Toddler: delícias e dilemas de ter um pequeno entre 1 e 3 anos em casa

por | abr 3, 2019 | 12 Comentários

Você já ouviu falar no termo “toddler”? Esta palavra tem origem no verbo “to toddle”, que significa caminhar de maneira meio desengonçada e sem precisão, e é utilizada para se referir à fase da infância em que as crianças têm entre um e três anos de idade. Ou seja, os pequenos não são mais bebês de colo mas, ainda não são tão independentes, também.

Descubra as principais características dessa fase

Nessa faixa etária, os pequenos começam a descobrir e a explorar o mundo com as próprias pernas e, por esse motivo, uma das principais características é a curiosidade. Tudo é novo e interessante. Tudo pode ser explorado, desde uma estante de livros ou um cesto de roupas, até os utensílios da cozinha. Por conta disso, essa fase exige dos pais muita energia e paciência. É essencial que estejam sempre por perto, acompanhando e supervisionando seus pequenos, pois qualquer descuido pode ocasionar desastrosas consequências. Afinal, os toddlers são “ligados no 220” e ainda não têm muita noção do perigo e, ai, se forem contrariados!

Outro traço bem característico nessa idade é ser muito explosivo. O pequeno começa a entender que o mundo não gira ao seu redor e, como ainda não sabe lidar muito bem com suas emoções, acaba reagindo de forma exagerada quando se sente contrariado ou frustrado. Quem nunca ouviu falar sobre os terríveis dois anos? Pois é, essa fase é marcada por aquelas brigas e birras, aparentemente, sem motivo. Novamente, os pais precisam ter paciência e controle da situação. Por mais cansados que estejam, é necessário que tenham calma nos momentos de explosão dos pequenos. Claro, não é preciso deixar a autoridade de lado. Pelo contrário, estabelecer limites é fundamental para o desenvolvimento e a formação de caráter da criança. Mas é muito importante entender que todo mundo passa por essa fase, inclusive, você mesmo já passou, embora não se recorde.

Nessa idade, as crianças começam a compreender as regras do convívio social e isso pode causar decepções e frustrações, mas com o tempo e com ajuda, elas começarão a entender como as coisas funcionam. Se colocar no lugar dos filhos é uma boa opção para resolver os possíveis conflitos. Entender que essas atitudes fazem parte do processo de amadurecimento e buscar a melhor maneira de resolver uma briga é importantíssimo para que os pequenos se desenvolvam de forma sadia. Por mais que, na maioria das vezes, seja difícil manter a calma, lembre-se que gritar de volta não irá resolver o problema.

A verdade é que ter um toddler em casa não é nada fácil. É complicado e muito cansativo, mas é uma fase deliciosa em que os pequenos são interessados e aprendem com muita facilidade. Portanto, tenha calma e aproveite todas as delícias dessa idade, pois como tudo na vida, essa fase vai passar e, claro, vai deixar saudades!

E você? Está passando por isso? Tem um toddler em casa? Compartilhe aqui com a gente suas experiências nessa fase tão complicada e gostosa!

Leia também: 

Categorias:
0 - 3 | Bebê | Desenvolvimento | Idade
Escrito por Ana Clara Oliveira
Jornalista e editora do Blog da Leiturinha, é fascinada por tudo que envolve o mundo da leitura, da educação e da infância. Acredita que as palavras aproximam pessoas, libertam a imaginação e modificam realidades. Gosta de escrever, viajar e aprender sempre.
Relacionados
Como ensinar sobre eleições para crianças?

Como ensinar sobre eleições para crianças?

“Criança não tem que se meter em assunto de adulto.” Você já ouviu essa frase? Ou talvez já tenha falado ela? Meu pai sempre esteve no mundo da política. A casa costumava estar sempre cheia de adultos falando sobre política. E quando algum pequeno queria intervir no...

Você conhece a depressão pós-parto masculina?

Você conhece a depressão pós-parto masculina?

Quando falamos em depressão pós-parto, é natural associarmos a mulher que acabou de ter o bebê. No entanto, existem muitos casos de depressão pós-parto masculina, que é pouco falada, estudada, diagnosticada e tratada.  O que é a depressão pós-parto masculina? Essa...

5 receitas de tinta comestível para fazer em casa

5 receitas de tinta comestível para fazer em casa

Toda criança adora uma boa folia, seja brincando, cantando, dançando… E na cozinha então? A folia é mais gostosa ainda. Que tal unir a brincadeira com seu pequeno com a cozinha, ou seja, o útil e o agradável? As tintas comestíveis são extremamente populares entre as...

Como ensinar sobre eleições para crianças?

Como ensinar sobre eleições para crianças?

“Criança não tem que se meter em assunto de adulto.” Você já ouviu essa frase? Ou talvez já tenha falado ela? Meu pai sempre esteve no mundo da política. A casa costumava estar sempre cheia de adultos falando sobre política. E quando algum pequeno queria intervir no...

Você conhece a depressão pós-parto masculina?

Você conhece a depressão pós-parto masculina?

Quando falamos em depressão pós-parto, é natural associarmos a mulher que acabou de ter o bebê. No entanto, existem muitos casos de depressão pós-parto masculina, que é pouco falada, estudada, diagnosticada e tratada.  O que é a depressão pós-parto masculina? Essa...

5 receitas de tinta comestível para fazer em casa

5 receitas de tinta comestível para fazer em casa

Toda criança adora uma boa folia, seja brincando, cantando, dançando… E na cozinha então? A folia é mais gostosa ainda. Que tal unir a brincadeira com seu pequeno com a cozinha, ou seja, o útil e o agradável? As tintas comestíveis são extremamente populares entre as...

A importância de escutar as crianças

A importância de escutar as crianças

Que as crianças se manifestam o tempo todo, nós já sabemos. Porém, este tema se amplia e os olhares se voltam para a maneira e situações em que os adultos se dedicam a ouvir tais manifestações. E acredite, escutar as crianças vai muito além de emprestar os ouvidos....

12 Comentários

  1. Avatar

    Pois é, estamos nesta fase do “toddler”, e não é nada fácil. Sigo recomendações de outros sites, que tbm orientam a não perder a paciência, pois a criança já está sem, e se nós não a tivermos, nada irá se resolver.
    A fórmula parece ótima, mas na prática é mais complicado, mas não é impossível de colocar em ação.
    E no final, podemos mudar o rumo da situação, ao iniciarmos uma brincadeira, dar uma volta, ou qualquer outra ação que tire o foco da “birra” do momento.

    Responder
  2. Avatar

    Tenho uma toddler daquelas, de 2,5 anos… Confesso que perco a paciência em alguns momentos. Ela realmente contesta a minha autoridade e testa os limites que imponho, e por mais que eu peça, combine, fale e etc tem hora q ela só entende no grito! Fico super insatisfeita de chegar a isso. O pai dela tem mais calma e vai prolongando a discussão até conseguir o que quer, mas às vezes acho que ele cede demais. Outras acho que eu que deveria ceder mais porque ele está conseguindo resultados melhores que os meus… rsrsrs! Amo minha pequena, mesmo com toda birra e irritação, ela é a luz da minha vida. É um refresco pra alma ler matérias assim, que nos mostram que somos normais como todo mundo, que ninguém é perfeito e que tem vaaaarias pessoas no mesmo barco, todo mundo tentando driblar seus “toddyzinhos” em casa! Rsrsrs!

    Responder
  3. Avatar

    A minha está exatamente nesta fase: o mundo está aí e eu vou descobrir tudo que ele tem a oferecer!!
    São inúmeras escaladas em cadeiras, sofás, móveis, escadas… tudo que é “subível” é com ela!
    Tem horas super estressantes! Mas na maioria das vezes é encantador vê-la explorando todas as novidades ao seu redor!!

    Responder
  4. Avatar

    Pois e tbm estou nessa fase…rsrs mais apesar dos momentos criticos …realmente essa fase e uma delícia e com certeza deixará saudades…

    Responder
  5. Avatar

    Sou mãe da linda Beatriz, 2 anos e oito meses. Estou aprendendo a exercer minha paciência nesta fase. Quando vejo que estou chegando no meu limite, chamo meu marido e peço para ele entrar em ação. Vamos nos revezando para garantir que a situação, em momentos de stress, se mantenha no controle. Outra solução que uso com frequência e ajuda muito é lembrar que em breve esta fase vai passar e a gente vai sentir muita, mas muita saudade, da época que eles eram “piticos”. Também sou mãe da Carol e da Gabi, duas adolescentes maravilhosas, então eu sei bem o que é sentir saudade de um tempo que não volta mais. Vamos curtir e valorizar cada minuto!

    Responder
  6. Avatar

    Como a Lorena disse ai mas em cima que bom que não estamos sozinhas, tenho um e vou falar vou tem horas que perco demais a paciência tenho vontade de sumir rsrs.
    Mas realmente é uma fase deliciosa.

    Responder
  7. Avatar

    Tenho um nessa fase o bom é saber que estou sozinha e vou falar tem horas que perco demais a paciência tenho vontade de sumir rsrs.
    Mas realmente é uma fase deliciosa.

    Responder
  8. Avatar

    Gente!!!!! SOCORRO!!!!! tenho um pequeno ultimo de três com 1 e 4 meses os outros já são casados e tem filhos ,não lembro desses estresses com os meu mais velhos, hoje cheguei a escrever uma carta kkkkk (era pra ser um recado) a professora da creche pedindo ajuda e orientação. Esse a sunto veio bem a calhar hoje em minha vida. Vou buscar entender mais o momento dele ter mais paciência e ser mais carinhosa com o meu toddler!!!! pois ele é muito importante para mim e cria lo mesmo errando…. mais tendo como buscar orientação com outras mamães e papais

    Responder
  9. Avatar

    Tenho uma de 2 anos e 9 meses em casa! Mexe em tudo, acha que é o centro do universo e jamais aceita um não sem protestar! A única coisa a fazer é renovar a paciência a cada 5 minutos! É cansativo mas é muito gratificante!

    Responder
  10. Avatar

    Tenho um em casa de 02 anos, ele é muito curioso e contesta as vezes. Sempre tem as birras, mas tento manter a calma o maximo possivel, sempre me abaixo e converso com ele na altura de seus olhos para que ele perceba as minhas expressões. As vezes so de olhar pra ele, ele ja entende e se acalma. Sempre converso muito com ele e explico tudo o que vai acontecer. Parece que fica mais facil passar pelas situações.

    Responder
  11. Avatar

    Gente em casa temos toddler gêmeas, olha q tem q ter muita paciência, elas estão com 03 anos, sair sozinha com as duas nem pensar rs, apesar de todo o trabalho é muito gratificante.

    Responder
  12. Avatar

    Aiai… rsrs.
    O meu está com 1 e 5 meses, são “todos(as)” iguais mesmo. Ti passando uma com meu filhote, não aceita um NÃO sem protestar de jeito nenhum, e ja faz as birribirrinhas dele.
    Mas tudo passa é a coisinha mais preciosa que temos né.
    Faz parte.

    Responder
Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *