Prêmio Reclame Aqui

8 dicas para se tornar um contador de histórias para seu filho

por | fev 14, 2020 | 1 Comentário

Já se perguntou como ser um contador histórias para seu pequeno? Sente que falta algo para despertar aquele momento e o desejo de sentar para contar histórias para seu filho? A dúvida é quase geral entre os pais e, na busca da melhor técnica, muitas oportunidades de se passar um tempo de qualidade os pequenos podem se perder. Afinal, independente de qualquer técnica ou habilidade, o melhor contador de histórias do seu pequeno sempre será você.

Contar histórias é, antes de tudo, um ato de carinho

Quando sentam para ouvir uma história contada pelos pais, os pequenos pouco se importam com a entonação de voz ou se o adulto usou isso ou aquilo para contar a história. O que mais importa para eles é que aquela pessoa tão importante e amada dedicou um tempo para ficar só com ela. Separar uma hora do dia e ler um livro ou contar uma história “da boca” para uma criança é, acima de tudo, um ato de amor e como tal, deve ser vivida com prazer

Como ser um contador de histórias para o seu pequeno?

Diante de tudo isso, se for do interesse do mediador (da pessoa que vai contar a história), trazer mais criatividade a este momento, preparamos aqui 8 dicas para se tornar oficialmente o contador de histórias mais amado da família! Vamos lá?

1. Como se conta uma boa fofoca!

Conte histórias como se conta uma boa e bela fofoca! Isso mesmo. Sabe aquele momento em que uma novidade atrai a atenção de todos e deixa todo mundo curioso? Então! Contar histórias pode ter o mesmo gostinho se contada com empolgação genuína. Para isso, aí vai a dica seguinte…

2. Escolha histórias que você goste.

Leia o livro primeiro, internalize aquela história. Se pergunte o que mais gostou e o que não gostou. Atenção: gostar não significa que a história traz apenas  felicidade ou alegria. Livros que despertam nossos sentimentos mais profundos, como raiva, tristeza, melancolia e até medo, são aqueles que mais valem a pena, pois deixam marcas e sempre podem dizer um pouco sobre nós mesmos.

3. Memorize a narrativa, se quiser contar a história sem o livro. 

Não se preocupe em repetir as mesmas palavras, mas em ser fiel ao fio condutor da narrativa. Nos livros infantis, as principais chaves das histórias (aquelas passagens que fazem toda a diferença para se compreender a história toda) estão em detalhes. 

4. Use o livro! 

Assim, você pode simplesmente mediar a leitura para seu pequeno, sem se preocupar em memorizá-la. Lembre-se de mostrar ao seu pequeno a editora e os nomes dos autores. Essas são informações importantes para mostrar aos pequenos as diferenças entre os gêneros literários, estilos de ilustração e linhas editoriais. 

5. Utilize objetos de apoio.

Para tornar o momento mais dinâmico, você pode utilizar objetos que sirvam de apoio ao momento da contação de histórias. Por exemplo, uma colher de pau pode se tornar um curumim e uma tigela, uma oca. Lembre-se da regra de ouro aqui: menos é mais. Os materiais de apoio não precisam ser (e é melhor que não sejam) muito parecidos com os personagens da história. Assim a imaginação dos pequenos é muito estimulada – cada um imagina seu próprio curumim e ainda curte a brincadeira de faz de conta que você fez.

6. Entonação de voz.

Para transmitir sentimentos e para trazer vitalidade à história, use seu corpo e sua voz de acordo com o que a história pede. Se o personagem vive um momento de suspense, viva o suspense em seu corpo e em sua voz, transmitindo tudo isso para a criança. Se o personagem ou a situação apresentar onomatopeias, por exemplo, tente reproduzir o barulho! Tudo bem se ficar engraçado, o importante é tentar. Ah, e você pode fazer isso de forma bem divertida através da próxima dica:

7. Peça ajuda para seu pequeno! 

Nos momentos em que quiser usar um objeto de apoio para contar a história, seu pequeno pode segurá-lo para você. A criança pode segurar a colher de pau, que é o curumim e fazer os movimentos que darão vida ao personagem, por exemplo. Ou ainda, quando houver um barulho na história, como uma batida ou o som da natureza, você pode pedir ao seu pequeno que te ajude a reproduzir o som. Assim, o momento de contar histórias pode ser também de troca entre vocês, além de uma ótima brincadeira!

8. Assista vídeos de contação de histórias.

Para se inspirar, procure por vídeos de contadores de história profissionais. Existem muitos deles com canais no Youtube, por exemplo. Perceba como todos eles usam esses recursos, cada um à sua maneira, e se inspire. Ah, mas não vale se intimidar, hein! Lembre-se sempre que para o seu pequeno o que mais importa é sua presença carinhosa no momento de ler ou contar uma história!

Gostou das dicas? Conte para a gente: Como é o momento de contação de histórias na sua casa? 

Leia mais:

Escrito por Sarah Helena
Mãe da Cecília, formada em Psicologia, especialista em Filosofia e Mestranda em Educação Profissional e Tecnológica. Sempre trabalhou com famílias, especialmente com os pequenos. Por esse amor ao universo afetivo infantil, hoje, na Leiturinha, ela integra o time de Curadoria e colabora fortalecendo o vínculo das famílias leitoras através da experiência da literatura.
Livros selecionados por faixa etária, todo mês na sua casa. Saiba Mais.
Relacionados
Banhinho é Bom: o Castelo Rá-Tim-Bum como você nunca viu

Banhinho é Bom: o Castelo Rá-Tim-Bum como você nunca viu

Já parou para pensar que tomar banho é uma das atividades que mais repetimos ao longo da vida? Imagina só quantos minutos você já passou debaixo de um chuveiro. Essa atividade é tão relevante para o ser humano e para a vida em sociedade que não é de surpreender que o...

Maternidade Real: A visão de mulheres reais sobre ser mãe

Maternidade Real: A visão de mulheres reais sobre ser mãe

“Viver a maternidade real é me doar a todo momento. É pensar e estar com ele no meu pensamento 24 horas por dia. É me preocupar, é sentir esse medo, acho que até mesmo um medo de perder. É querer aproveitar cada momento como se fosse único e pedir que o tempo pare."...

Banhinho é Bom: o Castelo Rá-Tim-Bum como você nunca viu

Banhinho é Bom: o Castelo Rá-Tim-Bum como você nunca viu

Já parou para pensar que tomar banho é uma das atividades que mais repetimos ao longo da vida? Imagina só quantos minutos você já passou debaixo de um chuveiro. Essa atividade é tão relevante para o ser humano e para a vida em sociedade que não é de surpreender que o...

Maternidade Real: A visão de mulheres reais sobre ser mãe

Maternidade Real: A visão de mulheres reais sobre ser mãe

“Viver a maternidade real é me doar a todo momento. É pensar e estar com ele no meu pensamento 24 horas por dia. É me preocupar, é sentir esse medo, acho que até mesmo um medo de perder. É querer aproveitar cada momento como se fosse único e pedir que o tempo pare."...

Qual é a importância da leitura na educação infantil?

Qual é a importância da leitura na educação infantil?

De modo geral, os livros têm a capacidade de formar cidadãos ativos na organização de uma sociedade mais consciente e crítica. Mas qual é a importância da leitura na educação infantil, especificamente? Neste texto, você irá descobrir por que desenvolver o hábito da...

1 Comentário

  1. Agricolo de Farias Miranda

    O momento de contar histórias para o Tomás é muito divertido. Ele deita ao meu lado, com sua cabeça encostada à minha, e aí viajamos em nossas imaginações. Ele gosta de ser o personagem principal da história e, quando travo na narrativa ele continua. É muito legal!

    Responder
Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *