Meninas felizes, mulheres seguras: 10 coisas que você pode fazer por sua filha

por | out 9, 2020 | 20 Comentários

Um mundo melhor para nossos filhos e pessoas melhores para o mundo

Aqui entre nós, ter um filho é uma responsabilidade e tanto! Ser inteiramente responsável por um pequeno ser humano, criando-o e educando-o, faz com que muitas pessoas reflitam sobre si mesmas e sobre seus próprios valores. Isso porque nós, adultos, temos um papel fundamental na criação de pequenos mais confiantes, empáticos, solidários, tolerantes, amorosos, justos e felizes! E, verdade seja dita, o mundo tem precisado cada vez mais disso, não é? E que tal começar a criar meninas cada vez mais confiantes?

Criar meninas mais confiantes e felizes

Reforçar a autoestima das crianças e valorizar, acima de tudo, o amor e o respeito, colabora para que elas se tornem adultos melhores e, isso é imprescindível na criação tanto de meninos, quanto de meninas. No entanto, levando em consideração o mundo em que vivemos, com as imposições e pressões que existem sobre as mulheres, é interessante pensar como os pais podem colaborar para criar meninas que cresçam mais fortes, seguras, independentes e realizadas!

A preocupação com o corpo, a relação com a vaidade e com a carreira profissional, a divisão das tarefas domésticas e os estereótipos que cercam a feminilidade, são questões que precisam ser trabalhadas, desde cedo, com as pequenas, com muita conversa, respeito e exemplo. Para Sarah Helena, psicóloga, curadora na Leiturinha e mãe da pequena Cecília de 1 ano:

“Quando nasce uma criança (ou melhor, antes mesmo disso), a família, seja ela quem e como for, precisa repensar e ter em mente quais valores, princípios e comportamentos que gostariam que fossem passados adiante e quais aqueles que não. Para criar meninas independentes e seguras, estes têm que ser valores estimados na família, principalmente entre as mulheres, já que elas são um exemplo para as pequenas. Além disso, há que se romper com muitos estereótipos que reproduzimos na sociedade, como padrão de beleza ou a divisão das tarefas domésticas, por exemplo, e seguir construindo as próprias referências do que é bom e ruim. Isso requer paciência, coragem e ousadia. Ser nós mesmas, de forma autêntica, é uma das lutas mais árduas a se enfrentar na vida.”.

10 coisas que você pode fazer por sua filha

Pensando nisso, elencamos algumas atitudes simples que podem contribuir para que sua pequena tenha uma relação melhor com ela mesma e com os outros, tornando-se uma mulher mais segura e feliz!

1. Evite criticar o próprio corpo na frente da sua pequena

Muito gordo, muito magro, alto demais ou muito baixinho… A insatisfação com o corpo é algo comum entre homens e mulheres. Isso porque há um padrão de beleza que, vez ou outra, todos tentamos nos enquadrar. No entanto, se você se sente assim em relação ao seu corpo, é importante se atentar para não demonstrar essa insatisfação na frente da sua pequena. Se alimentar bem e praticar exercício físico é algo maravilhoso para a saúde e bem-estar de todos nós, mas evite dizer a sua pequena que ela deve fazer isso para ficar magra ou bonita. Cedo ou tarde ela já vai se deparar com esse padrão imposto às mulheres, mas com a sua ajuda ela pode entender que é bonita como é e que a aparência não é o que ela tem de mais importante!

2. Elogie suas qualidades, para além da aparência

É muito comum elogiar as meninas e, mais tarde, as mulheres, dizendo o quanto são bonitas. Isso não é errado, mas elas são tão mais do que isso! São inteligentes, curiosas, carinhosas, engraçadas, dedicadas, corajosas… Que tal se atentar para variar um pouco nos elogios, mostrando para sua pequena que a aparência dela é apenas um detalhe entre as infinitas qualidades que a tornam uma pessoa incrível!

3. Incentive a independência e a autonomia

É importante que, desde cedo, você incentive e mostre para sua pequena que ela pode fazer suas coisas e se realizar sozinha. Não que ela não precise de outras pessoas, mas entender que ela é autônoma, independente e forte o suficiente para alcançar sua própria felicidade e sucesso, será muito importante para que ela cresça mais confiante e segura!

4. Respeite suas escolhas

Se ela prefere o judô ao balé, a bicicleta ao patinete, as bonecas aos carrinhos, os super-heróis às princesas, o basquete ao futebol, a matemática ao português… Ou qual seja seus gostos e preferências, é fundamental que ela possa contar com você para apoiá-la e incentivá-la a dar o seu melhor em qualquer que seja sua escolha! Optar por isso ou aquilo não a tornará melhor ou pior, nem mais ou menos feminina.

5. Mãe, seja uma pessoa completa

A maternidade é algo maravilhoso, mas ao se tornar mãe, a mulher não se limita a esse papel. Ela continua tendo seus gostos, suas escolhas, seus hobbies, suas vontades e seus sonhos. É importante que você, mãe, mostre para sua filha que você é uma pessoa completa, com todos os erros, acertos e ambições que isso possa significar. Isso fará com que ela cresça sabendo que ser mãe não elimina sua personalidade ou seus desejos enquanto pessoa.  

6. Evite super expor sua pequena a mídias que reforcem os padrões de beleza

Situações que reforçam padrões de beleza estão presentes nos mais variados contextos e parece quase impossível esquivar-se deles. Quando isso acontecer, converse com sua filha para que ela reflita sobre os padrões apresentados e a realidade de mulheres com quem ela convive ou vê na rua. Também cuide para que sua pequena esteja cercada de boas referências e representatividade, assim, ela não vai sofrer tentando se enquadrar em algo que ela não é, mantendo uma relação melhor e mais saudável com o próprio corpo.

7. Priorize o conforto quando for escolher suas roupas

Na ala de roupas infantis femininas é comum vermos mini roupas de adultos, com muito brilho e muito cor-de-rosa, mas nem sempre tanto conforto. É importante que sua pequena sinta-se bem no que está vestindo, para poder correr e brincar livremente, como qualquer criança. Tome cuidado para não priorizar a roupa “mais bonita” que, talvez não permita que sua filha se movimente de maneira confortável e livre.

8. Ensine-a a dizer não

Conhecer e respeitar seus limites é fundamental para uma vida mais equilibrada e feliz. Muitas mulheres se sobrecarregam na missão de cuidar de tudo e de todos sozinhas, aceitando mais do que seu corpo e sua mente suportam, ou ainda se submetendo a situações que não condizem com seus valores e vontades por medo de dizer não. Ensine sua pequena sobre responsabilidade e compromisso, mas deixe claro que ela não é obrigada a fazer o que não quer, que ela pode verbalizar suas vontades e limites e que eles precisam ser respeitados.

9. Divida as tarefas de casa de maneira justa

As crianças podem e devem ajudar nas tarefas domésticas, pois isso colabora para que desenvolvam o senso de independência, responsabilidade e respeito. Isso serve para os meninos e para as meninas. Portanto, é importante que os pais dividam as tarefas igualmente, levando em consideração a idade, claro, mas não o sexo dos filhos. Todos podem colaborar para que o lar fique mais organizado e agradável, afinal, todos vivem nele!

10. Deixe-a perceber o quanto é especial

Enfim, o importante é que sua pequena entenda, desde cedo, o seu valor e o quanto ela é uma pessoa especial, com todas as suas qualidades e defeitos. A autoestima é algo construído dia a dia e você pode colaborar – e muito – assim criar meninas para que elas cresçam e se tornem mulheres mais confiantes, seguras e realizadas. Isso, com certeza, irá contribuir para que ela se relacione melhor consigo mesma, tendo uma postura mais sensível, empática e gentil com as pessoas que a cercam.

Leia também:

Categorias:
0 - 3 | 10+ | 4 - 6 | 7 - 10 | Família | Idade | Parentalidade
Escrito por Ana Clara Oliveira
Jornalista e editora do Blog da Leiturinha, é fascinada por tudo que envolve o mundo da leitura, da educação e da infância. Acredita que as palavras aproximam pessoas, libertam a imaginação e modificam realidades. Gosta de escrever, viajar e aprender sempre.
Relacionados
Como ensinar sobre eleições para crianças?

Como ensinar sobre eleições para crianças?

“Criança não tem que se meter em assunto de adulto.” Você já ouviu essa frase? Ou talvez já tenha falado ela? Meu pai sempre esteve no mundo da política. A casa costumava estar sempre cheia de adultos falando sobre política. E quando algum pequeno queria intervir no...

Você conhece a depressão pós-parto masculina?

Você conhece a depressão pós-parto masculina?

Quando falamos em depressão pós-parto, é natural associarmos a mulher que acabou de ter o bebê. No entanto, existem muitos casos de depressão pós-parto masculina, que é pouco falada, estudada, diagnosticada e tratada.  O que é a depressão pós-parto masculina? Essa...

5 receitas de tinta comestível para fazer em casa

5 receitas de tinta comestível para fazer em casa

Toda criança adora uma boa folia, seja brincando, cantando, dançando… E na cozinha então? A folia é mais gostosa ainda. Que tal unir a brincadeira com seu pequeno com a cozinha, ou seja, o útil e o agradável? As tintas comestíveis são extremamente populares entre as...

Como ensinar sobre eleições para crianças?

Como ensinar sobre eleições para crianças?

“Criança não tem que se meter em assunto de adulto.” Você já ouviu essa frase? Ou talvez já tenha falado ela? Meu pai sempre esteve no mundo da política. A casa costumava estar sempre cheia de adultos falando sobre política. E quando algum pequeno queria intervir no...

Você conhece a depressão pós-parto masculina?

Você conhece a depressão pós-parto masculina?

Quando falamos em depressão pós-parto, é natural associarmos a mulher que acabou de ter o bebê. No entanto, existem muitos casos de depressão pós-parto masculina, que é pouco falada, estudada, diagnosticada e tratada.  O que é a depressão pós-parto masculina? Essa...

5 receitas de tinta comestível para fazer em casa

5 receitas de tinta comestível para fazer em casa

Toda criança adora uma boa folia, seja brincando, cantando, dançando… E na cozinha então? A folia é mais gostosa ainda. Que tal unir a brincadeira com seu pequeno com a cozinha, ou seja, o útil e o agradável? As tintas comestíveis são extremamente populares entre as...

A importância de escutar as crianças

A importância de escutar as crianças

Que as crianças se manifestam o tempo todo, nós já sabemos. Porém, este tema se amplia e os olhares se voltam para a maneira e situações em que os adultos se dedicam a ouvir tais manifestações. E acredite, escutar as crianças vai muito além de emprestar os ouvidos....

20 Comentários

  1. Avatar

    Amei a matéria.
    Perfeita!

    Responder
  2. Avatar

    Muito boa a matéria, gostei demais.

    Responder
  3. Avatar

    Muito boa!

    Responder
  4. Avatar

    Amei a materia!!

    Responder
  5. Avatar

    Muito boa mesmo a matéria, assim como todas as matérias aqui do blog, acredito que todos os pais que utilizam as leituras, devem ter uma relevante mudança no jeito de educarem seus filhos.
    Parabéns!!!

    Responder
  6. Avatar

    Matéria extraordinária!!!
    Muito interessante os assuntos.. gostei de mais!! 😉

    Responder
  7. Avatar

    Matéria excelente, importantíssima para nós e filhos, não temos escolas para nos auxiliarem na educação dos pequenos(o que é uma missão dificílima), mas temos o “leiturinha” para nos ajudar. Obrigada

    Responder
  8. Avatar

    Bastante útil e esclarecedora, abordando pontos delicados da responsabilidade de educar sem rotular. Tarefa difícil pra todas nós

    Responder
  9. Avatar

    Sou mãe e assinante, concordo que todas as crianças têm sua etapa, porém, não vejo o batom e esmalte pulando etapas. E sim completando às. Não se deve uma criança ser escravas de Maquiavel ao entes de um brinquedo. Minha filha e alérgica tomos os cuidados para não ter que correr para o hospital por deixa entre” ” ela usar a maquiagem que possa levá lá a uma crise.
    Porém, com 7 anos ama jogar xadrez devo coibi lá e mudar para bonecas? Claro que não. Eu tempero. Um pouco de cada brincadeira e o dia certo.
    Não temos fórmula, temos que ter o bom senso e respeito.
    Uma coisa que preciso de ajuda. O pai da minha filha é ausente e se recusa ao convívio. O que devo fazer com os livros que abordam família? Mesmo fazendo terapia é inerente ao meu querer perguntas. S.O.S

    Responder
  10. Avatar

    Muito bom esse texto… adorei!!!

    Responder
  11. Avatar

    Quero nascer de novo!
    Ao ler o texto fiquei pensando se estou cumprindo com tudo e acredito que ainda falta e fiquei pensando como ainda estão enraizados algumas atitudes no nosso cotidiano, mas vou MUDAR, pois minha filha, a Gaia merece é por todas as mulheres!!!!
    Obrigada pelo texto!

    Responder
  12. Avatar

    Excelente matéria, com muito orgulho, sigo diariamente 9 dos passos.
    Infelizmente, como disse no Linkedin, esses textos são sempre feitos direcionados para as mães, vê-se pelo item 5.

    Responder
  13. Avatar

    Ameeei

    Parabéns pelo trabalho

    Responder
  14. Avatar

    Adoreiii meu filho compartilhou com o grupo da família e eu compartilhei com o meu grupo, pois se cada um aplicar esses ensinamentos, com certeza nossas crianças cresceram mais felizes Obrigada.

    Responder
  15. Avatar

    Muito boa a matéria. Pois me orientou como devo comportar diante de situações que antes não sabia como lidar.

    Responder
  16. Avatar

    COM 2 ANINHOS A CRIANÇA JÁ SABE ESCOLHER SE PREFERE O JUDÔ AO BALÉ?
    Minha filha entrou na escolinha aos seus 1 ano e 7 meses, la eles oferecem aulas de judê e balé, mas temos que escolher uma das opções. Eu, acho que como qualquer mãe, optei para o balé. Mas desde o início era um trauma colocar a roupinha e quando dava o horário da aula ela fugia da sala do balé e corria para a sala do judô. Passei o 1º sem. 19, enviando a roupa de balé e a professora me perguntou, pq não deixa ela no judo? E eu não sei dizer o pq, não era por preconceito, acho que sonho de princesa mesmo, sabe?! Ainda insisti até o termino do semestre. Quando voltaram as aulas, agora ela já com 2 anos e 2 meses, mandei na primeira semana o kit de balé e a professora me disse que ela tinha chorado muito. Então deixou ela de uniforme e deixou que ela fosse para a sala do judô. Onde se acalmou! Bom, enfim, passei então a enviar o kimono, e diz a professora que precisava de ver a alegria dela ao ver o professor chegando na sala para buscar os meninos, ela logo correu na frente e ficava mostrando pra ele que estava de kimono. Tipo, querendo dizer… Olha, estou de kimono, pode me levar! rsrss…
    Então desisti e estou feliz por ela estar se divertindo.
    Mas a minha duvida é, a criança nessa idade, já fazem esses tipos de escolha?
    Primeiro eu achava que era birra, mas agora vejo que realmente era o que ela queria!
    Engraçado né!

    Responder
  17. Avatar

    Excelente todas as colocações!
    Gostei muito.

    Responder
  18. Avatar

    Super gostei da matéria. Me ajuda a fazer essa experiência fantástica que é ser mais com os pés no chão.

    Responder
  19. Avatar

    Excelente e, acima de tudo, fundamental texto! Parabéns!

    Responder
  20. Avatar

    Ótima leitura.
    Acho que seria legal o Leiturinha falar também sobre desconstrução na educação dos filhos meninos. Eu como mãe de menino vivo desafios diários na educação dele pois quero que ele se torne um adulto forte, confiante, mas não machista.

    Responder
Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *