10 lições para criar meninos melhores para o mundo

por | nov 29, 2017 | 16 Comentários

Construindo um mundo melhor com nossos filhos

Ser mãe e pai é se perguntar, constantemente, se está criando seus filhos da melhor maneira, se está fazendo tudo certo ou se está se esforçando o suficiente. Isso porque nós, adultos, desejamos preparar bem as crianças para a vida. Nesse sentido, é muito importante que os pais estejam atentos sobre quais valores e referências estão passando para seus filhos, pois nos primeiros anos, os pequenos absorvem tudo a sua volta, tomando suas vivências como referência na sua construção de mundo e ideias sobre a sociedade, as relações e sobre si mesmos.

Logo, uma educação baseada no respeito, na empatia e no fortalecimento dos vínculos é fundamental para que as crianças explorem todo o seu potencial e se tornem pessoas melhores. No entanto, sabemos que há notáveis diferenças entre ser homem e ser mulher na sociedade em que vivemos. Por isso, além da preocupação natural com a criação dos filhos, também é importante refletir sobre as melhores formas de criar meninas que se tornem mulheres mais seguras e independentes e, por outro lado, como criar meninos que se tornem homens mais participativos, responsáveis, sensíveis e respeitosos. Afinal, nós não precisamos apenas de um mundo melhor, mas também de pessoas melhores para o mundo.

Para criar meninos com base no respeito, na responsabilidade e no afeto

Se tornar responsável por um filho é se questionar o tempo todo, desconstruindo, muitas vezes, conceitos e modelos de criação a qual nós mesmos tivemos quando crianças. É importante entender que o tempo passa e que, com ele, surge a necessidade de repensarmos nossos valores para que possamos educar crianças que contribuam para um mundo cada vez melhor. Dentro desse contexto, podemos pensar em como criar meninos que entendam a importância do respeito, da responsabilidade e do afeto, pois, às vezes, sem querer, reproduzimos frases e ideias que reforçam o estereótipo de uma masculinidade que é agressiva e prejudicial, tanto às meninas, quanto aos próprios meninos.

10 coisas que você pode fazer por seu filho

Pensando nisso, elencamos algumas atitudes que farão a diferença para que seu pequeno se torne um homem que expresse seus sentimentos e emoções, participe das atividades da casa e da criação dos filhos e, consequentemente, seja mais feliz!

1. Converse, desde cedo, sobre respeitar os limites do outro

Entender e respeitar o espaço do outro é algo que deve ser aprendido desde cedo. É importante que o pequeno compreenda os limites que existem entre o seu corpo e o seu espaço e o corpo e o espaço do outro. Seja em uma brincadeira ou, mais tarde, em um relacionamento, os meninos precisam saber ouvir e respeitar o “não”. Portanto, converse sempre com ele sobre responsabilidade na relação, cuidado com o outro e o respeito acima de tudo.

2. Ensine sobre a importância de se cuidar

Comumente, os homens cuidam menos da saúde do que as mulheres. Talvez pela ideia de que são mais fortes e resistentes, eles sintam menos necessidade de cuidar do próprio corpo e ir ao médico, por exemplo. Portanto, ensine seu pequeno, desde cedo, sobre a importância do autocuidado, de se alimentar bem, praticar atividades físicas e cuidar da própria saúde. Ouvir e cuidar do corpo é fundamental para uma vida mais equilibrada e feliz!

3. Permita que seu pequeno se expresse

Brincadeiras e aprendizado não precisam ser divididos entre coisas de meninos e coisas de meninas. As crianças são puras e livres de julgamentos e preconceitos e é fundamental que nós, adultos, não as limitemos. Permita que seu pequeno tenha a oportunidade de explorar o mundo e descobrir suas potencialidades tanto na profissão, quanto nas diferentes maneiras que ele pode contribuir para a sociedade. Acima de tudo, respeite-o e incentive-o a dar sempre o seu melhor, seja qual for a sua escolha. Isso vai possibilitar que ele chegue mais próximo dele mesmo, explorando todo o seu potencial.

4. Divida as atividades domésticas igualmente

Participar e colaborar com as tarefas domésticas, não só é algo positivo para o desenvolvimento da responsabilidade e autonomia dos pequenos, como também é obrigação de todos que vivem na casa. Por esse motivo, é muito importante que as atividades do dia a dia sejam divididas entre todos da família, considerando a idade das crianças, mas nunca o sexo. Meninos e meninas utilizam e sujam a casa na mesma medida e, portanto, ambos devem colaborar para um lar mais organizado e confortável para todos.

5. Explique que ele não precisa ser bom em tudo

Errar, não saber ou fracassar são coisas normais na vida e que, hora ou outra, vão acontecer. Entender que isso é uma oportunidade de aprendizado e que nem sempre ele vai ser o melhor em tudo, é fundamental para que ele não se cobre tanto para atingir um ideal que, às vezes, não corresponde à sua realidade. Então, evite educá-lo para ser competitivo o tempo todo, mostrando a importância de dar o seu melhor, mas ensinando que sempre é possível ajudar, ser ajudado, aprender e ensinar!

6. Não relacione violência com amor

Ao dizer que quando um menino belisca ou puxa o cabelo de uma menina é porque está apaixonado por ela, naturaliza-se que amor pressupõe violência. Portanto, é importante conversar sobre o cuidado, o respeito, a honestidade e o afeto entre as pessoas, mostrando que o amor deve ser algo positivo e demonstrado de maneira carinhosa e respeitosa.

7. Cerque-o de boas referências

É importante cuidar para que seu filho tenha referências boas, saudáveis e respeitosas de família e masculinidade por perto. Irmão, primos mais velhos, tios, professores, amigos e, principalmente, o pai, são papéis em que o pequeno vai se espelhar. Nesse sentido, a participação efetiva do pai é muito importante para que a criança tenha uma referência positiva para a vida adulta.

8. Ensine que meninos não precisam ser agressivos

Em muitos momentos, a masculinidade pode estar relacionada com a agressividade e o territorialismo e é muito importante desconstruir essa ideia. Ser homem não precisa estar relacionado com controle, força e poder. Pelo contrário, ensine ao seu filho que não é preciso bater, ameaçar ou gritar para conseguir as coisas ou ser escutado.

9. Incentive seu filho a demonstrar suas emoções e sentimentos

Quando sentimos medo, dor, constrangimento ou saudades, é normal (e necessário) colocar esse sentimento para fora. Chorar não faz de nenhum de nós menos corajosos e fortes, e é muito importante que o seu pequeno entenda, desde cedo, que ele pode demonstrar suas emoções, sem que isso o torne “menos homem”. Dizer coisas como “homem não chora”, pode contribuir para que o pequeno reprima e esconda seus sentimentos e isso pode impactar em sua vida e suas relações.

10. Converse, converse e converse!

Enfim, converse, escute, discuta e reflita a todo momento junto com seu pequeno. Juntos, vocês podem dialogar e compartilhar ideias e opiniões sobre as melhores formas de agir, sempre com respeito e empatia. Afinal, um mundo melhor começa por nós e criar pequenos que se tornarão homens gentis, responsáveis, seguros, participativos e felizes é muito importante para o mundo que queremos para nossos filhos! <3

E você? É mãe ou pai de menino? Conte para a gente como é a relação entre vocês e como você busca educá-lo para que se torne uma pessoa melhor!

Leia mais:

Categorias:
0 - 3 | 10+ | 4 - 6 | 7 - 10 | Educação | Família | Idade
Escrito por Ana Clara Oliveira
Jornalista e editora do Blog da Leiturinha, é fascinada por tudo que envolve o mundo da leitura, da educação e da infância. Acredita que as palavras aproximam pessoas, libertam a imaginação e modificam realidades. Gosta de escrever, viajar e aprender sempre.
Relacionados
Meu bebê não dorme: o que fazer?

Meu bebê não dorme: o que fazer?

Meu bebê não dorme: como vencer a privação de sono e aprender a dormir junto com o bebê? Se fizeram noites infinitas desde que o meu bebê nasceu. Hoje, prestes a completar um ano de vida, nós já experimentamos fórmulas e incansáveis rituais do sono. Hora em hora,...

Distúrbios da fala em crianças: quais são?

Distúrbios da fala em crianças: quais são?

Em primeiro lugar o processo de aprendizado da linguagem não é nada simples e envolve diversos fatores. Para falar, o pequeno precisa escutar bem, ter um entendimento daquilo que ouve, fazer um raciocínio lógico, escolher palavras. Enfim, são muitos fatores...

Marina e Makolelê: livro infantil sobre gentileza e empatia

Marina e Makolelê: livro infantil sobre gentileza e empatia

“Rabo de peixe, cara de gente!” Makolelê é um gorila que todos os dias vai até Marina, uma sereia, para zombar dela. Um dia, Marina resolve falar como se sente quando ouve essas provocações. Essa é uma história sobre empatia, amizade e respeito construído entre seres...

Meu bebê não dorme: o que fazer?

Meu bebê não dorme: o que fazer?

Meu bebê não dorme: como vencer a privação de sono e aprender a dormir junto com o bebê? Se fizeram noites infinitas desde que o meu bebê nasceu. Hoje, prestes a completar um ano de vida, nós já experimentamos fórmulas e incansáveis rituais do sono. Hora em hora,...

Distúrbios da fala em crianças: quais são?

Distúrbios da fala em crianças: quais são?

Em primeiro lugar o processo de aprendizado da linguagem não é nada simples e envolve diversos fatores. Para falar, o pequeno precisa escutar bem, ter um entendimento daquilo que ouve, fazer um raciocínio lógico, escolher palavras. Enfim, são muitos fatores...

Marina e Makolelê: livro infantil sobre gentileza e empatia

Marina e Makolelê: livro infantil sobre gentileza e empatia

“Rabo de peixe, cara de gente!” Makolelê é um gorila que todos os dias vai até Marina, uma sereia, para zombar dela. Um dia, Marina resolve falar como se sente quando ouve essas provocações. Essa é uma história sobre empatia, amizade e respeito construído entre seres...

Mas, pode? A importância da leitura na primeira infância

Mas, pode? A importância da leitura na primeira infância

Todas as crianças têm o direito de entrar em contato com os mais variados gêneros literários e tipos de livros. É a partir deste encontro que elas poderão desenvolver o gosto genuíno pelos livros. Além de aproveitar integralmente os benefícios que os livros tem as...

16 Comentários

  1. Avatar

    Meu nome é Ana Luiza tenho 21 anos mãe solteira,não estou tendo pasciencia com meu filho de 4 anos q está em fas terrível ,preciso de ajuda…

    Responder
  2. Avatar

    Admirada, impressionada, simplesmente amei, inspirador. Parabéns.

    Responder
  3. Avatar

    Muito bom. Tenho um filho de 3 meses e tenho mtas dúvidas de como cria-lo bem. Essas dicas me ajudaram mto, esclarecendo-me.
    Um homem melhor é o melhor q uma mãe pode fazer pelo nosso mundo e por seu amor fraterno.

    Responder
  4. Avatar

    Sou mãe de 2 meninos, um de 6 anos e um de 1 ano e 6 meses, e qdo engravidei do primeiro sempre tinha em mente de acrescentar na vida dele coisas boas para que se tornasse um homem de bem ao longo de sua vida, cobro muito dele que seja bom com as pessoas, que seja educado, respeite o próximo, que não pode bater, só que infelizmente não são todos pais que pensam assim, na escola tenho problemas, pois alguns colegas aproveitam disso para sacanear, e ele é muito chorão, daí onde ele sofre e eu sofro, um dia em um aniversário ele estava brincando com um garoto e do nada o garoto deu um tapa no rosto dele, ele ficou pasmado, e olhou p mim, até eu não acreditei no que vi, daí chamei a atenção do garoto, e tirei ele de perto, mas por dentro minha vontade era mandar ele socar a mão na orelha do garoto kkkk, agora eu falo pra ele não é pra bater, mas tbem não é p ficar apanhando, se te bater sai de perto chama um adulto, se fizer de novo vc bate tbem, poxa não é saco de pancadas, tem mães que não olham os filhos e se vc chamar atenção vem igual uma galinha choca, mas não vê o que o filho faz, eu cobro dele mesmo, respeitar as pessoas, sou até chata demais com ele, tem horas que acho que exagero, mas como dizem antes pecar por excesso do que por falta!

    Responder
  5. Avatar

    Adorei o artigo!!! Fez com que eu refletir a respeito da criança de minha filha, principalmente nas questões relacionado a organização.
    Vai me ajudar!!!
    Vou compartilhar com minha esposa.

    Responder
  6. Avatar

    Meu nome e Elda tenho 32 anos e mãe de um menino de 3 anos e fico preocupada porque ele ainda não estar na escola e não foi pra creche,ele quase não convive com crianças da idade dele só aos fim de semana na casa da avo,mas sempre falo pra ele não bater,empurrar e outras coisas ,ele é muito gentil.mas fico com medo das outras crianças fazer isso com ele quando eu não estiver por perto,por exemplo quando for pra escola pela primeira vez.

    Responder
  7. Avatar

    Amei! Perfeito, vem de encontro ao que penso sobre educar meu filho!
    Vou compartilhar!!

    Responder
  8. Avatar

    Meu nome e valeria e sou mãe de
    Dois meninos, um de 18 e um de 2. Interessante colocar que quando ainda gravida do mais novo, desabafei com i mais velho:” será que estou prepArada ? Será que vou saber criar seu irmão? Começar tudo de novo ? ” então
    Pedro, o de 16 anos então, disse: “relaxa mãe, claro que vai saber. Olha que pessoa espetacular você criou, eu …” Achei o máximo. De fato criar meninos e diferente, mas delicioso. Maravilhoso o
    Post e as dicas …
    Bjs a todos

    Responder
  9. Avatar

    Ótimo post! Sou mãe de Felipe, 5 anos e meio. Desde sempre, nunca existiram frases do tipo “isso é de menino” ou “isso é de menina”. Eu sempre me esforcei para cria-lo como PESSOA, não como MACHO… Ensino que ele não deve bater nos colegas – seja menino ou menina. Que ele deve ter responsabilidade e cuidado com os menores – sejam eles meninos ou meninas. E quando ele ficava (fica até hoje) curioso em mexer na cozinha com panelinhas da prima dele, eu deixo sem problema algum – afinal, espero que ele tome gosto por cozinhar tanto quanto eu! O pai é um ótimo exemplo e coloco ambos envolvidos nas tarefas domésticas. Todos os pais têm obrigação de criar pessoas melhores, empáticas e menos egoístas para o mundo!

    Responder
  10. Avatar

    Sou mãe de duas crianças, um de 5 anos e uma bebê de 6 meses, trabalho oito horas por dia e as vezes bem mais quando faço plantão a noite, eles ficam o dia todo com o pai,desde que minha filha nasceu ,o menino ficou agressivo, fala gritando para chamar atenção, e é muito desobediente, não entende ou não respeita as regras e para ele não parece que “não” está fora do seu vocabulário.Quando está em casa somente a internet ou tv o acalma. Como devo proceder para impor os limites nesta criança?

    Responder
  11. Avatar

    Excelente reflexão.
    Devemos não apenas deixar um mundo melhor para nossos filhos, mas sim, filhos melhores para o mundo!

    Responder
  12. Avatar

    Adorei a matéria! Um mundo melhor só é possível se as pessoas forem melhores! não se cria um mundo novo e melhorado sem criar pessoas melhores primeiro! a começar por nossos filhos que são o futuro. Ser mãe e pai é o trabalho mais importante do mundo, pq é construir uma base sólida para as mudanças que são necessárias para todo o resto!
    Eu tenho um menino de 1ano e 3 meses…já envolvo ele em tudo em casa, na cozinha, brinca de panelinha, a gente brinca de cuidar dos bichinhos, guardar os brinquedos, me ajuda a espanar a casa, e todos os dias, ele que dá a comida da cachorrinha! Para ele, tudo é diversão! e me aproveito disso para criar esta consciência de cooperação dentro de casa.
    Mas sabemos que todas as questões que envolvem o respeitar o próximo, ser gentil, amável, um bom cidadão no geral, não é só uma questão de conceituar e de falar falar falar, é mais um questão de dar o exemplo! pq a criança aprende mesmo é com o exemplo dos que o cercam. Por isso para educar uma criança a gente precisa se reeducar o tempo todo! mudar nosso hábitos e nosso comportamento diante dos fatos e relações do dia a dia…e não é fácil não! rssrsrs mas a gente se esforça! Enfim!
    Mto boa matéria!

    Responder
  13. Avatar

    Sou madrasta de um menino de 5 anos que foi criado pela avó até os 4 anos e 10 meses, simplesmente a criança não respeita ninguém, nem mesmo o pai, além de tudo muito agressivo. Eu não sei mais o que fazer.

    Responder
Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *