Os primeiros anos dos pequenos são marcados por muitas descobertas, aprendizados, novidades e uma série de marcos do desenvolvimento, como os primeiros passos, a introdução alimentar, os primeiros dentinhos e as tão esperadas primeiras palavras! Mas e quando o desenvolvimento da fala não acontece como o esperado? Ou quando a criança tem alguma dificuldade na hora da amamentação e para se alimentar? Bom, aí é a hora de recorrer à ajuda profissional, neste caso o fonoaudiólogo infantil

Quando é o momento certo de procurar um fonoaudiólogo infantil?

Em primeiro lugar, é sempre importante reforçar que não existe uma “receita de bolo” para essa fase da vida da criança. Cada pequeno é único e se desenvolve de uma maneira diferente e especial. Justamente por não existir uma fórmula a ser seguida, esse momento é permeado por muitas alegrias, mas também muitas dúvidas e angústias por parte dos pais que ficam ali, se questionando se tem alguma coisa errada ou se o desenvolvimento do pequeno está acontecendo dentro daquilo que pode ser esperado.

No entanto, se perceber sinais de que algo está errado, quanto antes for a avaliação e intervenção da fono, mais eficiente e, na maioria das vezes, rápido vai ser esse tratamento. Por via das dúvidas, é melhor levar para uma avaliação do que deixar o problema ir se arrastando e afetando outras etapas do desenvolvimento infantil. Tudo é muito relacionado no corpo humano. Uma deficiência na amamentação pode interferir na introdução alimentar e, por sua vez, no desenvolvimento da fala e linguagem. Por isso, se surgir qualquer dúvida pode procurar um fonoaudiólogo infantil.

Mas, afinal, o que faz um fonoaudiólogo infantil?

Confira o que este profissional pode fazer por você e seu pequeno:

Amamentação: 

Esse profissional pode ajudar e/ou evitar problemas e dificuldades na amamentação, avaliando o padrão de sucção e corrigindo para que a amamentação seja de fato eficiente. Atua evitando que o pequeno machuque o peito da mãe, causando fissuras, mastite e muita dor ou então o ressecamento do leite, entre outros problemas enfrentados pelas mamães na fase de amamentação. Bebês prematuros ou que precisaram, por algum motivo, utilizar sonda, a retirada dessa sonda e o retorno para uma dieta via oral também é realizada pela fono. 

Dificuldades ou recusa alimentar: 

Além do fator psicológico, existem disfunções na boquinha do bebê que fazem com que ele tenha muita dificuldade para realizar funções como a mastigação e a deglutição causando uma forte rejeição a diferentes tipos de alimentos e texturas. O papel da fono, nesse caso, é reorganizar a boquinha do bebê para que ele consiga realizar essas funções de maneira eficiente. 

Desenvolvimento da fala e linguagem: 

A linguagem e a fala estão relacionadas mas não são a mesma coisa. Em relação à fala, existe uma tabela de sons que vão sendo adquiridos pelos pequenos de acordo com a idade alcançada. Quanto à linguagem, se trata do que é esperado em relação a comunicação da criança até uma certa fase. Por exemplo, com um ano e meio é esperado que ela já fale algumas palavrinhas, com dois aninhos é normal que o pequeno junte algumas palavras. Com dois anos e meio que fale pequenas frases, e por aí vai…

Audição: 

A fono também pode intervir em problemas de audição ou de interpretação da audição. Um exemplo é a apraxia da fala, quando a criança não consegue organizar o ato motor de falar. 

Leia também:

Profile photo of Flávia Puccini

Fonoaudióloga, mestre em processos e distúrbios da comunicação e especialista em motricidade orofacial. É consultora de amamentação e laserterapeuta. Carinhosamente, contribui com seu conhecimento no Blog, à convite da Leiturinha.