Dicas para manter a rotina alimentar das crianças

por | abr 7, 2020 | 0 Comentários

Estamos vivendo um contexto difícil e sem precedentes. A nova pandemia afeta diversos aspectos de nossas vidas. Com isso, a nossa rotina, de nossos amigos e familiares estão de ponta cabeça. Estamos sofrendo impactos econômicos e também com o distanciamento de quem há poucas semanas estavam ao nosso lado. Muitas famílias atualmente vivem com a realidade da suspensão da agenda escolar. Com os pequenos em casa, manter a rotina alimentar das crianças passa a ter um peso maior e representar uma preocupação.

Ao fazermos um cálculo simples, veremos que, em um mês de reclusão na quarentena, mães e pais serão responsáveis por nada menos do que 150 refeições. Isso, considerando que as crianças devem se alimentar cerca de 5 vezes ao dia. Desesperador, mas calma, nem tanto. Agora que o tempo, de certa forma, nos oferece uma pausa, podemos considerar melhor, fora da correria do dia a dia comum, a alimentação afetiva e saudável como modo de vida. 

Quais cuidados devemos ter com a rotina alimentar das crianças?

Alguns órgãos oficiais têm feito publicações acerca dos cuidados com a alimentação dos pequenos, orientando formas de seleção, armazenamento e preparo de alimentos. Além disso, devemos pensar em maneiras de incluir as crianças na rotina da cozinha durante a pandemia. As principais refeições do dia (desjejum ou café da manhã, almoço e jantar) podem ser planejadas com antecedência, visando otimizar as compras e o tempo. Afinal de contas, planejar um cardápio semanal não demanda muita disponibilidade. Isso também facilita a inclusão das crianças nas atividades de preparo e limpeza do ambiente. 

Inclua as crianças na cozinha!

Solicite a uma criança que já tenha sido alfabetizada que liste os alimentos que já estão na geladeira e na despensa. Assim, posteriormente vocês podem pensar juntos em receitas que utilizem tais ingredientes. Isso estimula a criatividade e otimiza a compra de novos produtos, evitando o desperdício. Já que as saídas para centros de abastecimento como supermercados e feiras estão racionadas, aproveitar o que já se tem em casa é o primeiro passo para organizar os gastos. 

Crianças geralmente costumam se interessar pelo preparo de alimentos. Pode ser um caos? Pode! Mas vale a pena ver como a criatividade e a curiosidade afloram nesses momentos. Os menores ajudam a separar ingredientes e executar as tarefas mais simples. Enquanto os maiores acessam conhecimentos matemáticos ao entrar em contato com medidas caseiras, contagens, contabilização do tempo de preparo e consumo das refeições. 

Como podemos manter uma alimentação saudável na situação atual?

Ao se pensar em alimentação saudável, a ideia básica costuma ser o preparo de refeições com alimentos tão frescos quanto possível. Porém as recomendações para que nos mantenhamos em casa são contundentes. O que fazer, então? Minimizar as saídas, organizar compras coletivas com vizinhos, fazer compras online, preferir horários de menor pico de pessoas para ir ao supermercado são algumas opções. Evitar levar as crianças aos centros de abastecimento otimizam tempo e dinheiro. 

Algumas alternativas de baixo custo são muito bem-vindas, inclusive com o aproveitamento integral de vegetais como cascas, folhas e talos. Limitar a compra de alimentos industrializados ultraprocessados é essencial. A ansiedade gerada pela pandemia e pela reclusão pode resultar no aumento do consumo de alimentos concentrados em açúcar, sódio e conservantes pelas crianças. Caso tais itens estejam disponíveis e sejam de fácil acesso. Troque, por exemplo, os refrigerantes pelos sucos naturais com pouco ou nenhum açúcar. 

Plante em casa…

Quem mora em casa e tem espaço, pode fazer uma horta caseira com a ajuda dos pequenos. Quem mora em apartamento tem a opção de plantar ervas e temperos em vasinhos. Ou então, pequenos canteiros facilmente encontrados em casas de jardinagem (que atualmente estão trabalhando com delivery).

Com essas dicas, vai ser fácil manter a rotina alimentar das crianças. Agora, confira essas dicas de como higienizar os alimentos em casa.

Escrito por Eliza Sampaio
Doula de parto e pós-parto, nutricionista clínica especialista em Cuidados Paliativos. Transita entre o chegar e o partir desse mundo, de modo a fazer com que a humanização seja o alicerce dos processos de nascer e morrer. *Eliza é nossa autora convidada e seus textos não refletem, necessariamente, a opinião do Blog Leiturinha.
Relacionados
Meu bebê não dorme: o que fazer?

Meu bebê não dorme: o que fazer?

Meu bebê não dorme: como vencer a privação de sono e aprender a dormir junto com o bebê? Se fizeram noites infinitas desde que o meu bebê nasceu. Hoje, prestes a completar um ano de vida, nós já experimentamos fórmulas e incansáveis rituais do sono. Hora em hora,...

Distúrbios da fala em crianças: quais são?

Distúrbios da fala em crianças: quais são?

Em primeiro lugar o processo de aprendizado da linguagem não é nada simples e envolve diversos fatores. Para falar, o pequeno precisa escutar bem, ter um entendimento daquilo que ouve, fazer um raciocínio lógico, escolher palavras. Enfim, são muitos fatores...

Meu bebê não dorme: o que fazer?

Meu bebê não dorme: o que fazer?

Meu bebê não dorme: como vencer a privação de sono e aprender a dormir junto com o bebê? Se fizeram noites infinitas desde que o meu bebê nasceu. Hoje, prestes a completar um ano de vida, nós já experimentamos fórmulas e incansáveis rituais do sono. Hora em hora,...

Distúrbios da fala em crianças: quais são?

Distúrbios da fala em crianças: quais são?

Em primeiro lugar o processo de aprendizado da linguagem não é nada simples e envolve diversos fatores. Para falar, o pequeno precisa escutar bem, ter um entendimento daquilo que ouve, fazer um raciocínio lógico, escolher palavras. Enfim, são muitos fatores...

Marina e Makolelê: livro infantil sobre gentileza e empatia

Marina e Makolelê: livro infantil sobre gentileza e empatia

“Rabo de peixe, cara de gente!” Makolelê é um gorila que todos os dias vai até Marina, uma sereia, para zombar dela. Um dia, Marina resolve falar como se sente quando ouve essas provocações. Essa é uma história sobre empatia, amizade e respeito construído entre seres...

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *