Se você foi chamado para um reunião na escola porque o seu filho está tendo um baixo rendimento escolar, preste atenção e, antes de pensar em castigá-lo, busque entender o que pode estar acontecendo.

É verdade que muitas crianças não suportam nem ouvir a palavra “estudar”, mas nem toda criança tira notas ruins por falta de interesse. Diferentes razões podem levar uma criança a ter notas ruins e o fracasso escolar pode acarretar uma série de problemas na vida do seu filho.

Sua autoestima pode ser abalada. Ele pode se sentir “menos capaz” que os coleguinhas e até sofrer chacota por conta disso, afetando assim, o seu convívio social. Se não tratado na fase escolar, ele também pode ter a vida acadêmica e profissional prejudicadas. Por isso, é essencial prevenir, detectar e solucionar os problemas ligados ao insucesso escolar.

O que causa o baixo desempenho escolar?

Há muitas razões para as crianças terem o desempenho na escola prejudicado, como:

– Doenças físicas: distúrbios relacionados ao sono, dificuldades para enxergar ou escutar corretamente, carência de nutrientes devido uma má alimentação.

– Transtornos emocionais: depressão, ansiedade, falta de motivação, perfeccionismo e baixa autoestima.

– Dificuldades/transtornos de aprendizagem: distúrbios do processamento auditivo central, distúrbio de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), entre outros.

Quais são os sinais de mau desempenho escolar?

– Constantemente, se recusa ir à escola.

– Enfrenta muitos problemas para finalizar ou resolver as atividades e trabalhos escolares.

– Está tirando notas baixas em uma ou mais matérias.

– Evita falar sobre a escola.

– Se recusa a mostrar o boletim com as notas.

– Não consegue acompanhar as aulas.

Como posso ajudar meu filho na escola?

Preparamos 7 dicas para ajudar na vida escolar do seu filho:

1. Certifique-se de que seu filho está dormindo com qualidade e tempo suficiente para descansar, pois o sono é fundamental para a concentração.

2. Cuide da alimentação do pequeno oferecendo uma variedade de alimentos saudáveis, como frutas, legumes, peixe, carnes magras e produtos com baixo teor de gordura.

3. Limite a quantidade de horas que seu filho passa em frente da televisão, do computador, smartphone ou  videogame.

4. Incentive seu filho a praticar atividades físicas. O exercício pode ajudar seu filho a pensar com clareza e melhora a qualidade do sono.

5. Incentive a criança a ter bons hábitos de aprendizado. Para isso, estimule a leitura e estabeleça horários fixos para estudos. Sempre que possível, participe junto com ele, por exemplo, leia, ajude com as lições que ele tiver dificuldade.

6. Converse diariamente com ele sobre a escola e não deixe de participar das reuniões escolares.

7. Caso a criança apresente dificuldades em uma matéria específica, experimente contratar um professor particular para um reforço escolar individual.

Muitos pais gastam muito tempo tentando encontrar soluções para os problemas escolares de seus filhos, mas esquecem de verificar o que efetivamente está provocando o problema. Converse com o seu filho. Pergunte se ele sente dificuldades para enxergar o quadro, ouvir a aula ou se, mesmo tentado, sente muita dificuldade para  prestar atenção e/ou entender a explicação do professor.

Aproveite também, para conversar com os professores e demais funcionários da escola. Como eles passam muito tempo com as crianças, podem dar boas pistas sobre o seu filho.

As informações fornecidas neste artigo servem apenas como apoio pedagógico, não substituindo a consulta com um profissional. Se seu filho continuar apresentando dificuldades de aprendizagem, não deixe de realizar uma avaliação multidisciplinar, que pode envolver um  médico oftalmologista, otorrinolaringologista, um educador especial, psicopedagogo e/ou psicólogo infantil para se obter um diagnóstico final.

Leia também:

Profile photo of Daniely Sanchez

Psicóloga Especialista em Desenvolvimento Infantil e Autismo. Atende casos relacionados à Ansiedade Infantil, Agressividade, Medos, Bullying, Comportamentos Disfuncionais, Baixa Autoestima, Depressão Infantil, Atraso de Desenvolvimento, TEA e TDAH.