Por que a má alimentação pode interferir no desenvolvimento de linguagem?

por | out 1, 2018 | 0 Comentários

Quando uma criança possui seletividade ou dificuldade alimentar, ela acaba ficando restrita a poucas opções e variedade de alimentos, restringindo, assim, novas experiências, sabores e texturas. O bebê que fica limitado a ingerir somente purezinho, alimentos moles e líquidos acaba não se desenvolvendo como deveria e fica com uma boquinha hipo funcionante – que é quando a função de respirar, mastigar e falar não está acontecendo de maneira correta, afetando no desenvolvimento e fortalecimento de músculos como os músculos elevadores da mandíbula, dos lábios e bochechas, por exemplo.

O processo de desenvolvimento da boquinha da criança começa logo cedo na amamentação, que exige uma série de movimentos complexos e vai refinando essa musculatura para se preparar para os alimentos. Por sua vez, a mastigação de alimentos sólidos também vai refinando mais e mais, pois, conforme a dificuldade aumenta, a criança tem cada vez mais experiências e percepções dessa boquinha. Ao mastigar, experimentar texturas, sabores e ter sensações diferentes, a boquinha fica cada vez mais preparada para articular os sons da fala também.

Como a má alimentação pode interferir no desenvolvimento de linguagem?

Quando pensamos no desenvolvimento da fala, não relacionamos que usamos as mesmas estruturas do corpo para respirar e nos alimentar. Precisamos entender que nosso corpo é um só e tudo fica muito relacionado.  

Por isso, uma má alimentação faz com que o bebê exercite menos a boquinha, e esse exercício é muito importante para estimular o crescimento do rostinho e da boquinha. Sem esses estímulos que ajudam a fortalecer todos os músculos da boca e refinam os movimentos da linguinha, pode ser que o bebê não consiga produzir as palavrinhas corretamente.

É importante lembrar aos papais e mamães que nessa fase de desenvolvimento do bebê, é preciso prestar muita atenção aos sinais que eles dão, caso surjam dificuldades. Assim, fica mais fácil procurar um profissional especializado a tempo de corrigir rapidamente, evitando prejuízos futuros e auxiliando em um desenvolvimento saudável do seu pequeno, especialmente quando ele começar a frequentar a escola e conviver com novos amiguinhos.

Você também pode gostar de:

Escrito por Flávia Puccini
Fonoaudióloga, mestre em processos e distúrbios da comunicação e especialista em motricidade orofacial. É consultora de amamentação e laserterapeuta. * Flávia é nossa autora convidada e seus textos não refletem, necessariamente, a opinião do Blog Leiturinha.
Relacionados
Alguém Viu Meu Chapéu? Um livro Original Leiturinha

Alguém Viu Meu Chapéu? Um livro Original Leiturinha

Extra, extra! Saiu do forno mais um livro Original Leiturinha para os leitores do clube! E este é um livro tão intrigante. Mas antes de falar sobre ele, espere um instante. Ops! Acho que perdi meu chapéu! Você o viu? Ele se parece com um barco e é feito de papel!  A...

4 dicas para combater o preconceito infantil

4 dicas para combater o preconceito infantil

O preconceito é construído socialmente, a partir das nossas interações com o mundo e com os outros. A cada interação e troca, a criança vai absorvendo e compreendendo o mundo. Assim, ela vai construindo os seus valores e suas percepções. Nisso, muitas coisas boas...

Alguém Viu Meu Chapéu? Um livro Original Leiturinha

Alguém Viu Meu Chapéu? Um livro Original Leiturinha

Extra, extra! Saiu do forno mais um livro Original Leiturinha para os leitores do clube! E este é um livro tão intrigante. Mas antes de falar sobre ele, espere um instante. Ops! Acho que perdi meu chapéu! Você o viu? Ele se parece com um barco e é feito de papel!  A...

4 dicas para combater o preconceito infantil

4 dicas para combater o preconceito infantil

O preconceito é construído socialmente, a partir das nossas interações com o mundo e com os outros. A cada interação e troca, a criança vai absorvendo e compreendendo o mundo. Assim, ela vai construindo os seus valores e suas percepções. Nisso, muitas coisas boas...

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *