com esses recursos. Nesta fase, o monitoramento, a mediação e a gestão de tempo de uso de telas fica ainda mais difícil. Por isso, é preciso apostar no diálogo. 

Converse com eles!

É necessário conversar sobre as fontes de informação e sobre o uso seguro das redes sociais. Mais do que tudo, este é momento de fortalecer a confiança e aprendermos que compartilhar sempre é a melhor solução. Por isso, nós pais temos que aprender a nos comportarmos como cúmplices dos nossos adolescentes. Isso não quer dizer negligenciar comportamentos inadequados. Muito menos compactuar com o que não achamos ser o melhor para eles. Na verdade é preciso demonstrar que, mesmo que uma opinião, uma escolha ou uma atitude deles tenha sido certa ou duvidosa, eles podem se sentir seguros para compartilhá-la conosco. Que isso não vai ser motivo de escândalo, brigas ou repressões. 

Nós precisamos deixar claro que sempre estaremos junto com eles para garantir o bem-estar. Apoiá-los em suas decisões e orientá-los, respeitando seus limites, gostos e preferências. Acredito que assim poderemos conduzir este momento tão difícil para algo positivo nas nossas relações de confiança e cuidado com nossa juventude. 

Conta para a gente, como está sendo a quarentena do seu adolescente?

Leia mais:

Escrito por Caroline Lara
Líder da Equipe de Curadoria da Leiturinha, é formada em Psicologia e mãe do Caetano. Leitora compulsiva, é apaixonada em provocar emoção, despertar a fantasia, entreter e alegrar pequenos através da literatura. Acredita que quanto menor nosso tamanho, maior a criatividade!
Relacionados
Como saber se seu filho tem medo além do normal?

Como saber se seu filho tem medo além do normal?

O medo faz parte da natureza humana e é importante para o desenvolvimento emocional, especialmente das crianças. Afinal, é o medo que nos ajuda a avaliar os perigos e possíveis ameaças a nossa saúde, por exemplo. No entanto, é preciso cuidado com o excesso de medo,...

1 Comentário

  1. Avatar

    Bom dia
    A quarentena está muito difícil pra meu filho de 15 anos ele quer ficar no computador quase 15 horas direto antes ele ia pra escola eu conseguia controlar um pouco, agora sai só pra comer e fz suas necessidades. Estou sem saber como lidar com isso

    Responder
Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *