Prêmio Reclame Aqui

Como lidar com o sentimento de rejeição dos pequenos?

por | ago 14, 2018 | 4 Comentários

O sentimento de rejeição é uma das coisas que mais afeta nossa segurança e autoestima, especialmente quando ocorre na infância, já que é nessa fase que a gente deveria aprender a gostar de nós mesmos e a nos valorizar.

A partir do afeto que a criança recebe dos pais, dos adultos importantes à sua volta e dos colegas na escola ela vai se sentindo amada e acolhida. Quando ela não sente que recebe todo o amor que julga necessário, a criança pode achar que não o merece, e, assim, passa a não se achar boa o suficiente, ou digna de ser amada. Isso pode gerar um sentimento de auto-rejeição, impedindo que a criança amadureça emocionalmente de forma adequada, o que certamente trará prejuízos afetivos à sua vida adulta.

As consequências do sentimento de rejeição na infância

A criança que se sente rejeitada pode deixar de ser espontânea e passar a buscar sempre a aprovação dos outros. Ela começa a agir sempre da maneira como imagina ser esperado dela.

Em outros casos, a criança pode reproduzir o que sente em outras situações, e, assim, acaba impedindo que os outros se aproximem dela, evitando ou rejeitando qualquer tentativa de aproximação.

Como lidar?

Para ajudá-la é importante paciência e diálogo, para que ela sinta que tem espaço para ser ela mesma. Entender o que a criança sente e quais são as suas dificuldades e preocupações é fundamental.

Os adultos podem (e devem!) manifestar sempre seu amor, com atenção e atitudes carinhosas que valorizem a criança, suas habilidades e conquistas, a fim de que ela ganhe segurança, autoconfiança e autoestima. Dessa forma, ela poderá se desenvolver e se tornar um adulto mais confiante e que goste de si mesmo.

Além disso, devemos estimular sempre a empatia, para que os pequenos aprendam desde cedo a se colocarem na posição do outro. Dessa forma, elas podem desenvolver a capacidade de enxergar uma mesma situação sob diferentes pontos de vista, o que poderá favorecer seus relacionamentos com os outros e com elas mesmas.

Você também pode gostar:

Escrito por Flávia Carnielli
Mãe da Maria Clara, mestre em psicologia clínica, especialista em psicologia perinatal e formada em psicoterapia infantil. * Flávia é nossa autora convidada e seus textos não refletem, necessariamente, a opinião do Blog Leiturinha.
Livros selecionados por faixa etária, todo mês na sua casa. Saiba Mais.
Relacionados
Banhinho é Bom: o Castelo Rá-Tim-Bum como você nunca viu

Banhinho é Bom: o Castelo Rá-Tim-Bum como você nunca viu

Já parou para pensar que tomar banho é uma das atividades que mais repetimos ao longo da vida? Imagina só quantos minutos você já passou debaixo de um chuveiro. Essa atividade é tão relevante para o ser humano e para a vida em sociedade que não é de surpreender que o...

Maternidade Real: A visão de mulheres reais sobre ser mãe

Maternidade Real: A visão de mulheres reais sobre ser mãe

“Viver a maternidade real é me doar a todo momento. É pensar e estar com ele no meu pensamento 24 horas por dia. É me preocupar, é sentir esse medo, acho que até mesmo um medo de perder. É querer aproveitar cada momento como se fosse único e pedir que o tempo pare."...

Banhinho é Bom: o Castelo Rá-Tim-Bum como você nunca viu

Banhinho é Bom: o Castelo Rá-Tim-Bum como você nunca viu

Já parou para pensar que tomar banho é uma das atividades que mais repetimos ao longo da vida? Imagina só quantos minutos você já passou debaixo de um chuveiro. Essa atividade é tão relevante para o ser humano e para a vida em sociedade que não é de surpreender que o...

Maternidade Real: A visão de mulheres reais sobre ser mãe

Maternidade Real: A visão de mulheres reais sobre ser mãe

“Viver a maternidade real é me doar a todo momento. É pensar e estar com ele no meu pensamento 24 horas por dia. É me preocupar, é sentir esse medo, acho que até mesmo um medo de perder. É querer aproveitar cada momento como se fosse único e pedir que o tempo pare."...

Qual é a importância da leitura na educação infantil?

Qual é a importância da leitura na educação infantil?

De modo geral, os livros têm a capacidade de formar cidadãos ativos na organização de uma sociedade mais consciente e crítica. Mas qual é a importância da leitura na educação infantil, especificamente? Neste texto, você irá descobrir por que desenvolver o hábito da...

4 Comentários

  1. Ana Maria dos Santos

    Ótima essas dicas.

    Responder
  2. Elaine Cristina Novaes de Oliveira

    Boa noite tenho uma única filha ela está com 11 anos estuda em um colégio particular des dos 3 anos mas agora que ela passou para o sexto ano e tem muitos trabalho em grupo ela está se sentindo rejeitada pelos colegas pq nunca escolhem ela para os grupos de trabalho hj ela teve uma crise de choro dizendo que se senti rejeitada na escola as notas dela caíram muito . não sei oque fazer já conversei no colégio mas nada foi feito

    Responder
  3. Elusa

    Boa noite,sou Elisa tenho um sobrinho de 8 anos,ele se sente rejeitado pela mãe.
    Ele mora com minha mãe avó dele por parte de pai,com o avô o pai e minha irmã.
    Ele tem muito amor e carinho atenção de todos,mais mesmo assim ele se sente culpado por a mãe dele não ir vê ele, não atende as ligações dele,etc.
    Ela sempre é e foi bem vinda na casa da minha mãe.
    Mais mesmo assim ela não vem visitar o filho,isso está afetando muito ele.
    Queria pedir uma orientação aqui

    Responder
  4. Geiza

    Meu filho com 6 anos se sentia rejeitado na escola. Vivia adulando as crianças pra brincar e elas não querem brincar com ele. Dizem na escola que é cultural. Que elas tem fases que gostam de brincar sozinhas e os meninos brincam de lutinha e ele não gostava de briga. Agora anda batendo quando chama pra brincar e dizem não. Pedi pra não brincar mais com criança que rejeita. Pois na verdade elas devem estar sofrendo rejeição em casa e descontando nele. E se ele bater ele vai ficar como errado.

    Responder
Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *