Não basta a rotina do home office, os cuidados diários com para manter a casa limpa e gostosa, você ainda tem que pensar na rotina alimentar de uma criança sedenta e insaciável? Aqui a situação é a mesma. Mas, com algumas dificuldades que eu não esperava. 

A relação do meu filho com a alimentação

Caetano sempre foi uma criança que comeu muito e bem. Ele é conhecido como o faminto da creche. Todo dia as cuidadoras se gabavam dele, na altura do seu primeiro aninho, por repetir a refeição três vezes. Mas aí chegou a quarentena e como tudo no mundo, a coisa mudou. Claro, por ainda mamar no peito e ter a mãe sempre por perto, ele passou a requisitar a mamada por muitas vezes a mais no dia. Toda hora o bezerrinho queria mamar. Eu no isolamento, tentei me isolar em diferentes cômodos da casa na tentativa de colocar regras nessa bagunça. 

Mesmo com o número de mamadas diminuído, o menino não parecia ter muito interesse na comida tradicional. Foi quando eu percebi que deveria fazer refeições que gerassem interesse e fossem divertidas. Mas como fazer isso em momento como esse? Onde encontrar esse tempo? Parti então para a velha pesquisa no Google para tentar achar soluções práticas para resolver esse impasse. Compartilho com vocês agora aquelas que mais funcionaram na nossa rotina, e espero que ela sejam efetivas aí também.

1. Congele comida

Essa é a primeira regra para uma família em quarentena. A semana vai voar e você ainda terá que parar ao menos duas vezes no dia para preparar refeições complexas? Sem chance. Facilite sua vida cozinhando bastante feijão na segunda. Fazendo aquele refogado de legumes e congelando pequenas porções em quantidades suficientes para uma refeição.  

2. Incremente o prato com coisas simples e atrativas

Eu sei que se você tem um adolescente ou uma criança que gosta de reclamar do cardápio, a sucessão de dias comendo o feijão congelado da segunda-feira vai virar um verdadeiro festival de resmungos. Invista em alimentos versáteis, como a batata, para criar diferentes apresentações. Batata sauté na segunda, batata frita na terça, purê na quarta, é batata ao murro na quinta e maionese na sexta. Seguimos! Claro que isso tudo pensando em fornecer uma alimentação equilibrada com diferentes fontes de proteínas e vitaminas, sem se esquecer do carboidrato para manter aquela energia. 

3. Faça e armazene pães

Sovar uma massa é ótimo para pensar na vida, malhar o antebraço, entreter e matar a turma com uma tacada só. Cozinhar é uma ótima forma de introduzir as crianças no universo adulto. Sendo assim, não hesite em envolver o pequeno nesta tarefa. Mesmo que ele ainda seja bem novinho, há sempre uma forma de incluí-los. Nem que seja para que ele aperte a massa por instantes. A ideia não é virar um chef dono do pão perfeito, mas sim divertir e distribuir esses pãezinhos nas refeições ao longo da semana. Afinal, não existe nada mais prático do que assar um pãozinho congelado.

4. Não encane e pare de se cobrar tanto assim

Não quer comer, paciência. Pode ter certeza que essa é só mais uma constatação de que seu filho é um criança como qualquer outra. Que criança que nunca recusou um prato de comida? Deixe frutas disponíveis e se mesmo assim a turma estiver problematizando a fome, relaxe e invista no ensinamento da autonomia. Acredite, seu filhote é capaz de saber que com fome é preciso comer. Então, não se permita ficar socando comida no pequeno e deixe ele entender suas necessidades e seu corpinho de forma natural. Um indicativo de que seu filho está tendo as necessidades supridas é o desenvolvimento tanto físico, quanto cognitivo dele. Por isso, se estiver tudo nos trinques, relaxe. 

Como está sendo a rotina alimentar da sua família durante a quarentena? Conta para a gente!

Leia mais: 

Profile photo of Caroline Lara

Faz parte da Equipe de Curadoria da Leiturinha, é formada em Psicologia e mãe do Caetano. Leitora compulsiva, é apaixonada em provocar emoção, despertar a fantasia, entreter e alegrar pequenos através da literatura. Acredita que quanto menor nosso tamanho, maior a criatividade!