Normalmente não paramos para reparar, mas todas as palavrinhas do nosso vocabulário têm uma estrutura sonora, assim como a nossa linguagem e, consequentemente a fala. Como acaba ficando natural deixamos de perceber o quanto falar é complexo. Essa habilidade é chamada de consciência fonológica, e usar estratégias para facilitar o entendimento dos pequenos ajuda muito na alfabetização e comunicação. Mas como fazer isso? 

Estimulando a consciência fonológica dos pequenos 

Para quem não sabe, ensinar e auxiliar no aprendizado da linguagem não é só papel dos pedagogos. Esses estímulos devem começar bem antes do pequeno começar a ir para a escolinha, logo nos primeiros meses de vida. 

No desenvolvimento infantil é muito importante que os pais estejam sempre muito engajados. Muitos pais conversam bastante com seus filhos, mas às vezes vão falando muitas coisas que saem da percepção do bebê. Uma dica interessante é sempre pegar objetos dos quais se está falando e colocá-los perto do rosto para que a criança tenha o apoio visual do significado daquela palavra. Assim ela consegue entender como são articulados os fonemas e vai percebendo os sonzinhos. 

Para cada faixa etária existem algumas estratégias de brincadeiras que ajudam os pequenos a entenderem a composição sonora das palavras e também aprenderem a falar cada um desses sons corretamente. 

Nos dois primeiros meses de vida o bebezinho reage a grandes diferenças de som como, por exemplo, assustar-se com um som muito forte. Aos poucos ele vai entendendo variações no tom de voz das pessoas que conversam com ele. Nessa fase vale contar histórias com diferentes entonações e começar a cantar músicas lúdicas. Depois a criança vai adquirindo os fonemas, geralmente dos mais fáceis aos mais complexos, como o l, lh e rr. Até que, por volta dos 6 anos de idade completa o aprendizado da fala e está pronto para começar a o processo de alfabetização. 

Como estimular?

Jogos e músicas com rimas são uma ótima alternativa. Muita gente não sabe mas a canção do “sapo não lava o pé” que vai sendo cantada com as vogais alternadas e depois a versão completa, tem uma função estratégica para a consciência fonológica. Isso acontece porque a maioria das crianças desenvolve rapidamente uma sensibilidade às rimas. Assim, elas passam a entender as semelhanças e diferenças entre as palavrinhas. 

Como sei se meu pequeno não está criando uma consciência fonológica?

Como em todas as fases do desenvolvimento infantil é preciso estar atento aos sinais. Os sonzinhos da fala não evoluírem, não conseguir pronunciar as palavras corretamente de acordo com o esperado da idade, dificuldade em acompanhar e decorar músicas e rimas, são alguns sinais de que o pequeno pode estar precisando de uma fonoaudiólogo infantil para ajudar nessa evolução. 

Leia também: 

Profile photo of Flávia Puccini

Fonoaudióloga, mestre em processos e distúrbios da comunicação e especialista em motricidade orofacial. É consultora de amamentação e laserterapeuta. Carinhosamente, contribui com seu conhecimento no Blog, à convite da Leiturinha.