Um colo quentinho e aconchegante

Uma voz terna que fale e também cante

Um poeminha aqui ou acolá

Solto assim, bem devagar

Para deleite de quem acaba de chegar

Atingindo em cheio

Seu pequenino coração

Fazendo da palavra um brinquedo

Que se brinca com a imaginação

Ler para um bebê é ler para si mesmo, ler em voz alta é se ouvir. Recitar poemas é como cantar pela casa e deixar sua melodia entrar em cada canto cômodo – como as notas de um perfume enchem o ar à sua volta.

Se nós, adultos, que já somos tão “educados” pela razão e pela linguagem cotidiana e rotineira das coisas “sérias” da vida, conseguimos apreciar um poema… Imaginem um bebê ou uma criança bem novinha, que ainda está tentando apreender as palavras e seus significados, seus sons, sua intencionalidade!

Bebês ouvem poemas como tomam leite: com o corpo todo. As palavras que dizemos a eles, a forma como dizemos… Tudo importa para os bebês. Então, assim como quando queremos escolher só as partes mais bonitas da cidade para apresentar a um amigo recém chegado, por que não escolher as palavras mais bonitas para dar as boas vindas e receber da melhor forma um pequeno que nasceu há pouco?

Ler poesias para o bebê, cantarolar uma boa cantiga para ele, usando rimas, repetições e figuras de linguagem, como as metáforas, é essencial e benéfico para seu desenvolvimento como um todo. Confira aqui 5 motivos para ler para seu bebê e continuar lendo ao longo de sua vida, até que um dia, quem sabe, ele mesmo leia para você!

Entre outras coisas, ler poesias desenvolve:

1. A linguagem

A linguagem é feita de sons e, ao sermos diariamente expostos a estes sons, nos familiarizamos com eles. Aos poucos, envoltos em um contexto, eles passam a nos fazer sentido. Assim, ler poemas representa um estímulo importante para adquirir a consciência dos fonemas, palavras e, então, da linguagem como um todo, dotada de sentidos.

2. A memória

Com a repetição que as rimas de poesias e cantigas provocam, a memória é exercitada e, mais que isso, um registro afetivo do momento em que houve a leitura e apreciação. É possível que um bebê demonstre familiaridade com uma narrativa que escutava enquanto ainda estava no ambiente intra uterino, por exemplo, mostrando-se mais calmo ao ouvi-la, depois de nascer.

3. Aspectos cognitivos

Ler para os pequenos, desde os primeiros meses de vida, pode contribuir para o pensamento crítico, o gosto e o hábito pela leitura, o raciocínio complexo, a interpretação de texto e para a habilidade de “ler o mundo” à sua volta, entre vários outros aspectos. Ler contribui para nosso desenvolvimento global, pode abrir portas e ser o diferencial ao longo da vida.

4. Fortalece os vínculos afetivos com que lê

Como já falamos (e sempre reafirmamos isso aqui no Blog Leiturinha), ler para uma criança é uma ótima maneira de estabelecer uma relação de afeto e carinho com ela. Pode ser a base de uma relação de confiança (entre vocês e até dela mesma com o mundo à sua volta) que, certamente, marcará a memória afetiva (sua e da criança) ao longo da vida, impactando positivamente nas futuras relações que ela venha a formar.

5. Desenvolve o senso estético

Poemas são jogos de palavras. Na poesia tudo é relevante: narrativa, signos e significados, forma, cadência e ritmo. E todos estes elementos trabalham juntos para criar uma experiência estética para o leitor, um encontro com o belo. Através de uma poesia um sentimento, por exemplo, pode criar corpo, pode ser mais facilmente palpável e, porque não, digerido.

A linguagem figurada é como um manto que recobre e vivifica o sentido banal das palavras” 

                                                                                                                                                  – Antônio Cândido

Leia mais:

Profile photo of Sarah Helena

Mãe da Cecília, formada em Psicologia, especialista em Filosofia e Mestranda em Educação Profissional e Tecnológica. Sempre trabalhou com famílias, especialmente com os pequenos. Por esse amor ao universo afetivo infantil, hoje, na Leiturinha, ela colabora fortalecendo o vínculo das famílias leitoras através da experiência da literatura.