Toda mudança, à princípio, nos traz um certo medo ou insegurança. Mas, ao ultrapassar essa primeira barreira, todo um universo de possibilidades se abre, com um mundo de aprendizados e novos encontros e situações. Quando nos propomos a realizar mudanças em nossas vidas, as coisas se movimentam, se transformam e a vida fica com aquele ar de renovação, de frescor e aventura. Já dizia o ditado popular: Pedra que rola, não cria limo!

Ajudando os pequenos a lidar com o medo de mudança

Como tudo tem dois lados, as mudanças, às vezes, podem nos trazer sentimentos negativos, inseguranças e medos, tristeza e pesar, mesmo que somente no início, mesmo que passageiro. As crianças, sempre apoiadas na segurança e no conforto da rotina, muitas vezes se vêem perdidas em meio a alguma mudança: de casa, de cidade, de escola ou a perda de alguém querido, que significa uma mudança brusca na configuração familiar. Estar atento aos sinais de que os pequenos não estão lidando bem com alguma mudança é essencial para que eles tenham o apoio necessário para viver esta difícil fase de transição.

Afinal, mudanças são isso: fases de transição. Pois, uma vez que a rotina se estabiliza novamente, elas deixam de ser tão importantes, já que as novidades foram devidamente acomodadas e incorporadas ao dia a dia. Esse é um fato reconfortante quando o sentimento relacionado à mudança não é tão positivo. No caso dos pequenos, é importante dizer a eles que todo o desconforto vai passar com o tempo e que, enquanto isso não acontece, vocês podem se apoiar juntos, para encontrar a melhor forma de lidar com a nova vida.

A ludicidade como aliada!

As crianças não são menos espertas do que os adultos, elas são tão antenadas e atentas a tudo ao seu redor quanto nós (ou até mais, muitas vezes). Portanto, é bom que tenham alguém lhes dizendo claramente sobre a situação vivida. Se a mudança que era para ser boa está sendo sofrida, por que não falar deste momento e sobre como isso afeta a todos? Dar voz e vazão a todos os sentimentos é a chave para a aceitação e para um mínimo de conforto em meio à situação que se vive. Isso vale para todos nós: adultos e crianças.

Quando não ouvidos ou silenciados, os pequenos podem encontrar outros meios de extravasar seus sentimentos, sejam eles quais forem. O que pode resultar em sintomas físicos e emocionais, como ansiedade, medos e fobias, por exemplo. E as saídas, podem ser as mais variadas, desde a invenção de um amigo imaginário, para dar conta da realidade, ou o início de alguma atividade que o ajude a sublimar os sentimentos, como desenhar ou escrever em diários e cartas.

O Leão da Neve: usando a imaginação para enfrentar o medo de mudança

Foi assim com a pequena Carol, protagonista do livro O Leão da Neve, de autoria de Jim Helmore e Richard Jones, publicado pela Editora Carochinha, e enviado com exclusividade aos nossos Leitores Iniciantes. Ao vivenciar uma grande mudança para uma cidade nova, Carol se vê sozinha, em uma casa muito branca, que nada tinha de familiar. Ao se deparar com o grande desafio de enfrentar tantas mudanças de uma vez, ela encontra em meio às paredes brancas um amigo inusitado! Um Leão, branco como a neve, ocupa os espaços vazios da casa e da imaginação de Carol, sendo um companheiro seguro que a ajuda a atravessar a difícil fase.

Com o tempo, Carol se permite viver pequenas coisas, sair de casa por um breve tempo, conhecer algumas crianças e, ao final, acaba percebendo que a casa já não está tão branca, nem tão vazia como antes. Só que na nova vida que ela se permite viver já não há paredes brancas onde um Leão da Neve possa viver. Assim, rodeada de novos amigos e da segurança da nova rotina, Carol se despede com carinho de seu amigo que tanto a ajudou!

Este livro vem nos dizer algo importante: a imaginação salva, dá função ao que antes era vazio e pinta paredes brancas, quando estas precisam de alguma cor. Ainda que ela pareça fantasiosa demais, pode ser importante o bastante para nos fazer imaginar uma vida diferente e muito melhor! Assim, as mudanças podem até chegar, mas as cabecinhas mais criativas sempre encontrarão uma forma inusitada para que tudo ocorra bem no final!

Leia também:

Profile photo of Sarah Helena

Mãe da Cecília, formada em Psicologia, especialista em Filosofia, sempre trabalhou com famílias, especialmente com os pequenos. Por esse amor ao universo afetivo infantil, hoje, na Leiturinha, ela colabora fortalecendo o vínculo das famílias leitoras através da experiência da literatura.