Aniversário da Leiturinha, os melhores descontos pra incentivar a leitura infantil. Vem pro Clube! Assine agora

Precisamos falar sobre bullying

por | abr 7, 2022 | 0 Comentários

O dia 7 de abril é também o Dia do Combate ao Bullying e à Violência na Escola. É, portanto, uma data muito importante para pais, mães, demais responsáveis e educadores, já que o bullying é um problema bastante sério e que precisa da atenção de toda a comunidade escolar. 🚨 Pensando nisso, vamos conversar sobre como evitar a violência na escola e proteger os nossos pequenos e pequenas? Acompanhe o texto e descubra!

Leia mais:
👉 Como trabalhar a empatia com crianças?
👉 Como ensinar seu filho a lidar com as emoções?
👉 Comportamentos agressivos na infância

O que é o bullying?

A palavra bullying costuma vir carregada de medos e ressalvas, não é mesmo? Porém, para enfrentar a violência escolar, é preciso que os adultos saibam exatamente o que ela significa. Somente assim, será possível evitar que os nossos pequenos e pequenas passem por essa situação ou até mesmo pratiquem o bullying contra outras crianças. Por isso, precisamos falar sobre bullying!

O termo bullying vem da palavra inglesa bully, que significa “brigão” ou “valentão”. Portanto, o bullying seria o ato de “agir como um valentão”. Ou seja, os agressores aqui são responsáveis por humilhar, intimidar, ameaçar, discriminar ou maltratar suas vítimas. 🗯️ Muitas vezes, de maneira sistemática, repetitiva e, principalmente, no ambiente da escola.

Infelizmente, nos últimos anos, esse tipo de violência tem ficado cada vez mais em evidência. Além disso, o bullying ganhou uma nova e preocupante faceta: o chamado bullying virtual (ou cyberbullying), que ocorre quando os ataques acontecem nos espaços online, como nas redes sociais.

De acordo com a Lei Nº13.185, o bullying é uma violência física ou psicológica, que pode ser classificada conforme as ações praticadas, como:

  • Verbal: insultar, xingar e apelidar pejorativamente;
  • Moral: difamar, caluniar, disseminar rumores;
  • Sexual: assediar, induzir e/ou abusar;
  • Social: ignorar, isolar e excluir;
  • Psicológica: perseguir, amedrontar, aterrorizar, intimidar, dominar, manipular, chantagear e infernizar;
  • Física: socar, chutar, bater;
  • Material: furtar, roubar, destruir pertences de outrem;
  • Virtual: depreciar, enviar mensagens intrusivas da intimidade, enviar ou adulterar fotos e dados pessoais que resultem em sofrimento ou com o intuito de criar meios de constrangimento psicológico e social.

Tudo é bullying agora?

Desde a difusão do termo bullying, a frase acima se tornou cada vez mais comum. Muitos adultos alegam que, o que antes era considerado normal, hoje foi “problematizado” pelas novas gerações. Contudo, isso não é uma verdade.

Antes de mais nada, devemos entender que, de fato, nem tudo é bullying. As argumentações, discussões e até brigas pontuais entre colegas de sala, por exemplo, não podem ser considerados atos de bullying. Isso porque o bullying é uma agressão intencional, que acontece repetidas vezes e que, geralmente, ocorre na presença de espectadores.

Além disso, apesar do termo ter se popularizado nos últimos anos, esse não é um fenômeno recente. Na realidade, o bullying vem sendo observado por pesquisadores desde a década de 70. Talvez somente agora, lendo sobre esse assunto, você perceba que também foi vítima de bullying na sua infância.

Quais são os sintomas do bullying?

Isolamento da família e dos amigos, queda de rendimento escolar, desculpas recorrentes para não ir ao colégio e até doenças psicossomáticas podem ser sinais de que seu pequeno ou pequena está passando por uma situação delicada. Afinal, sobretudo para as crianças mais introvertidas e com baixa autoestima, pode ser difícil comunicar essa situação de violência.

Nesse sentido, é preciso que os adultos redobrem a atenção e fiquem atentos a qualquer mudança de comportamento, como alterações bruscas ou repentinas de humor. Diante dessa situação, procure conversar com a criança e se coloque à disposição caso ela queira conversar.

Na verdade, muitos pequenos e pequenas não conseguem pedir ajuda, pois sentem dificuldades de enfrentar o medo ou a vergonha, por exemplo. Por isso, crie um ambiente de acolhimento e segurança para sua criança, para que ela se sinta confortável em dividir seus medos, angústias e inseguranças com você. 💕

Em seguida, não deixe de conversar com a escola e explicar a situação, já eles devem zelar por um ambiente saudável entre os estudantes e não podem deixar o problema passar. E busque também a ajuda profissional de um(a) psicólogo(a) infantil, que poderá orientar melhor a sua família no enfrentamento do bullying.

Por fim, cabe à família fortalecer a confiança das crianças, estimulando a sua independência, sua segurança e a sua autoconfiança. Dessa maneira, os momentos em família são fundamentais para apoiar os pequenos e pequenas! Então, invista em brincadeiras, assista filmes infantis com as crianças e estabeleça momentos de leitura compartilhada, como antes da hora de dormir.

Conversando sobre bullying com as crianças

Que tal conversar sobre respeito, tolerância e também as diferenças com as crianças? A empatia é uma importante arma contra o bullying e deve ser praticada desde cedo! Pensando nisso, confira algumas sugestões de livros infantis da Loja Leiturinha, para falar sobre bullying, diversidade e inclusão com as crianças de forma leve:

 Bruno e João

Bruno e João

Uma forma de promover a cultura da convivência e empatia, e prevenir a prática do bullying, é falar sobre o tema com os pequenos e pequenas, apresentando a eles modelos de como podem se desvencilhar e resolver situações adversas. Por isso, o livro Bruno e João é uma ótima sugestão de leitura!

Na história, Bruno e João são muito diferentes, mas, dentro deles, existe algo comum que os uniu: a amizade. Esta é uma emocionante história sobre carinho, cuidado e superação!

👉 Clique aqui para comprar o livro “Bruno e João” na Loja Leiturinha!

Os Azuis

Os Azuis

A Mônica não está entendendo nada: de uma hora para outra, todo mundo ficou azul no bairro do Limoeiro. E o pior: seus vizinhos e amigos – inclusive a Magali – resolveram fugir da dentuça e tratá-la mal só porque ela é a única “alaranjada”. A coitada não sabe o que fazer! Se for mais uma armação do Cebolinha ele vai ver só… Mas… e se não for? Será que foi ela que pirou de vez? Ou está no meio de um pesadelo que não quer acabar?

Desta vez, quem ilustra o clássico de Mauricio de Sousa é Elisabeth Teixeira, um grande nome da literatura infantil brasileira. Em Os Azuis, além de descobrir a resposta para esse mistério, o pequeno leitor ou leitora ainda vai conhecer curiosidades sobre a história e seus personagens, em uma seção imperdível de extras!

👉 Clique aqui para saber mais o livro “Os Azuis” na Loja Leiturinha!

Yunis

Yunis

Yunis é um menino com Síndrome de Down. Ele adora cozinhar, faz doces e bolos maravilhosos e os decora com um desenho especial que virou sua marca! Todas as noites, ele deixa alguns de seus deliciosos doces na porta de cada criança do seu vilarejo. Mas elas não sabem quem é o responsável por essas coisas tão gostosas e esse ato tão generoso. Elas só descobrirão depois…

Yunis é uma história que promove a diversidade e a inclusão. E encoraja a gentileza e a aproximação entre as pessoas!

👉 Clique aqui para conhecer o livro “Yunis” na Loja Leiturinha!

Você gostou das dicas da Leiturinha para falar sobre bullying com as crianças? Quer continuar lendo e vivendo as melhores histórias com os pequenos e pequenas? Então, não deixe de conhecer o Clube Leiturinha: o maior clube de livros infantis da América Latina! Acesse o site, escolha o plano ideal para sua família e receba todo mês o livro ideal para sua criança, na sua casa! 📚❤️

Escrito por Ariane Donegati
Jornalista e entusiasta do desenvolvimento infantil, acredita que brincar é sinônimo de aprendizado e felicidade para as crianças.
E-book exclusivo Leiturinha
Relacionados
Pesadelo e terror noturno infantil: o que fazer em cada caso?

Pesadelo e terror noturno infantil: o que fazer em cada caso?

Imagine a seguinte situação: de repente, seu pequeno ou pequena começa a gritar durante a noite, transpirando e se debatendo. O que você faria? 😟 É comum que, diante de um caso de pesadelo ou terror noturno infantil, os adultos fiquem bastante preocupados e até...

Como criar pequenos artistas?

Como criar pequenos artistas?

Ter liberdade, espaço e autonomia para desenvolver a imaginação, a fantasia e, sobretudo, a criatividade é bastante importante para os pequenos e pequenas. E saber como criar pequenos artistas ajuda os adultos a incentivarem essas competências desde a infância! Quer...

A importância do contato com a natureza para as crianças

A importância do contato com a natureza para as crianças

Cuidar das plantas e das flores, respirar ar puro, tomar banho de chuva e brincar na terra são hábitos muito saudáveis! 🌱 Afinal, o contato com a natureza é muito importante para o desenvolvimento dos pequenos e pequenas. Por isso, essas atividades devem ser...

Pesadelo e terror noturno infantil: o que fazer em cada caso?

Pesadelo e terror noturno infantil: o que fazer em cada caso?

Imagine a seguinte situação: de repente, seu pequeno ou pequena começa a gritar durante a noite, transpirando e se debatendo. O que você faria? 😟 É comum que, diante de um caso de pesadelo ou terror noturno infantil, os adultos fiquem bastante preocupados e até...

Como criar pequenos artistas?

Como criar pequenos artistas?

Ter liberdade, espaço e autonomia para desenvolver a imaginação, a fantasia e, sobretudo, a criatividade é bastante importante para os pequenos e pequenas. E saber como criar pequenos artistas ajuda os adultos a incentivarem essas competências desde a infância! Quer...

A importância do contato com a natureza para as crianças

A importância do contato com a natureza para as crianças

Cuidar das plantas e das flores, respirar ar puro, tomar banho de chuva e brincar na terra são hábitos muito saudáveis! 🌱 Afinal, o contato com a natureza é muito importante para o desenvolvimento dos pequenos e pequenas. Por isso, essas atividades devem ser...

Até quando as crianças devem acreditar no Coelhinho da Páscoa?

Até quando as crianças devem acreditar no Coelhinho da Páscoa?

Participar do universo fantasioso dos pequenos e pequenas é mesmo uma delícia! Nesse sentido, a Páscoa pode ser um momento bastante especial para estimular o pensamento inventivo das crianças. Afinal, as idealizações que permeiam as datas comemorativas são importantes...

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Boa leitura!